Tag: cornélio à lápide (Page 1 of 6)

Escravidão do pecado

Escravidão do pecado, Tesouros de Cornélio à Lápide

O pecado faz-nos escravos

Escutai aquilo que diz o mesmo Jesus Cristo: Em verdade, em verdade, Eu vos digo, todo aquele que peca, é escravo do pecado: Amen, amen dico vobis, quia omnis qui facitpeccatum, servus estpeccati (Jo 8, 34).

Ó miserável servidão!, exclama Santo Agostinho; o escravo de um homem, cansado dos duros tratamentos de seu dono, pode algumas vezes achar repouso na fuga; porém, o escravo do pecado, onde poderá ocultar-se? Em qualquer parte onde se esconda, faz-se traição a si mesmo. A má consciência não pode fugir de si mesma, não há lugar onde possa ir para ser livre; persegue-se, ou melhor, sempre está ali; porque o pecado está em seu interior[1].

Prometem-se a liberdade, diz o Apóstolo São Pedro, quando, de fato, eles mesmos tornam-se escravos da corrupção; pois quem é vencido por outro, deste mesmo vencedor toma-se escravo: Libertatem illis promittentes, cum ipsi servi sint corruptionis; a quo enim quis superatus est, hujus et servus est (2 Pd 2, 19). Continue reading

Escândalo

Escândalo, Tesouros de Cornélio à Lápide

O que é o escândalo

O escândalo, diz Santo Tomás, é uma palavra ou uma ação que carece de retidão e causa a ruína do próximo: Dictum vel factum minus rectum, praebens alteri ruinam (De peccat.).

O escandaloso é um homem perniciosíssimo, diz a Escritura; insinua-se com palavras pérfidas, seus olhos cintilam, faz sinais com o pé, fala com os dedos, maquina o mal em seu depravado coração, e em todo o tempo semeia discórdias (Pr 3, 13-15).

O escandaloso, diz Santo Efrem, perde a fé, cai nos vícios, despreza os Sacramentos, zomba do Inferno, e jamais se ocupa do Céu (Serm. IV). Continue reading

Inveja (Envídia)

Inveja (Envídia), Tesouros de Cornélio à Lápide

O que é a inveja

A inveja, diz Santo Agostinho, é o ódio pela felicidade dos outros: Quid invidia, nisi odium felicitatis alienae? (Homil. XX, inter L.).

O que é inveja?, perguntaram a Aristóteles. É, respondeu ele, a antagonista da prosperidade (Etich.).

A inveja é o triste e secreto efeito de um orgulho pusilânime, que se sente rebaixado ou apequenado por qualquer brilho dos outros, e não pode suportar a mais insignificante luz.

A inveja é uma paixão abominável

A inveja é a mais baixa, a mais odiosa, a mais vituperada de todas as paixões, diz Bossuet; porém, talvez a mais comum e aquela de quem poucas almas acham-se inteiramente puras. Os homens querem manifestar delicadeza, e a compaixão de nosso amor próprio nos faz tão grandes à nossa própria vista que, então, consideramos um atentado a nós mesmos a menor esperança de contradição, e arrebatamo-nos por pouco que nos fira. Porém, o mais particular e desregrado em nós, é que tão delicados somos, que os prósperos nos irritam sem fazer-nos mal, ferem-nos sem tocar-nos. Continue reading

Endurecimento

Endurecimento, Tesouros de Cornélio à Lápide

O que é endurecimento

O que é um coração endurecido? – pergunta São Bernardo – É aquele que não tem horror de si mesmo, porque já não sente; é aquele que não se abre à compunção, não se abranda pela piedade, nem se comove pelas orações, nem se intimida pelas ameaças; é aquele que se endurece sob os golpes quer da graça, quer das vinganças de Deus.

Não mostra reconhecimento pelos benefícios, é infiel aos bons conselhos, desapiedado para condenar aos outros, sem vergonha ao tratar das coisas mais desonestas, intrépido nos iminentes perigos de salvação, inumano no que diz respeito ao seus semelhantes, temerário frente a Deus, esquecendo o passado, perdendo o presente, e carecendo de previsão para o porvir. Do passado, recorda-se somente das injúrias recebidas; mata o presente, fecha os olhos ao tratar do futuro, e não os abre mais senão para vingar-se. Para expressar, em uma palavra, todos os horrores de um coração endurecido, basta dizer que é um coração que não teme a Deus, nem respeita aos homens[1]. Continue reading

Emprego do tempo

Emprego do tempo, Tesouros de Cornélio à Lápide

O tempo é pouquíssima coisa considerado em si mesmo

O tempo é uma sombra, um vapor, um vaidade, um nada… O tempo é uma cena de teatro na qual se contam as fábulas desta vida: os homens são os atores: entram e saem; e o lugar do teatro é a Terra.

Uma geração passa, e sucede-lhe outra, diz o Eclesiástico: Generatio praeterit, et generatio advenit (Eclo 1, 4).

Há duas portas para esta encenação: a porta do nascimento e a porta da morte. Cada ator desempenha um papel.

Depois que um rei representa deixa muito prontamente suas vestes de púrpura, e o mesmo acontece aos demais. Esta comédia acaba logo em seguida. Deus quer que não termine senão em horrível tragédia.

Ó palácios, propriedades de recreação, cidades, casas, terra, ouro e prata, dizei-me: quantos donos tivestes? Quantos outros tereis? Dizei-me: onde está

Salomão, tão sábio? Sansão, tão forte? Absalão, tão formoso? Cícero, tão eloquente? Aristóteles, tão entendido? Alexandre, tão grande conquistador? E César Augusto, monarca tão poderoso? Onde estão hoje todos aqueles amigos, aquela abundância de coisas, aqueles homens considerados como oráculos, aqueles exércitos fortes e numerosos, aquela multidão de nobres, de cavaleiros, de príncipes e de homens ilustres? Em um abrir e fechar de olhos, tudo desapareceu! Ó, pasto de vermes! Ó, gota de orvalho! Ó, vaidade! Ó, nada! Continue reading

Embriaguez

Embriaguez, Tesouros de Cornélio à Lápide

A embriaguez é um pecado

Cuidai, disse Jesus Cristo, de que não se ofusquem vossos corações na libertinagem e na embriaguez: Attendite vobis, ne gaventur corda vestra in crápula et ebrietate (Lc 21, 34). Quando a embriaguez chega a alcançar a perda voluntária da razão, comete-se pecado mortal.

Segundo Santo Agostinho, aquele que se esforça para embriagar a alguém, fazendo-o beber em demasia, dar-lhe-ia menos prejuízo matando-o a punhaladas do que matando sua alma com a embriaguez[1].

Não aceites os convites dos bêbados, dizem os Provérbios: Noli esse in conviviis potatorum (Pr 23, 20). Porque aqueles que se entregam ao vinho serão afastados da herança de seus pais, acrescentam os Provérbios (Pr 23, 24). O vinho introduz-se suavemente; porém, ao final, morde como a serpente, e derrama seu veneno como o basilisco: Vinum ingreditur blande; sed in novíssimo mordebit ut coluber (Pr 23, 31-32).

O vinho e as mulheres fazem os sábios apostatarem, diz o Eclesiástico: Vinum et mulieres apostatare faciunt sapientes (Eclo 19, 2). Continue reading

Educação

Educação, Tesouros de Cornélio à Lápide

Necessidade de uma boa educação

Para que produza a terra abundante colheita, necessitam-se três coisa: bom cultivo, bom agricultor e boa semente. A terra é a criança, o agricultor é aquele que educa, a semente são os bons princípios que há de receber a criança. Assim fala um pagão, Plutarco (Trat. de lib. educand.).

Quereis, diz São João Crisóstomo, deixar a vosso filho grandes e verdadeiras riquezas? Ensinai-lhe a ser doce e bom. Se é mau, ainda quando ao morrer lhe deixasses uma fortuna imensa, ninguém poderá conservá-la. Vale mais que as crianças mal educadas sejam pobres do que ricas[1].

O mesmo Santo Doutor ensina que os pais não tem maior dever que o de dar uma educação cristã a seus filhos, procurando-lhes excelentes professores, capazes de inspirar-lhes bons sentimentos, e de fazer crescer em sua alma a virtude (In Epist. I ad Timoth., Homil. IX). Continue reading

Edifício espiritual

Edifício espiritual, Tesouros de Cornélio à Lápide

Materiais com que se constrói o edifício espiritual

O edifício espiritual da alma é a prática das virtudes levada à perfeição. Uma casa grande e formosa não se pode edificar senão pouco a pouco, e à força de muitos trabalhos; é necessário que haja ordem e variedade; é necessário empregar nela diversos instrumentos e madeiras várias; assim também constrói-se por meio de diversas virtudes, exigindo-se trabalhos largos e gloriosos, uma constância invencível e outras virtudes.

A longanimidade pode representar a longitude do edifício; a caridade sua largura, a esperança sua altura. Os quatro muros são as quatro virtudes cardeais: a prudência, a justiça, a fortaleza, a temperança.

A humildade e a fé são seu fundamento e base; a paciência seu teto; os bons desejos suas vantagens; a observação dos Mandamentos sua porta, e o temor de Deus o porteiro; os Anjos são seus guardiões; a contemplação é sua sacada; a oração forma suas muralhas, e o cão que está de vigia noite e dia, é a vigilância; a alma é sua dona, e todas as virtudes são seus quartos e salas. O esposo é a vontade, a esposa é a modéstia; a família compõe-se das boas obras; os serventes são os sentidos que obedecem à alma; a mesa é a Sagrada Escritura; o pão, a Eucaristia, o fogo, o Espírito Santo; o ar, o bom exemplo; o óleo, a misericórdia e a mansidão; o leito, a tranquilidade da consciência; os remédios, os Sacramentos; os médicos, os Sacerdotes; os hóspedes, o Pai, o Filho, o Espírito Santo, a Virgem Santíssima e os Anjos da Guarda. Continue reading

Doçura ou Mansidão

Doçura ou Mansidão, Tesouros de Cornélio à Lápide

Necessidade da doçura

Cuidai de que não desapareça jamais a mansidão de vosso coração, diz Santo Agostinho: De corde lenitas non recedat (Medit.). Não vos vingueis por vossa própria conta, mas dai lugar a que passe a cólera, diz São Paulo: Non vos metipsos defendentes, sed date locum irae (Rm 12, 19).

Deixai passar a ira, isto é, guardai silêncio, cedei aquele que se enfurece, sede dóceis, sofrei com paciência a injúria, não digais nada até que a calma tenha modificado vosso coração para que caiba nele a doçura e a caridade.

Irmãos meus, diz São Paulo aos Gálatas, se alguém cair desgraçadamente em algum delito, vós que sois espirituais, cuidai de levantá-lo com doçura, refletindo naquilo que se passa com cada um de vós mesmos, e temendo cair, como ele, na tentação: Fratres, et si praeoccupatus fuerit homo in aliquo delicto; vos, qui spiritales estis, hujusmodi instruite in spiritu lenitatis, considerans te ipsum ne et tu tempteris (Gl 6, 1).

Jesus Cristo, diz Santo Agostinho, pronunciou estas palavras: Aprendi de mim, não a fazer um mundo, não a criar as coisas visíveis e invisíveis, não criar outras maravilhas aqui na terra, nem a ressuscitar os mortos; mas, sim, aprendei de mim como ser manso e humilde de coração: Discite a me, non mundum fabricare, non cuncta visibilia et invisibilia creare, non ipso in mundo mirabilia facere, et mortos suscitare; sed quoniam mitis sum et humilis corde (Serm. de Verb. Dom. in Matth.). Continue reading

Domingo

Domingo, Tesouros de Cornélio à Lápide

Ainda que todos os dias pertençam a Deus, Ele quis, contudo, reservar um dia para Si de maneira especial

Deus é o Criador e o Conservador dos dias: todos são seus. A cada dia, devemos tributar-Lhe o amor, o respeito, a adoração e a homenagem por tudo quando temos, por tudo o que fazemos e por tudo o que valemos; porque não somente todos os dias são de Deus, senão que Ele é nosso Deus a cada dia, e não há nenhum instante em que não estejamos sob sua dependência. Deus é tão grande e tão amável na segunda feira quanto nos demais dias da semana, como ainda no Domingo.

Entretanto, como estamos condenados ao trabalho[1] em expiação de nossos pecados, e este trabalho distrai nosso espírito, aplicando-lhe quase unicamente às coisas sensíveis, Deus elegeu, em cada semana, um dia especial que Ele reserva exclusivamente para Si, querendo que este dia especial seja dedicado tão somente ao culto que Lhe é devido. A cada dia, Ele teria o direito de exigir tal culto de todos os homens. Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑