Tag: religião

Outros especialistas

Na linda natureza de Deus
John (17O7-1778), conhecido na biologia das flores, é o fundador da botânica moderna. Todavia, pode ser que se desconheçam as palavras de entusiasmo com que venera o Criador em suas obras. Escreve, por exemplo, em uma passagem (na introdução de “O Sistema da Natureza”:

“Vi passar o eterno, o infinito, o onisciente e onipotente Deus, e fiquei estarrecido em pasmo”.

O químico Liebig (18O3-1873), numa conferência pública, profligou o desvirtuamento das ciências naturais que sonham a negação de Deus. Ele escreve (A Química e sua Aplicação):

“Em verdade, somente reconhecerá a infinita sabedoria do Criador, aquele que realmente faz questão de extrair seus pensamentos do grande livro a que chamamos natureza.”

Continue reading

Quanta coisa não entendemos!

Na linda natureza de Deus
Há em redor de mim uma infinidade de coisas que não compreendo e que, apesar disso acredito.

Apresento um exemplo mui comum. Na química moderna calcula-se continuamente com a milionésima parte de uma grama: o “Gama”. No entanto já viram a milionésima parte da grama? Nenhuma vista humana jamais o alcançou. E todavia, na balança analítica é possível pesar um “Gama”, depois de estafante trabalho e cálculos de ¾ de hora.

Que é o “mícron”? É a milésima parte do milímetro. Entenda-se bem: a milésima parte do milímetro que para nós já é incrivelmente pequeno!

O éter é 500 bilhões de vezes mais leve do que o ar. Para que produza a cor violeta, são imprescindíveis 758 bilhões de vibrações por segundo. Pode-se “compreender” isso? “Saber” o que significa? Como se poderia sabê-lo? Apenas se pode crê-lo.

Toma-se mesmo necessária uma fé bem sólida! Continue reading

Creio apenas naquilo que vejo!

Na linda natureza de Deus

“A causa primordial das nossas dúvidas na religião é a ilimitada confiança que temos na força invencível e na infalibilidade de nosso entendimento” (Eotvos).

Nunca senti mais fortemente a verdade dessas palavras, do que quando ouvi da boca dum operário que se julgava muito sabido:

“Não creio na eternidade, na religião, em Deus, creio somente naquilo que vejo!”

Disse, e ergueu orgulhosamente a cabeça.

O bom homem estava convencido de ter falado com abaladora sabedoria, e os que talvez repetem esse pensamento, vivam na mesma ilusão.

Insensatos! Continue reading

Divindade da Religião

2º Domingo do Advento - II. A Divindade da Religião

II. Sermão para o 2º Domingo do Advento

Nota: Ms. t. XI, p. 164. – Déforis, IV, 200. – Lachat, VIII, 177. — Este magnífico sermão deve ser estudado de muito perto sob todos os pontos de vista; haveria grande proveito em o comparar com os Pensamentos de Pascal; é, por assim dizer, o resumo eloquentíssimo dessa Apologia do cristianismo. O discurso da Divindade da Religião seria talvez, se o discurso da Unidade da Igreja não existisse, a obra prima de Bossuet, como autor de Sermões

Pregado no Louvre no dia 6 de dezembro de 1665.

SUMÁRIO

Exordio. — O Salvador passou, fazendo bem e curando todas as enfermidades. Os milagres eram os sinais sagrados dos prodígios sobrenaturais que a sua religião devia realizar.

Proposição e divisão. — Jesus Cristo quis na fé «que as verdades fossem sublimes; na regra dos costumes que o caminho fosse estreito; na remissão dos pecados que o meio fosse fácil».

1.º Ponto.«A doutrina do Salvador estabeleceu-se no mundo e mantem-se nele como uma rainha no seu império; ora a sublimidade das verdades cristãs» leva-nos a sublevar-nos «contra a autoridade de Jesus Cristo».

2.º Ponto. — A moral do Salvador disciplinou maravilhosamente o indivíduo, a família, as amizades e a sociedade; ora, a exatidão da regra cristã leva-nos a queixar-nos do rigor da Igreja.

3.º Ponto. — As portas da penitência estão sempre abertas, o que nos arrasta a abusar da paciência da Igreja.

Peroração. — Nós devemos viver de tal maneira que as instituições da clemência divina não venham a ser para nós uma causa de condenação.

Caeci vident, claudi ambulant, leprosi mundantur, etc., e quase em seguida: Beatus qui non fuerit scandalizatus in me!
Os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são purificados, e bem-aventurado é aquele que em mim se não escandalizar! (Mt 11, 5 e 6).

Continue reading

O Verbo abreviado

Texto escrito por Pe. de Lubac, extraído do livro “Exegese Medieval. Os quatro sentidos da Escritura”, vol. III.

Em Jesus Cristo, que era a finalidade, a antiga Lei encontrou precedentemente a sua unidade. Século após século, tudo nessa Lei convergia para Ele. É Ele que, da totalidade das Escrituras, formava já a única Palavra de Deus.

Nele, os “verba multa” (as muitas palavras) dos escritores bíblicos tornam-se para sempre Verbum unum – “Palavra única”.
Sem Ele, ao invés, o laço se dissolve: de novo a palavra de Deus se reduz a fragmentos de “palavras humanas; palavras múltiplas, não somente numerosas, mas múltiplas por essência e sem unidade possível, porque, como constata Hugo de São Vítor, multi sunt sermones hominis, quia cor hominis unum non est – “Muitas são as palavras do homem, porque o coração do homem não é uno”. Continue reading

XII. A Intolerância da Igreja

Compre agora mesmo o livro Igreja Católica de Dom Tihamer Tóth!

Compre agora mesmo o livro Igreja Católica de Dom Tihamer Tóth!

A presente instrução será a sequencia lógica da anterior. Para formularmos um juízo imparcial, é necessário enfrentarmos as objeções que os espíritos superficiais levantam contra a nossa Igreja; as que se referem a defeitos reais da vida da Igreja, e também as que se referem a defeitos aparentes, que só podem ser chamados defeitos em consequência dum juízo precipitado e parcial.

Têm havido, na História páginas realmente tristes, e têm havido também na vida da Igreja acontecimentos em que, infelizmente, se acusa o lado humano da Igreja, por demais. É lastimável e devemos trabalhar para que o elemento humano seja cada vez mais relegado para o segundo plano, na Igreja. Jamais, porém, será possível afastar totalmente esses defeitos, porque eles vão de par com o duplo semblante da Igreja, com a sua dupla natureza, divina e humana, como foi dito na instrução precedente.

Mas têm havido também na Igreja qualidade, têm havido na sua vida manifestações, que certas pessoas encaram como defeitos, lacunas e imperfeições, mas que não merecem essa qualificação. Ouvimos, a cada instante, alegações lançadas levianamente por pessoas frívolas ou mal intencionadas; vale, pois, a pena examinarmos detalhadamente esses pretensos defeitos da nossa Igreja, para nos certificarmos se são defeitos ou, antes, virtudes, se nos devemos escandalizar deles ou, antes, reconhecer neles os sinais da verdadeira Igreja. Continue reading

© 2021 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑