Tag: paixão de jesus (Page 2 of 4)

Jesus coroado de Espinhos

Meditação para a Sexta-feira da Quinquagésima. Jesus coroado de Espinhos

Meditação para a Sexta-feira da Quinquagésima

SUMARIO

Conformando-nos com o espírito da Igreja, meditaremos sobre a coroação de espinhos, e admiraremos neste mistério:

1.° Um mistério de dor e de humilhação;

2.° Um precioso ensino para a salvação.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De aceitarmos de boa vontade as mortificações e humilhações que sobrevierem;

2.° De fazermos muitas vezes atos de contrição por causa da nossa sensualidade e do nosso amor-próprio.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de São Bernardo:

“Envergonhemo-nos de ser um membro delicado debaixo de uma cabeça coroada de espinhos” – Pudeat sub spinato capite membrum fieri delicatum (Serm. V, in Fest, omn. SS. n.º 9)

Continue reading

Jesus no Horto das Oliveiras

Meditação para a Terça-feira da Septuagésima. Jesus no Horto das Oliveiras

Meditação para a Terça-feira da Septuagésima

SUMARIO

Para nos conformarmos com a liturgia romana que honra Jesus no Horto das Oliveiras, meditaremos sobre este mistério, e aprenderemos:

1.° A evitar o pecado;

2.° A santificar as provações da vida.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De nos lembrarmos de Jesus Cristo no Horto das Oliveiras para nos excitarmos à contrição das nossas culpas, quer de tarde no exame de consciência, quer preparando-nos para a confissão;

2.° De prevermos cada manhã as provações do dia, para nos animarmos a suportá-las cristãmente e sem murmurar.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de Nosso Senhor no Horto das Oliveiras:

“Pai, não se faça a minha vontade, mas sim a tua” – Pater, non mea voluntas, sed tua fiat (Lc 22, 42)

Continue reading

Jesus Cristo fez-se homem para nos fazer compreender o amor que nos tem, e nos excitar a amá-lo

Capítulo I

Dilexit non et tradidit semetipsum pro nobis – “Jesus Cristo nos amou e a si mesmo se entregou por nós” (Ef 5, 2)

Para atrair a si os corações dos homens e captar seu amor, havia-os Deus enchido de toda a sorte de benefícios; longe porém de corresponderem às suas solicitações e dar-lhe amor por amor, os homens ingratos nem sequer por seu Deus e Senhor o quiseram reconhecer; ante ídolos de pedra e madeira curvaram vergonhosamente a fronte, e às mais vis criaturas prostituíram suas homenagens e adorações. E se apenas num pequeno canto da terra, se na Judeia, era este Deus do universo como tal reconhecido por um povo que escolhera, ainda ali mesmo mais era temido do que amado. Continue reading

Amor excessivo de Jesus Cristo para com os homens

Jesus Crucificado

Nos praedicamus Chirstum crucifixum, Iudaeis quidem scandalum, gentibus autem stultitiam – “Nos pregamos a Cristo crucificado, que é de fato para os judeus escândalo e para os gentios loucura” (1 Cor 1, 23)

Sumário. O mistério da Redenção é tão sublime, que os gentios o chamavam uma loucura. Julgavam impossível que um Deus onipotente e felicíssimo se tivesse feito homem e tivesse morrido numa cruz pela salvação dos homens. Como há, pois, cristão que sabem isso pela fé, e veem um Deus tornado, por assim dizer, louco por amor dos homens, e todavia vivem sem O amar, e mesmo O ofendem e injuriam?… Se no passado nos unimos àqueles ingratos para ofender Jesus, peçamos-Lhe humildemente perdão. Continue reading

Das ignominias que Jesus Cristo sofreu na sua Paixão

Flagelação de Cristo

Dabit percutienti se maxillam, saturabitur opprobriis – “Oferecerá a face ao que o ferir, fartar-se-á de opróbrios” (Lm 3, 30)

Sumário. Ah, a quantas ignomínias se submeteu o nosso pobre Jesus no tempo da sua Paixão! Foi traído por um dos seus discípulos, renegado por outro e abandonado por todos. Foi escarnecido como mentecapto, posposto a Barrabás, açoitado como um escravo, tratado como rei de teatro, condenado a morrer crucificado entre dois ladrões. E para que? Para nos provar o seu amor, e ensinar-nos pelo seu exemplo a sofrer com paciência os desprezos e injúrias. E todavia ficamos sempre orgulhosos e amamos tão pouco a Jesus Cristo!

I. As mais graves injúrias que sofreu Jesus Cristo são as que lhe foram feitas no dia da sua morte. Sofreu então primeiro o opróbio de se ver abandonado por todos os seus amados discípulos, dos quais um o traiu, outro o renegou e quando Jesus foi preso no horto, todos fugiram e o abandonaram. Em seguida, os judeus apresentaram-no a Pilatos como um malfeitor digno de ser crucificado a um simples pedido deles. Por Herodes e toda a sua corte foi escarnecido como louco: Sprevit illum Herodes cum exercitu suo (1).

Depois foi posposto a Barrabás, um ladrão e homicida; pois, à pergunta de Pilatos a quem devia soltar, os judeus responderam gritando: Non hunc, sed Barabbam (2) — “Não queremos solto este, mas Barrabás”. Foi flagelado como escravo, porque esta pena se infligia só aos escravos. Foi burlado como rei de teatro; porquanto, depois de por escárnio O haverem coroado de espinhos, saudaram-No como rei, e, escarrando-Lhe no rosto, diziam: Ave, rex Iudaeorum (3) — “Ave, rei dos judeus”. Depois foi condenado a morrer entre dois ladrões conforme já fora predito por Isaias: Et cum sceleratis reputatus est (4) – “Ele foi posto no número dos celerados”.

Finalmente morreu crucificado, quer dizer, da morte mais ignominiosa à qual naqueles tempos eram condenados os criminosos, pelo que (como está escrito no livro Deuteronômio (5)) os Hebreus consideravam o crucificado como maldito de Deus e dos homens. É por isso que São Paulo escreve:

“Cristo nos remiu da maldição da lei, fazendo-se por nós maldição, porque está escrito: Maldito todo aquele que é suspenso no lenho” (6).

— E nota o que em outro lugar acrescenta o Apóstolo: não foi por necessidade, mas por livre escolha que o Senhor teve uma vida tão cheia de tribulações e uma morte acompanhada de tantas ignominias, renunciando a uma vida suntuosa e deliciosa, de que nesta terra podia gozar (7). Oh, diz Santo Agostinho, se esta medicina não basta para curar o nosso orgulho, não sei o que o possa curar: Quid eam curet nescio.

II. Em Jesus Cristo cumpriu-se à risca a profecia de Jeremias que havia de viver e de morrer farto de opróbrios: Dabit percutienti se maxillam, saturabitur opprobriis. Por isso exclama São Bernardo:

“Ó Deus altíssimo, feito o último dos homens! Ó Deus excelso, feito desprezível! Ó glória dos anjos, feito opróbrio dos homens! E quem tem feito isto? É o amor — Quis hoc fecit? Amor

Deus tem feito tudo isto para nos mostrar quanto nos ama, e para nos ensinar pelo seu exemplo a sofrer em paz o desprezo e as injúrias.

Quando formos injuriados, lancemos um olhar sobre a Paixão do Redentor. — Assim fazia Eleazaro, que interrogado por sua esposa, como fazia ele para suportar com tanta resignação as injúrias que lhe faziam, respondeu: “Eu volto os meus olhos para Jesus desprezado, e digo que as afrontas que sofro nada são em comparação daquelas que Ele, sendo como era meu Deus, quis sofrer por mim.”

Ó meu desprezado Senhor! Pelos merecimentos das afrontas que tendes suportado por mim, dai-me graça para sofrer com paciência e com alegria as afrontas e as injúrias que me sejam feitas. Proponho daqui em diante não me entregar mais ao ressentimento; dai-me força para o executar e livrai-me do inferno.

Ó meu Jesus, não permitais que, remido por Vós com tanto sofrimento e com tanto amor, venha eu a condenar-me e a cair no inferno, onde deveria odiar-Vos e amaldiçoar o amor que me haveis mostrado. Muitas vezes tenho merecido o inferno; pois, ao passo que Vós nada mais podíeis fazer para me obrigar a amar-Vos, eu tudo tenho feito para Vos obrigar a castigar-me. Mas visto que na vossa bondade me esperastes e ainda continuais a pedir-me que Vos ame, quero amar-Vos, e quero amar-Vos de todo o meu coração e sem reserva. — Ó grande Mãe de Deus, Maria, ajudai-me pelas vossas orações e fazei que eu ame as humilhações e os desprezos.

Referências:

(1) Lc 23, 11
(2) Jo 18, 40
(3) Mt 27, 29
(4) Is 53, 12
(5) Dt 21, 23
(6) Gl 3, 13
(7) Hb 12, 2

Voltar para o Índice de Meditações de Santo Afonso

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo III: Desde a Décima Segunda Semana depois de Pentecostes até o fim do ano eclesiástico. Friburgo: Herder & Cia, 1922, p. 294-295)

Frutos que produz a meditação de Jesus Crucificado

Cristo Crucificado, pintura de Viktor Vasnetsov (1885-1896)

Cristo Crucificado, pintura de Viktor Vasnetsov (1885-1896)

Sub umbra illius quem desideraveram sedi; et fructus eius dulcis gutturi meo – “Eu me sentei debaixo da sombra daquele a quem tanto tinha desejado; e o seu fruto é doce ao meu paladar” (Ct 2, 3)

Sumário. Representemo-nos muitas vezes Jesus agonizante sobre a cruz; detenhamo-nos em contemplar algum tempo as suas dores e o afeto com que sofreu, e disso tiraremos copiosos frutos de vida eterna. Da cruz de Jesus parte uma aragem celeste que suavemente nos desliga das coisas terrenas e nos torna leves todos os nossos trabalhos; acenderá em nós um santo ardor para sofrer e morrer por amor daquele que quis padecer e morrer por nosso amor. É sobre o Calvário que se formaram e ainda se formam os santos. Continue reading

Suspiros de amor ao pé do Crucifixo

Paixão de Cristo: coloquemo-nos aos pés da Cruz e contemplemos o Amor de Cristo por nós

Pro omnibus mortuus est Christus, ut et qui vivunt iam non sibi vivant, sed ei qui pro ipsis mortuus est et resurrexit – “Cristo morreu por todos, para que também os que vivem já não vivam para si, mas para aquele que morreu por eles e ressuscitou” (2 Cor 5, 15)

Sumário. Levantemos os olhos e vejamos Jesus morto no patíbulo da cruz, o corpo coberto de chagas, das quais ainda dimana sangue. A fé ensina-nos que é Ele nosso Criador, nosso Salvador; aquele que nos ama mais do que qualquer outro e só nos pode fazer felizes. Expandamos diante d’Ele o nosso coração, fazendo atos de fé, de esperança, de arrependimento, de agradecimentos e de amor. Sobretudo façamos atos de oferecimento de nós mesmos, protestando que queremos empregar em amá-Lo toda a vida que ainda nos resta. Continue reading

Quinta palavra de Jesus Cristo na Cruz

Quinta Palavra de Jesus na Cruz: Tenho Sede

Sciens Jesus quia omnia consummata sunt, ut consummaretur Scriptura, dixit: Sitio – “Sabendo Jesus que tudo estava cumprido, para se cumprir ainda a escritura, disse: Tenho sede” (Jo 19, 28)

Sumário. É dupla a sede que sofre Jesus moribundo: a sede corporal, causada pelo cansaço das caminhadas, pela tristeza interior e pelo muito sangue derramado. Outra sede espiritual, isso é, o desejo da salvação eterna de todos os homens, que O faz anelar maiores tormentos, se for preciso. Ah! Se nos lembrássemos sempre desta dúplice sede do Senhor, não procuraríamos delicadezas supérfluas e esforçar-nos-íamos por reconduzir as almas a Deus. Longe de nos queixarmos das tribulações, desejá-las-íamos maiores por amor de Jesus Cristo. Continue reading

Vida desolada de Jesus Cristo

Vida desolada de Jesus Cristo

Magna est velut mare contritio tua. Quis medebitur tui? – “É grande como o mar o teu desfalecimento; quem te remediará?” (Lm 2, 13)

Sumário. A vida do Redentor foi destituída de qualquer consolação; porquanto os suplícios que devia sofrer até à morte eram-Lhe em todo tempo presentes. O que, porém, O afligia não era tanto esta previsão, como a vista dos pecados que os homens haviam de cometer e a eterna perdição que dali havia de provir. Quando nos acharmos em desolação, animemo-nos unindo a nossa desolação à de Jesus Cristo. Ao mesmo tempo, lembremo-nos de que pelos nossos pecados temos também concorrido para afligir e contristar o seu amabilíssimo Coração. Continue reading

Jesus, homem de dores

Virum dolorum et scientem infirmitatem – “Um homem de dores e experimentado nos trabalhos” (Is 53, 3)

Sumário. Se queres ver um homem de dores, olha para Jesus Cristo sobre a cruz. Ei-Lo apoiando-se com todo o peso do corpo sobre as chagas das mãos e dos pés trespassados; cada um dos membros sofre a sua dor particular sem alivio algum. Pois bem, se para a nossa Redenção bastava uma só lágrima e Jesus, porque é que ele quis sofrer tanto? É para agora temo-Lo amado tão pouco; temo-Lo mesmo ofendido tantas vezes! Permaneceremos sempre tão ingratos? Continue reading

« Older posts Newer posts »

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑