Tag: fulton sheen (Page 2 of 6)

O Progresso

Capítulo 49. O Progresso - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
O G. K. Chesterton disse:

«Há uma coisa no mundo que nunca faz progresso: é a ideia de progresso»

Com isso ele quis dizer que, se não tivermos um conceito certo do que realmente significa o progresso, nunca saberemos se estamos a avançar. Infelizmente há muitos que, em lugar de trabalharem por um ideal, o mudam, e chamam a isto progresso. Nunca ninguém poderia saber que estava a fazer progresso no caminho de Chicago para São Francisco, se São Francisco fosse identificada com Nova Iorque. Só quando a meta estiver fixada e definida, é que podemos ter um alvo e a energia para disparar à seta. Continue reading

Homens Atômicos

Capítulo 48. Homens Atômicos - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
ENQUANTO o medo trouxer o mundo transido, importa, absolutamente, que esta verdade não cesse de se dizer: não são as bombas atômicas que nos hão de meter medo, mas os homens atômicos os homens que formaram uma civilização, em que se usem essas bombas. É sempre o agente humano que é responsável pelos atos de guerra, e não uma arma inânime; um arco e uma seta nas mãos de um arqueiro de profissão não constituem uma ameaça, como no caso de se encontrarem nas mãos de um índio selvagem. Continue reading

A Divina Psicologia da Murmuração

Capítulo 47. A Divina Psicologia da Murmuração - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
É COSTUME atribuir a murmuração às mulheres; mas os homens são muitas vezes culpados da mesma falta. Eles chamam a isto «apreciar».

Nosso Senhor, falando dos murmuradores, disse:

«Não julgueis, para que não sejais julgados»

A Sua advertência para não «apreciarmos» os outros requer que não façamos maus juízos, nem procuremos o pior nos outros. Só Deus vê o coração do nosso próximo; nós não vemos senão a face. Continue reading

Como se há de Dar

Capítulo 46. Como se há de Dar - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
«GRANJEAI amigos com a Mammona da iniquidade», é uma das misteriosas palavras de Nosso Senhor para aqueles que não compreendem o seu significado. «Mammona» é uma palavra síria que significa dinheiro, e chama-se «Mammona da iniquidade», porque aqueles a quem Nosso Senhor falou, muitas vezes o usaram para fins de injustiça e de iniquidade. Uma nota de dólar que se traz na carteira, se pudesse falar, poderia escandalizar-nos dizendo-nos as coisas em que foi gasta, as transações que ajudou, e os prazeres pecaminosos que comprou. Nosso Senhor diz-nos que há uma ocasião em que o dinheiro deixa de nos servir, pois o homem que o tem, é apenas um mordomo. A morte diz a todos os homens:

«Presta contas da tua administração, pois não podes ser mordomo por mais tempo»

Continue reading

O Espírito de Servir

Capítulo 45. O Espírito de Servir - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
O DESEJO de distinção é uma das tendências mais enraizadas na nossa natureza; embora esse desejo tenha sido crucificado e sepultado, num momento inesperado revive e ressuscita de novo, com todo o seu poder. Esta paixão sutil é mais forte no período médio da vida. Manifesta-se entre o amor do prazer que prevalece na mocidade, e o amor do lucro que se faz mais sentir na idade avançada. Em oposição a todo o egoísmo e ambição, está o ideal de utilidade e serviço. Só é grande de coração aquele que abraça o mundo com um grande afeto; só é grande de espírito aquele que agita o mundo com pensamentos puros. Nosso Senhor deu-nos a chave de toda a grandeza, quando disse que veio para servir e não para ser servido. O serviço do próximo tal qual Ele o inspirou, tem de fluir do amor, pois só da fonte do amor podem brotar esses atos contínuos e surpreendentes de auxílio. Continue reading

O Problema de Dar

Capítulo 44. O Problema de Dar - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
«TER» é o contrário de «dar» e, todavia, cada uma destas coisas é boa no seu devido lugar. Ter é estender a nossa personalidade: não contemos, dentro de nós próprios, todas as coisas essenciais à vida humana, e, portanto, o nosso «ser» deve ser completado também pelo «ter». A existência implica o direito de ter o necessário alimento e vestuário e um lugar para viver; não implica, contudo, o direito de ter um iate de passeio. O direito de possuir vai diminuindo à medida que os objetos se distanciam mais das nossas necessidades pessoais. Continue reading

É melhor Dar que Receber

Capítulo 43. É melhor Dar que Receber - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
A GRANDE maioria das pessoas que vivem em países de civilização ocidental está ocupada na tarefa de ganhar. Por mais estranho que isso pareça, a moral cristã está fundada no princípio oposto, de que é melhor dar que receber. Não só a oportunidade, como o encargo de dar cumprimento a este Mandato Divino recai, principalmente, sobre aqueles de nós que vivem numa civilização que tem sido abundantemente abençoada por Deus. O rendimento dos Estados Unidos, por cabeça, é de 1.500 dólares, aproximadamente, por ano, e contudo o rendimento por cabeça de um terço da população do mundo é inferior a 50 dólares por ano, enquanto dois terços da população do mundo vivem com menos de 200 dólares por ano. Nos Estados Unidos é pago ao governo em impostos 28 dólares por cada 100 dólares. Pagamos mais de impostos do que a maior parte das pessoas ganha para se manter.

Continue reading

Repouso e Meditação

Capítulo 42. Repouso e Meditação - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
O HOMEM moderno seria muito mais feliz se reservasse um pouco de tempo para meditação. Como o profeta do Antigo Testamento dizia: «Paz, paz e não há paz, pois ninguém se concentra no seu coração», o Evangelho diz-nos que o nosso Divino Senhor se afastara das multidões para se dirigir ao deserto, onde orava. A Marta, que estava demasiado preocupada com os seus afazeres, disse o Mestre que apenas uma coisa era necessária. Uma vida de fé e de paz de alma apenas pode ser cultivada por meio de isolamento periódico dos cuidados do mundo.

Continue reading

O Medo e a Ética

Capítulo 41. O Medo e a Ética - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
A MAIOR parte das neuroses são baluartes contra o medo. Muitos psicólogos e médicos passaram a adotar esta tese, dado que o medo, na verdade, provoca uma espécie de autodefesa. Não é, decerto, o medo que é temido; o inimigo é a tensão entre a consciência e o que aconteceu. O medo é como o dinamômetro numa caldeira a vapor. Registra simplesmente a pressão.

O modo mais simples, mas o pior, para repelir do espírito o medo é reprimi-lo, isto é, relegá-lo para o inconsciente.

Continue reading

Amabilidade

Capítulo 40. Amabilidade - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
MUITAS pessoas, amabilíssimas nos seus lares e escritórios, podem tornar-se grosseiras e egoístas, ao volante de um automóvel. Isto é talvez devido a que nos seus lares elas são conhecidas; no automóvel, à sombra do anonimato, podem ser quase brutais sem receio de serem conhecidas. Sermos amáveis pelo receio de que os outros pensem que somos grosseiros, não é amabilidade real, mas antes uma forma dissimulada de egoísmo.

Continue reading

« Older posts Newer posts »

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑