Tag: amor próprio (Page 1 of 3)

O Amor-próprio é uma loucura e nos tira o juízo

Meditação para a Décima Segunda Quinta-feira depois de Pentecostes. Vigésima Primeira razão de sermos Humildes: O Amor-próprio é uma loucura e nos tira o juízo

Meditação para a Décima Terceira Quinta-feira depois de Pentecostes

Vigésima Primeira razão de sermos Humildes

SUMARIO

Meditaremos sobre uma vigésima primeira razão de sermos humildes, e é:

1.° Que o amor-próprio é uma loucura;

2.° Que esta loucura nos tira o juízo no modo de proceder.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De expulsar, logo que o advirtamos, toda a complacência em nós mesmos e todo o desejo da estima;

2.° De nunca faltarmos em nosso favor, e de aceitarmos de boamente as humilhações que nos sobrevierem.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra dos livros santos:

“Onde ha humildade, aí há igualmente sabedoria” – Ubi est humilitas, ibi est sapientia (Pr 11, 2)

Continue reading

O Amor-próprio põe a salvação em grande perigo

Meditação para a Décima Segunda Quarta-feira depois de Pentecostes. Vigésima razão de sermos Humildes: O Amor-próprio põe a salvação em grande perigo

Meditação para a Décima Terceira Quarta-feira depois de Pentecostes

Vigésima razão de sermos Humildes

SUMARIO

Meditaremos sobre uma vigésima razão de sermos humildes; é, que o amor-próprio é:

1.° Um perigo de todos os instantes;

2.° Um perigo muitas vezes mais grave do que se pensa.

– Tomaremos depois a resolução:

1.° De nunca buscarmos os louvores e a estima;

2.° De não usarmos de nenhum meio para ocultar o que nos humilha.

O nosso ramalhete espiritual será o conselho do Espírito Santo:

“Humilhai o vosso coração” – Deprime cor tuum (Ecl 2, 2)

Continue reading

O Amor-próprio engana-nos a respeito do que somos e do que é o próximo

Meditação para a Décima Segunda Terça-feira depois de Pentecostes. Décima Nona razão de sermos Humildes: O Amor-próprio engana-nos a respeito do que somos e do que é o próximo

Meditação para a Décima Terceira Terça-feira depois de Pentecostes

Décima Nona razão de sermos Humildes

SUMARIO

Meditaremos sobre uma décima nona razão de sermos humildes, e é que o amor-próprio nos oculta:

1.° O que somos;

2.° O que é o próximo.

Depois destas reflexões, tomaremos a resolução:

1.° De nos precatarmos das ilusões do amor-próprio, e de não as olharmos como realidades;

2.° De nada dizermos nem fazermos por amor-próprio.

O nosso ramalhete espiritual será a máxima da Imitação:

“Aquele que se conhece bem a si mesmo é vil a seus próprios olhos, e não se compraz nos louvores dos homens” – Qui bene seipsum cognoscit, sibi ipsi vilescit, nec laudibus dilectatur humanis (I Imitação 2, 1)

Continue reading

O Amor-próprio tira-nos todos os nossos méritos

Meditação para o Duodécimo Sábado depois de Pentecostes. Décima Oitava razão de sermos Humildes: O Amor-próprio tira-nos todos os nossos méritos

Meditação para o Duodécimo Sábado depois de Pentecostes

Décima Oitava razão de sermos Humildes

SUMARIO

Meditaremos sobre uma décima oitava razão de sermos humildes: é que o nosso amor-próprio nos tira:

1.° O mérito de nossas boas obras;

2.° Muitas vezes sem o sabermos.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De fazermos todas as nossas obras com a intenção de agradar a Deus;

2.° De afastarmos com cuidado qualquer outro intento que poderia viciar a nossa intenção.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de Jeremias:

“Vede, Senhor, e considerai quão miserável sou” – Ego vir videns paupertatem meam (Lm 3, 1). Vide Domine, et considera quoniam facta sum vulis (Lm 1, 2)

Continue reading

O Amor-próprio é um muro de separação entre Deus e o homem, e é incompatível com toda a Virtude

Meditação para a Duodécima Sexta-feira depois de Pentecostes. Décima Sétima razão de sermos Humildes: O Amor-próprio é um muro de separação entre Deus e o homem, e é incompatível com toda a Virtude

Meditação para a Duodécima Sexta-feira depois de Pentecostes

Décima Sétima razão de sermos Humildes

SUMARIO

Meditaremos sobre uma décima sétima razão de sermos humildes; e é:

1.° Que o amor-próprio é um muro de separação entre Deus e nós;

2.º Que o amor-próprio não é compatível com nenhuma virtude.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De preferirmos sempre o que nos humilha ao que nos exalta;

2.º De evitarmos o máximo possível as ocasiões de ser vistos e distinguidos.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do Apóstolo:

“Não nos façamos cobiçosos da vanglória” – Non efficiamur inanis gloriae cupidi (Gl 5, 26)

Continue reading

O Amor-próprio corrompe em nós os dons de Deus e gera os Vícios

Meditação para a Duodécima Quinta-feira depois de Pentecostes. Décima Sexta razão de sermos Humildes: O Amor-próprio corrompe em nós os dons de Deus e gera os Vícios

Meditação para a Duodécima Quinta-feira depois de Pentecostes

Décima Sexta razão de sermos Humildes

SUMARIO

Meditaremos sobre uma décima sexta razão de ser dos humildes; é:

1.° Porque trazemos conosco um amor-próprio que, como um mortífero veneno corrompe os dons de Deus;

2.° Gera todos os vícios.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De vigiarmos com especial cuidado todos os movimentos do nosso coração, para nele conservar o espírito de humildade;

2.° De aproveitarmos todas as ocasiões de nos humilharmos.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra da Imitação:

“Não julgueis ter feito o menor progresso, enquanto vos não reputardes inferior a todos” – Non reputes te aliquid profecisse, nisi omnibus inferiorem te esse sentias (II Imitação 2, 2)

Continue reading

Outras vantagens da Desconsolação

Meditação para a Sexta-feira da 4ª Semana depois da Páscoa

SUMARIO

Consideraremos as desconsolações debaixo de um novo ponto de vista:

1.º Como um corretivo do amor-próprio;

2.° Como uma lição de humildade.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De nos humilharmos diante de Deus por essas desconsolações nos nossos exercícios;

2 De nos humilharmos diante dos homens, reputando todos os outros melhores do que nós, e aceitando todos os desprezos ou faltas de atenção.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do Senhor em Isaías:

“Para quem olharei eu senão para o pobrezinho e quebrantado de espirito?” – Ad quem respiciam, nisi ad pauperculum et contritum spiritu? (Is 66, 2)

Continue reading

Um Amor Brando, Sossegado e Terno

Meditação para o Dia 26 de Outubro

São Francisco de Sales, que é mestre incomparável na arte do Amor Divino, diz que o Senhor quer que O amemos, mas com um amor brando, sossegado e terno.Nada de inquietações e desespero! Caímos? Não é para admirar uma coisa tão comum à fragilidade humana. Esforcemo-nos por fazer tudo com perfeição. A confiança não dispensa o esforço – e um esforço grande – para a perfeição. Se, entretanto, cairmos, a despeito de nossos esforços e boa vontade, que fazer? Continue reading

Três Cruzes

Meditação para o Dia 12 de Julho

Santa Margarida Maria conta, numa das visões do Coração de Jesus que, num dia de Páscoa, Nosso Senhor lhe apresentara três cruzes. Perguntou-Lhe a santa a significação de tais cruzes.

“Minha filha – responde o Mestre – serás muito perseguida pelo Demônio, pelo mundo e por ti mesma”

Continue reading

O Subterrâneo

Capítulo 9. O Subterrâneo - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
TEM o mundo moderno um estranho amor ao subterrâneo… às caves profundas e escuras da existência humana, à introspecção, à análise das regiões subconscientes da nossa vida. Esta atração é, em parte, uma reação contra o extremo oposto. Há cem anos, julgavam os homens que a sua vida alcançara um novo e mais alto escalão. Falavam dum progresso fatal, da vitória sobre a morte, da transformação dos homens em deuses, da conversão da terra num Paraíso.

Agora, a presunção dos nossos antepassados deu lugar ao desespero atual. O homem, que sofreu a vertigem duma altura artificial, caiu no abismo do mais terrível desespero. O seu entusiasmo desmedido degenerou em tédio, a sua esperança em prazeres mais intensos deu lugar à saciedade, a sua demasiada complacência em inebriantes expectativas abriu caminho à náusea. Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑