Meditação para 09 de Outubro: São José e o Rosário

São José no Rosário

Nenhuma oração nos lembra tanto São José como o Rosário. Na contemplação dos mistérios gozosos não o podemos separar de Maria.

Da Anunciação ao Encontro de Jesus no Templo, o Evangelho sempre nos mostra São José ao lado de Jesus e Maria.

Que amargura e perplexidade angustiosa antes que lhe revelasse o Anjo o mistério da Encarnação!

Que alegria e caridade na visita a Santa Isabel!

E no presépio de Belém? Oh! Como é doce e amável São José na gruta em adoração ao Filho de Deus Encarnado, seu Filho adotivo e seu Deus!

Na Apresentação ei-lo com Maria e Jesus a ouvir a profecia de Simeão. Três dias procura aflito o Deus Menino e o encontra entre os doutores.

Tudo isto nossa piedade vai meditando ao desfiar as contas do Rosário nos mistérios gozosos. E sempre nos aparece a figura tão amável de nosso querido São José.

O Terço é, pois, a melhor oração a São José, não há dúvida.

Nenhuma oração é mais agradável à Maria que o Rosário. Não há por certo outra mais agradável e querida também a São José.

É a oração que nos recorda o mistério para o qual Deus criou e formou a alma de São José — o mistério da Encarnação. O santo foi predestinado por Deus para ser o guarda do Verbo Encarnado e o Esposo Puríssimo da Mãe do Filho de Deus feito homem.

A predestinação de São José estava ligada à predestinação de Maria e ambas ao mistério adorável da Encarnação!

Eis porque São José deve ser objeto da nossa meditação carinhosa na recitação do Rosário de Maria!
Não separemos em nossa piedade, o que Deus uniu na terra e no céu para a nossa eterna salvação: Jesus, Maria e José!

Rezemos nosso Terço unidos a São José.

Quem nos poderá alcançar maior devoção e amor a Jesus e Maria que o Santo Patriarca?

Tenhamos uma devoção ardente ao grande e poderoso Santo. Santa Teresa dizia:

“Nunca recorri a São José que não fosse atendida. Em todas as vossas necessidades recorrei a São José. Eis a receita infalível que vos dou”

Santo Afonso, São Francisco de Sales, São Bernardino de Sena, e muitos outros santos recomendaram ardentemente a devoção a São José ao povo cristão. A Igreja, como Pio IX, proclama o Santo Patriarca o seu Patrono e chefe.

Nas horas de aflição, nos momentos mais graves, Leão XIII se volta a São José e une a recitação da oração de São José à do Rosário no mês de outubro para obter a graça e a salvação para o mundo.

O grande Papa do Rosário de Maria foi também o grande propulsor da devoção e do culto de São José.

A Igreja é Jesus continuado através dos séculos. Jesus viveu sob o olhar e a guarda e solicitude vigilante de São José.

Não há de continuar, pois, São José a guardar e defender a Igreja que é Jesus Vivo na terra para salvação dos homens? Quanto motivo de devoção a São José!

Honremos, pois, o Santo Patriarca.

A devoção a São José, como a de Maria, é como um selo de predestinação.

É impossível que se perca o devoto de São José!

E com o Rosário de Maria, nossa doce esperança de salvação como não há de crescer e firmar?

Felizes seremos se na vida e na morte, tivermos em mãos o Rosário e Maria e nos lábios os nomes benditos: Jesus, Maria, José!

E neste mês tão belo tomemos a resolução — Nunca recitar o Rosário sem pensar em São José, sem nos unirmos a São José.

***

São José e a Igreja

Os Papas recorrem a Maria pelo Rosário implorando a proteção a Igreja nas horas de perigo e das calamidades. É o recurso clássico da cristandade ao céu. A Igreja é Jesus continuado através dos séculos. O protetor, o amparo, o Pai Nutrício de Nosso Senhor na terra continua a sua missão no céu, protegendo, amparando e defendendo a Igreja, família de Jesus como a Família de Nazaré. É o que diz Leão XIII na Encíclica Quanquam pluries de 1889, sobre o Rosário e São José.

A Santa família que São José governou com a autoridade paterna, continha em gérmen a Igreja. A santíssima Virgem é Mãe de Jesus Cristo e é Mãe também de todos os cristãos, pois Ela os fez nascer para a vida da graça no monte Calvário em meio das dores Supremas do Redentor.

Jesus Cristo é o primogênito dos cristãos seus irmãos de adoção e pela Redenção.

Eis as razões pelas quais o Bem-aventurado Patriarca São José há de sentir que a multidão dos fiéis cristãos lhe foi especialmente confiada. Esta multidão é a Igreja, grande família espalhada por toda terra. São José, como Esposo de Maria e Pai de Jesus, tem sobre esta família autoridade paterna. É, pois, lógico e digno que cubra, defenda proteja com seu celeste patrocínio a Igreja de Jesus Cristo como outrora o fez com a Família Santa de Nazaré.

E o mesmo sentido tem a suplica a São José, que o Rosário de Maria ao implorar a proteção do céu para a Igreja.

Diz a bela oração:

“Protegei ó Guarda providente da Divina Família, a raça eleita de Jesus Cristo. Afastai para longe de nós, ó Pai amantíssimo, a peste do erro e do vício. Assisti-nos do alto do céu, ó nosso fortíssimo sustentáculo, na luta contra o poder das trevas, e assim como outrora salvastes da morte a vida ameaçada do Menino Jesus, assim também defendei agora a Santa Igreja de Deus das ciladas dos seus inimigos e de toda a adversidade. Amparai a cada um de nós com o vosso constante patrocínio, afim de que, a vosso exemplo e sustentados com o vosso auxílio, possamos viver virtuosamente, piedosamente morrer, e obter, no céu, a eterna bem-aventurança.”

Como não há de ser, pois, eficaz o nosso Rosário recitado e meditado com São José!

***
EXEMPLO

O lugar de São José

Papa de São José e da Imaculada, assim chamaram a Pio IX. Nunca deixou ele o seu Rosário querido e proclamou o Santo Patriarca patrono de toda Igreja. Sabemos as relações íntimas entre o Rosário e São José. O lugar de São José pois nesta devoção é, como o seu lugar no céu — ao lado de Maria.

Certa vez em Roma apareceu um artista de valor e o Papa lhe recomendou a pintura de um quadro no qual deveria figurar o céu.

Pio IX acompanhava os trabalhos da tela com extremo carinho. Um dia, quando já bem adiantada, ia à obra, o artista explica ao Pontífice o assunto, e o simbolismo das figuras e o lugar dos personagens na tela.

— E São José, onde o colocou?

— Ei-lo, diz o pintor, mostrando um ângulo do quadro, ei-lo aqui neste canto!

— Não, meu filho, diz Pio IX, ali não pode ficar. Quero-o aqui ao lado de Jesus e Maria. Não me tire São José de junto de Jesus e Maria, porque assim é que estão eles no céu!

Bela e tocante lição!

Em nossas orações, em nosso Rosário nunca separemos o que Deus uniu na terra e no Céu: Jesus, Maria é José.

Voltar para o Índice do livro Mês do Rosário, de Mons. Ascânio Brandão

(BRANDÃO, Monsenhor Ascânio. O Mês do Rosário, Edições do “Mensageiro do Santíssimo Rosário”, 1943, p. 72-78)