Meditação sobre o Santo Nome de Jesus

Meditação sobre o Santo Nome de Jesus

SUMARIO

Consideraremos, nesta meditação, que o nome de Jesus, que foi posto ao Menino Deus no dia da sua circuncisão, é:

1.° Um nome cheio de grandeza e de majestade, que exige respeito;

2.° Um nome cheio de misericórdia e de salvação, que inspira confiança;

3.° Um nome cheio de doçura e de ternura, que atrai todo o nosso amor.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De pronunciar sempre com respeito, confiança e amor este divino nome, e de repeti-lo muitas vezes à maneira de aspiração;

2.° De prestar uma atenção inteiramente especial ao nome de Jesus, que entra na conclusão de todas as nossas orações (1), pensando que as nossas orações tiram daí todo o seu valor;

3.° De não designar Nosso Senhor, na locução ordinária, por outros nomes, tais como o Cristo, o Senhor, mas de chamá-lO pelo Seu verdadeiro nome (2).

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de São Bernardo:

“Ó Jesus, sede o meu Jesus, isto é, Salvador” – O Jesu, esto mihi Jesus

Meditação para o Dia

Adoremos o Verbo Encarnado recebendo o nome de Jesus no dia da Sua circuncisão. Tributemos-Lhe o nosso louvor, agradecimento, e amor; e roguemos-Lhe que nos faça apreciar a excelência deste sagrado nome, que é a alegria do céu, a consolação da terra, o terror dos infernos.

PRIMEIRO PONTO

O nome de Jesus é um nome cheio de grandeza
e de majestade, que exige respeito

Ó Senhor meu Deus, quão grande e admirável é o Vosso nome! É, no sentir de São Paulo, uma digna recompensa das Vossas humilhações e tribulações. Ouvindo-o pronunciar, toda a criatura deve inclinar-se, todo o joelho dos que estão nos céus, na terra e nos infernos, deve dobrar-se, e toda a língua deve confessar que a Vossa glória é incomparável (3). O Vosso nome é grande pela sua origem: é do céu que nos vem; um Anjo o recebeu da boca do Pai celestial e o trouxe à terra. É grande pela sua significação: porque significa Salvador, isto é, uma pessoa de infinita caridade até se sacrificar pela nossa salvação, única capaz de pagar a nossa dívida. É grande no céu, onde aplaca a justiça divina, e muda os relâmpagos de sua ira em chuva de graça (4). É grande na terra, onde obra milagres e santifica os escolhidos. É grande nos infernos, onde reprime a raiva dos demônios. É grande em toda a parte, e tão grande, que sobrepuja todo o nome, até o de Jeová; porque o nome de Jeová não me apresenta senão o Deus criador do céu e da terra; mas o nome de Jesus designa o autor de um mundo melhor, do mundo sobrenatural, do mundo da graça. O nome de Jesus eleva-me muito acima da ordem da natureza: faz-me ver, saindo do seio do Pai, uma vítima adorável, sacramentos inefáveis, graças inestimáveis; faz-me ver o homem remido e santificado, o universo renovado, um Homem-Deus constituído pelo seu Pai em pontífice eterno, rei imortal dos séculos; faz-me ver em uma mesma pessoa as perfeições de Deus e do homem, a grandeza unida à bondade abatidas até mim, a misericórdia unida à justiça, a dor e a benignidade divinas tornadas visíveis na terra. Ó Senhor, confessem todos os povos a grandeza do Vosso nome, porque é terrível e santo (5), e nada tem de comum com os nomes vulgares, que não suscitam nas almas senão indiferença e frieza.

SEGUNDO PONTO

O nome de Jesus é um nome cheio de misericórdia
e de salvação que inspira confiança

São Paulo disse: Todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo (6); é por ele que se alcança a salvação (7). Jesus Cristo havia-o dito antes do seu Apóstolo: o meu nome torna a oração omnipotente (8); e a Igreja no-lo ensina com a sua prática. É pelo nome de Jesus que ela ora, que administra os sacramentos, que nos abençoa desde o berço até à sepultura (9). A história dos séculos no-lo confirma: mostra-nos todos os milagres obrados pelo nome de Jesus. Por este nome, os discípulos fazem maiores prodígios do que o seu Mestre; ao nome de Jesus, o coxo é endireitado, o leproso curado, o cego vê, o surdo houve, o mudo fala, o paralítico recobra o uso dos seus membros, a morte restitui as suas vítimas, e o céu abre-se ao pecador, que este divino nome converteu. Ao nome de Jesus, os demônios fogem; os leões, esquecendo a sua ferocidade, respeitam o mártir, que tem o nome de Jesus na boca. Ao nome de Jesus, as algemas caem das mãos do preso, as portas dos cárceres se abrem, os elementos obedecem, o mar enfurecido serena, e a terra transporta os montes. Oh! Quem não terá, pois, confiança neste divino nome? Quem não o invocará na necessidade?

“O nosso socorro está no nome do Senhor” – Adjutorium nostrum in nomine Domine (Sl 123, 8);

“Bem-aventurado o homem que põe nele a sua esperança” – Beatus vir cujus est nomen Domini spes ejus (Sl 39, 4)

Nas tentações e provações, nas dores e enfermidades, nas ansiedades e perplexidades, é o nome de Jesus que se deve invocar, diz São Bernardo (10).

TERCEIRO PONTO

O nome de Jesus á um nome cheio de doçura
e de ternura que atrai o amor

Quem diz Jesus, diz tudo o que há de mais amável, mais terno, mais doce, mais perfeito. Quem diz Jesus, diz o amigo mais generoso, mais desinteressado, até se consumir todo pelos que ele ama (11); o amigo que não vive senão para os seus amigos, que cuida incessantemente dos seus interesses, intercede por eles perante o seu Pai, como medianeiro e pontífice, defende a sua causa pela voz de todas as suas chagas como seu caridoso advogado. Quanto mais repetimos o nome de Jesus, mais delícias e amabilidades nele achamos, mais gostamos dele, e mais nos enchemos de amor. É por esta razão, que os santos não se cansavam de o repetir e de saborear a sua doçura. São Paulo repete-o até 243 vezes nas suas Epístolas; Santo Agostinho não tem expressões que mostrem quanta suavidade encontra neste divino nome (12). A doçura do nome de Jesus, dizia São Bernardo, lança-me em uma espécie da embriaguez (13). Tudo me é insípido sem o nome de Jesus; Jesus é mel na minha boca, uma melodia no meu ouvido, um júbilo no meu coração (14). É deste modo que nos apreciamos este divino nome? Nunca o pronunciamos senão com respeito e confiança, com amor e delícias?

Resoluções e ramalhete espiritual como acima

Referências:

(1) Per Dominum nostrum Jesum Christum

(2) Et vocabis nomen ejus Jesum (Mt 1, 2)

(3) Propter quod et Deus exaltavit illum, et donavit illi nomen quod est super omne nomen, ut in nomine Jesu omne genuflectatur caelestium, terrestrium et infernorum, et omnis lingua confiteatur quia Dominus Jesus Christus in gloria est Dei Patris (Fl 2, 9ss)

(4) Fulgura in pluviam fecit (Sl 134, 7; Jr 51, 16)

(5) Confiteantur nomini tuo magno, quoniam terribile et sanctum est (Sl 98, 3)

(6) Omnis quicumque invocaverit nomen Domini, salvus erit (At 2, 24)

(7) Nec aliud nomen est sub caelo datum hominibus, in quo oporteat nos salvos fieri (At 4, 12)

(8) Si quid petieritis Patrem in nomine meo, dabit vobis (Jo 16, 23)

(9) Per Dominum nostrum Jesum Christum

(10) Si tentaris diabolo, si ab hominibus opprimeris, si conficeris aegritudine, si doloribus fatigaris, si concuteris formidine, si dubietate pulsaris, Jesum nomen dicito

(11) Totus in usus nostros expensus

(12) O nomen dulce, nomem delectabile, nomen bonae spei

(13) Quasi ebrietas spiritualis

(14) Jesus mel in ore, in aure melos, in corde jubilus

Voltar para o Índice do Tomo I das Meditações Diárias de Mons. Hamon

(HAMON, Monsenhor André Jean Marie. Meditações para todos os dias do ano: Para uso dos Sacerdotes, Religiosos e dos Fiéis. Livraria Chardron, de Lélo & Irmão – Porto, 1904, Tomo I, p. 145-149)