Tag: cruz (page 1 of 4)

Os Apóstolos na Transfiguração de Jesus

Meditação para o Dia 11 de Novembro

1. Entusiasmado pela transfiguração, São Pedro disse:

“Senhor, bom é que estejamos aqui; se queres, façamos aqui três tabernáculos, um para ti, outro para Moisés e outro para Elias”

Não procedes, muitas vezes, como o apóstolo? Consolado por Deus, tudo julgas possível; na noite da tentação e do desamparo, porém, te tornas tímido como o apóstolo na Paixão de Jesus, a quem só seguiu de longe e a quem até negou. A virtude não consiste em consolações, mas na luta contra o mal e na prática constante do bem. Continue a ler

Renunciar a Si Mesmo

Meditação para o Dia 09 de Novembro

1. “Se alguém quiser vir após mim, renuncie a si próprio”. Ninguém é forçado, mas também ninguém é excluído de seguir a Jesus. Para segui-Lo de fato, é necessário querer seriamente; o mero desejo é de todo insuficiente. Deves renunciar não só às coisas ilícitas e perigosas, mas também ao próprio juízo, às desordenadas inclinações e à própria vontade. É este o primeiro passo para a perfeição. Já avançaste um pouco? Continue a ler

Jesus te Chamou a Segui-lO

Meditação para o Dia 15 de Setembro

1. a) André, um dos doze discípulos que tinham seguido a Jesus, dirigiu-se logo a seu irmão, dizendo:

“Achamos o Messias”

Eis o fruto da conversação com Jesus: André, venturoso, quer conseguir para outros a mesma felicidade. Por que tão cedo ficas aborrecido da conversação com Deus, da oração, da leitura espiritual, da palestra sobre coisas divinas? Fala a boca do que sente o coração!

b) Jesus olhou para Simão e deu-lhe o nome de Pedro. Para ti muitas vezes olhou, dando-te Suas graças depois de te ter distinguido com o nome de cristão. Correspondes à dignidade deste nome? Continue a ler

Perto ou Longe de Jesus?

Meditação para o Dia 26 de Agosto

1. No exército de Jesus há cargos e lugares muito diferentes. Todos os soldados de Jesus combatem o pecado; quanto mais, porém, alguém pelejar contra o demônio, o mundo e a própria carne, seguindo o exemplo do supremo chefe, tanto mais elevado é o seu lugar. Todos os soldados de Jesus devem odiar e evitar o pecado grave, ainda que tivessem de renunciar a todas as coroas da terra e de sujeitar-se às mais duras penas. Vida eterna ou morte perpétua, eis o dilema. Continue a ler

Na Encruzilhada

Meditação para o Dia 25 de Agosto

1. Jesus e o demônio disputam a posse de tua alma. Este, e os demais anjos caídos, não cessam de promover tentações e ciladas a todos. São eles que te fazem estimar demasiadamente os bens da terra, honras, divertimentos, prazeres da carne e a satisfação da própria vontade. Que te aproveita ganhar o mundo inteiro, se vieres a perder a tua alma? Teus inimigos, conhecendo o nenhum valor dos prazeres da terra, com astúcia afastam todo o pensamento na eternidade e na vaidade do mundo. Foges de fato e sempre das ciladas dos inimigos infernais? Continue a ler

Da sua plena vontade é que Jesus Cristo se ofereceu à morte por nosso amor

Jesus, Luz do mundo!

Capítulo XXXIX

Oblatus est qui ipse voluit – “Foi imolado porque quis” (Is 53, 7)

O verbo eterno, desde o primeiro instante de sua conceição, viu apresentar-lhe ante si todas as almas dos filhos de Adão; viu ao mesmo tempo apresentar-lhe o quadro terrível dos sofrimentos, à custa dos quais devia remi-los. Assim do primeiro instante de sua existência no tempo viu e conheceu perfeitamente Jesus Cristo as almas de todos os homens que lá desde o começo do mundo tinham povoado a terra, bem como as de todos os que deviam povoa-la até à consumação dos séculos. Viu e conheceu portanto também a minha, ele a viu coberta de pecados, envolta em densas trevas, falta de tudo. E esta vista, longe de o levar a repelir-me como um objeto de horror, comoveu as entranhas da sua misericórdia, e aceitou para logo todos os sofrimentos que mais tarde padeceu no curso da sua vida, e particularmente em sua morte. Nenhum interesse próprio tinha para assim obrar, nem para aceitar tantos sofrimentos; o amor, o amor por minha pobre alma, eis o seu mover; o amor fê-lo nascer num presépio, o amor fê-lo morrer numa cruz. Condenado estava eu ao inferno, e ele ofereceu-se por meu resgate; nascera no ódio de Deus, e ele ofereceu-se para destruir este ódio; nem sequer pensava em ama-lo; em minha funesta cegueira, só para ofendê-lo vivia, e ele foi o primeiro a amar-me, e se ofereceu para dar-me uma prova esplêndida do seu amor, e para me atrair a amá-lo. E seria eu insensível a tão excessiva ternura do meu Deus? Se o meu Jesus me ama tão ardentemente, poderei eu recusar-lhe uma justa compensação? Por certo que não. Continue a ler

Lamentações que do alto da cruz dirige Jesus a todos os homens

Crucificação de Jesus Cristo

Capítulo XXIX

O vos omnes qui transitis per viam, attendite et videte si est dolor sicut dolor mens – “Ó vós todos que passais pelo caminho, atendei, e vede se há dor como a minha” (Lm 1, 12)

São estas as palavras que nos dirige Jesus a nós, pobres exilados nesta terra de pecado. Ó vós todos, exclama ele do alto da cruz, ó vós todos, que passais pelo caminho da vida, dignai-vos parar por alguns instantes; lançai sobre esta cruz, onde estou cravado, a vossa vista, e vede se há uma dor que à minha se possa comparar; a minha cabeça está coroada de espinhos que me não deixam repouso algum, os meus pés e as minhas mãos estão varados de enormes cravos, o meu corpo não é mais que uma chaga, e o meu sangue corre de todas as minhas chagas. “De todas as partes me cercam as agonias da morte”, e a minha alma está abismada na mais excessiva desolação. Continue a ler

Jesus é pregado na cruz

Crucificação de Nosso Senhor Jesus Cristo

Capítulo XXVII

Crucifixerunt eum, et eum eo alios duos, hinc, et hinc, modium autem Jesum – “Crucificaram-no, e a outros dois com ele, um a um lado, outro do outro, e Jesus no meio” (Jo 19, 18)

Quando o Salvador chegou ao Calvário onde devia consumar o seu sacrifício e dar-nos o mais solene testemunho do seu amor, nem tempo de suspirar lhe deixaram. Arrancaram-lhe rudemente a sua veste, que estava colada ás chagas, e mais uma vez renovaram todas as suas dores. Mandam-no em seguida deitar-se sobre a cruz, afim de nela o poderem pregar. Sem demora nem resistência obedece o bom Jesus, estende-se sobre este leito de dor, não tendo por travesseiro senão os espinhos de que estava coroado. Então com uma sorte de furor arremessam-se sobre ele os algozes, pedem-lhe primeiro a mão esquerda, segundo é crença comum, e trespassam-na com um grosso cravo pelo meio dos nervos. Tendo-se estes comprimido pela violência da dor e não podendo a mão direita estender-se até ao buraco que no outro braço da cruz tinham aberto, foi necessário estender esta mão com cordas; outro tanto foi necessário fazer aos pés, de sorte que todo o corpo de Nosso Senhor ficou deslocado. Que amargas dores!!! Calava-se porém o inocente Cordeiro e não deixava escapar de sua boca uma lastima; consertava fixos no céu os olhos; e oferecia a Deus por nossa salvação, os seus sofrimentos e a sua vida… Continue a ler

Jesus, condenado à morte, leva a sua cruz ao Calvário

Capítulo XXVI

Et bajulans sibi crucem, exivi in eum qui dicitur Calvariae locum – “E tomando a sua cruz, caminhou para o lugar chamado Calvário” (Jo 19, 17)

Depois da flagelação de nosso Senhor, vendo-o Pilatos reduzido a um estado tão digno de compaixão, julgou apaziguaria os seus inimigos com lh’o mostrar somente. Conduziu-o pois a uma espécie de balcão, e mostrando-os aos judeus, lhes disse:

“Eis o homem!”

O povo emudeceu, e começava talvez a ganhar a compaixão, mas os príncipes dos sacerdotes e seus ministros bradaram, ao vê-lo:

“Crucifica-o, crucifica-o!”

Pilatos caído da sua esperança diz-lhe agrément:

“Pois bem! Tomai-o vós mesmos e crucificai-o; eu não acho nele causa para o condenar”

Os judeus lhe responderam:

“Nós temos uma lei e segundo esta lei deve morrer porque se fez Filho de Deus. .. Demais, se o não condenas à morte, não és amigo de Cesar”

Continue a ler

Deus Pai enviou à terra seu Filho para nos restituir a vida que pelo pecado perderíamos

Capítulo V

In hoc apparuit caritas Dei in nobis quoniam Filium suum unigenitum misit Deus in mundum, ut vivamos per eum – “Nisto é que se manifestou a caridade de Deus para conosco, em que Deus enviou a seu Filho unigênito ao mundo, para que nós vivamos por ele” (1 Jo 4, 9)

Mortos estavam pelo pecado todos os homens, e neste estado de morte permaneceriam, se não houvera o Pai Eterno enviado a seu Filho único, que pelo derramamento de seu sangue os chamasse à vida.

Ó prodígio! Um Deus morrer pelo homem! Um Deus!!! E que é o homem?

O seráfico São Boaventura, ao meditar neste mistério de amor bradava:

“Ó bom Jesus! Que fizeste? Para que me amastes tanto? Para que, Senhor, para que, Jesus meu? Que achastes vós em mim que tanto amor vos inspirou? Porque quisestes morrer por mim? Quem sou eu para comprardes a minha alma por preço tão elevado?”

Continue a ler

Artigos antigos

© 2017 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑