Tag: redenção (Page 1 of 2)

Cruz

Cruz, Tesouros de Cornélio à Lápide

Poder da Cruz e graças que dela emanam

Vossa Cruz, ó meu Jesus, diz São Leão, é manancial de todas as bênçãos, causa de todas as graças; por Ela, aqueles que creem merecem achar forças em sua debilidade, glória no opróbrio, vida na morte[1].

O eloquente Doutor São João Crisóstomo enumera também os tesouros e as graças que nos vem da Cruz. Ele ensina que a Cruz é a esperança dos cristãos, a salvação dos desesperados, o báculo dos coxos, o consolo dos pobres, o freio dos ricos, a perdição dos orgulhosos, o castigo dos maus. Faz-nos triunfar, do demônio, doma o Inferno, instrui a juventude, sustenta aos débeis e aviva a esperança nos corações abatidos; é o piloto dos que sulcam as águas do mundo, o porto dos náufragos, um muro impenetrável que protege os cristãos contra as emboscadas de todos os seus inimigos. É mãe dos órfãos, defesa das viúvas, consolo dos justos, asilo dos aflitos e desamparados. É guarda das crianças, apoio da idade viril, socorro dos anciãos, para os quais alcança a graça de uma boa morte. É luz que ilumina aos que estão submersos nas trevas e sabedoria daqueles que o mundo estúpido, cego e ímpio mira como insensatos. Continue reading

Do primeiro fruto da terceira palavra

Capítulo IX. Do primeiro fruto da terceira palavra
Desta terceira palavra muitos frutos pode colher, quem atentamente a ponderar. O primeiro será o conhecimento do infinito desejo, que Cristo teve de padecer, para nos salvar, a fim de que a redenção fosse pleníssima e copiosíssima. Enquanto os outros homens providenciam, que na sua morte, e principalmente na morte violenta, desonrosa e infamante, lhes não assistam os seus parentes, para que não tenham de sentir dobrado sofrimento e tristeza, por eles estarem presentes; Cristo, não satisfeito com o próprio sofrimento atrocíssimo, cheio de dores e de desonra, quis além disso que Sua mesma Mãe, e Seu amado discípulo assistissem, e em pé permanecessem junto da Cruz, para que a dor da compaixão de pessoas que Lhe eram caras Lhe duplicasse o Seu sofrimento. Continue reading

A Cruz, Ciência do Cristão

Meditação para a Quinta-feira da Paixão. A Cruz, Ciência do Cristão

Meditação para a Quinta-feira da Paixão

SUMARIO

Consideraremos a cruz como um sagrado púlpito, onde Jesus Cristo nos ensina:

1.° A conhecermos Deus;

2.° A conhecermo-nos a nós mesmos.

— Tomaremos depois a resolução:

1.º De conservarmos em nós um grande respeito para com Deus e Suas infinitas perfeições, e de lh’O manifestarmos com a nossa profunda devoção na oração e no lugar santo;

2.º De aborrecermos todo o pecado, e de tomarmos a peito a salvação da nossa alma.

O nosso ramalhete espiritual será a oração de Santo Agostinho:

“Senhor, conheça-Vos eu para Vos amar; conheça-me eu para me odiar” – Domine, noverim te, noverim me: noverim te ut amem te; noverim me ut oderim me

Continue reading

“Enviou Deus o Seu Filho!”

Dom Henrique Soares da Costa

Meditação XXIII – terça-feira da IV semana da Quaresma

Por Dom Henrique Soares da Costa

Reze o Salmo 118/119, 9-16:

9Como poderá um jovem manter puro o seu caminho?
Só guardando as tuas palavras.
10Eu procuro-te com todo o coração;
não deixes que me afaste dos teus mandamentos.
11Guardo no meu coração as tuas promessas,
para não pecar contra ti.
12Bendito sejas, SENHOR!
Ensina-me as tuas leis.
13Anuncio com os meus lábios
todos os decretos da tua boca.
14Alegro-me mais em seguir as tuas ordens,
do que em possuir qualquer riqueza.
15Meditarei nos teus preceitos
e prestarei atenção aos teus caminhos.
16Hei-de alegrar-me com as tuas leis;
não esquecerei as tuas palavras.

Retornemos ao texto que estávamos meditando. Leia Gl 4, 1-7:

1Mas eu digo-vos: durante todo o tempo em que o herdeiro é criança, em nada difere de um escravo, apesar de ser senhor de tudo. 2Pelo contrário, está sob o domínio de tutores e administradores, até ao dia fixado pelo seu pai. 3Assim também nós, quando éramos crianças, estávamos sob o domínio dos elementos do mundo, a eles sujeitos como escravos.

4Mas, quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sob o domínio da Lei, 5para resgatar os que se encontravam sob o domínio da Lei, a fim de recebermos a adopção de filhos. 6E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: “Abbá! – Pai!” 7Deste modo, já não és escravo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro, por graça de Deus.

Continue reading

Da sua plena vontade é que Jesus Cristo se ofereceu à morte por nosso amor

Jesus, Luz do mundo!

Capítulo XXXIX

Oblatus est qui ipse voluit – “Foi imolado porque quis” (Is 53, 7)

O verbo eterno, desde o primeiro instante de sua conceição, viu apresentar-lhe ante si todas as almas dos filhos de Adão; viu ao mesmo tempo apresentar-lhe o quadro terrível dos sofrimentos, à custa dos quais devia remi-los. Assim do primeiro instante de sua existência no tempo viu e conheceu perfeitamente Jesus Cristo as almas de todos os homens que lá desde o começo do mundo tinham povoado a terra, bem como as de todos os que deviam povoa-la até à consumação dos séculos. Viu e conheceu portanto também a minha, ele a viu coberta de pecados, envolta em densas trevas, falta de tudo. E esta vista, longe de o levar a repelir-me como um objeto de horror, comoveu as entranhas da sua misericórdia, e aceitou para logo todos os sofrimentos que mais tarde padeceu no curso da sua vida, e particularmente em sua morte. Nenhum interesse próprio tinha para assim obrar, nem para aceitar tantos sofrimentos; o amor, o amor por minha pobre alma, eis o seu mover; o amor fê-lo nascer num presépio, o amor fê-lo morrer numa cruz. Condenado estava eu ao inferno, e ele ofereceu-se por meu resgate; nascera no ódio de Deus, e ele ofereceu-se para destruir este ódio; nem sequer pensava em ama-lo; em minha funesta cegueira, só para ofendê-lo vivia, e ele foi o primeiro a amar-me, e se ofereceu para dar-me uma prova esplêndida do seu amor, e para me atrair a amá-lo. E seria eu insensível a tão excessiva ternura do meu Deus? Se o meu Jesus me ama tão ardentemente, poderei eu recusar-lhe uma justa compensação? Por certo que não. Continue reading

Jesus expira

Maria e João aos pés da Cruz

Capítulo XXXVII

Et inclinato capite, tradidit spiritum – “E baixando a cabeça, entregou o espírito” (Jo 19, 30)

Nosso Senhor já tinha perdido quase todo o sangue: estava todo abatido pelos tormentos que sofrera. O peito ía-se-lhe comprimindo, e a respiração tornando-se difícil; e como não estava deitado no leito, mas suspenso no ar pelos cravos que rasgavam os pés e as mãos, não tinha momento de repouso, e suas dores eram imensamente superiores ás que ordinariamente os homens sofrem em sua agonia: porque em nós a ponta da dor embotando-se ás aproximações da morte, cessamos de sentir, à medida que vamos perdendo o conhecimento; mas o nosso doce Salvador teve sempre o juízo perfeito até ao ultimo suspiro, e não cessou de sofrer senão quando deixou de viver (1). Alguns momentos antes de entregar a alma, sua cabeça se inclinou, os olhos começaram a eclipsar-se, e os lábios a ficarem frios e lívidos. Pouco depois, tornou a levantar a cabeça e os olhos ao céu, soltou um grande brado, e deixando segunda vez cair a cabeça sobre o peito, expirou!!!… Continue reading

Da sexta palavra que Jesus pronunciou na cruz

"Consumatum est" - Tudo está consumado

Capítulo XXXV

Cum accepisset Jesus acetum dixit: Consummatum est – “Jesus havendo tomado vinagre, disse: Tudo está consumado” (Jo 19, 30)

O nosso Jesus, chegado que foi o momento de exalar o ultimo suspiro, disse em voz moribunda:

“Tudo está consumado”

Ao pronunciar esta palavra, Jesus repassou em seu pensamento todo o curso da sua vida, viu todas as fadigas que padecera, a pobreza, as dores, as ignomínias que sofrera, e as oferecera todas de novo a seu Pai pela salvação do mundo. Depois, tornando a nós disse: Consumatum est, como se dissera: Homens, tudo está consumado, tudo está cumprido: está acabada a obra da vossa redenção, satisfeita a justiça divina, aberto o paraíso; e eis o vosso tempo, o tempo dos que amam. Continue reading

Do amor que Deus nos testemunhou em nos dar o seu único Filho

Capítulo II

Sic Deus dilexit mundum, ut Filium suum unigenitum daret – “Deus por modo tal amou o mundo, que lhe deu o seu unigênito Filho” (Jo 3, 16)

Oh! Quão profundo é o sentido da partícula sic, de tal modo! Significa esta pequena palavra o que nunca poderemos compreender; significa a grandeza do amor que levou Deus a dar-nos, não um servo, não um anjo, mas o seu próprio Filho, e a condenar à morte esse Filho inocente pelo homem culpável. Ah! Quem assim nos podia fazer um dom de valor infinito, senão um Deus, cujo amor não conhece limites? Oh! Quanto não devemos bendizer tal ternura do nosso Deus! Estávamos pelo pecado mortos à vida da graça, e Jesus por sua morte ressuscitou-nos; estávamos miseráveis, hediondos e abomináveis, e Deus por meio de Jesus Cristo, nos “tornou belos e caros a seus olhos“. Mas não foi só libertar-nos do pecado, “também nos encheu em Jesus Cristo de toda a sorte de bens espirituais para o céu. Ó maravilhosa condescendência da ternura do nosso Deus!” exclamas nos transportes de sua admiração a Igreja; “ó caridade incompreensível! Por libertar o escravo, entregar o seu único Filho!” Continue reading

Jesus vai sofrer

Meditação para Dia 23 de Fevereiro

1. “Eis, vamos para Jerusalém”. Pela última vez Jesus, acompanhado pelos apóstolos, vai a Jerusalém. Ele conhece o que lá o espera, e o prediz aos discípulos. Não obstante isso, vai pressuroso, como se para Ele não houvesse coisa mais preciosa do que o sofrimento pela nossa redenção. Abraças também, de boa vontade, a cruz que Deus diretamente ou por outros te manda? Há uma única contrariedade que sofres, sem te queixares a ninguém? Mais perfeito é ires ao encontro da cruz, vencendo-te por amor de Deus. Ou não fazes nunca algum sacrifício voluntário por teu Salvador? Continue reading

O Mistério da Redenção

Meditação para Dia 25 de Janeiro

1. a) Contemplando a incarnação de Jesus, ressalta aos olhos a infinita perfeição de Deus. Que poder e sabedoria não foram precisos para unir a divindade com a humanidade, sem alterar aquela, para assumir a natureza de escravo, sem diminuir a de Deus; para abater a majestade sem fazê-la decair; despojá-la sem empobrecê-la; para tornar a divindade visível, sem torná-la menos adorável. Como Deus é grande! Como Ele é onipotente! Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑