Tag: ceú (page 1 of 2)

Surpresas da Misericórdia!

Meditação para o Dia 06 de Novembro

Feridos pelo golpe cruel da separação de um ente querido que a morte nos veio arrebatar, sentimos consolo em vê-lo partir para a vida eterna confortado com os últimos sacramentos e entre as orações da Santa Igreja. Mas, ai! Como é triste ver traiçoeiramente surpreendido pela morte, ainda afastado dos sacramentos, esquecido de sua alma, tão longe, enfim, de Deus, alguém que esperávamos ver convertido e por cuja conversão tanto rezáramos! Partir assim, sem se reconciliar com Deus! Que grande lástima! Cruel pensamento para uma alma verdadeiramente piedosa! Continue reading

O Céu! O Céu!

Meditação para o Dia 01 de Novembro

Como nos faz bem o pensamento do Céu! Ajuda-nos a sofrer e nos enche de esperança! Escrevia Santa Teresinha à sua irmã:

“Tenho sede do Céu, dessa mansão bem-aventurada, onde se amará Jesus sem restrições! Mas, para lá chegar, é preciso sofrer e chorar; pois bem! Quero sofrer tudo o que aprouver ao meu Bem-Amado, quero deixar que Ele faça de sua bolinha o que quiser!” (1)

Logo estaremos na eternidade e veremos plenamente realizado, conforme nosso ardente desejo, o nosso sonho de eterna felicidade! Não nos impacientemos! “A figura deste mundo passa” – diz o profeta Isaías (Is 64, 4) –, e passa depressa. Continue reading

Pequeno Sermão de São Francisco

Meditação para o Dia 04 de Outubro

O Seráfico São Francisco de Assis fazia, no Alverne, esta profunda meditação:

“O Céu aberto em cima de minha cabeça. O Inferno aberto sob meus pés. E o cristão, no meio!” – Caelus apertus, Infernus apertus, Christianus in medio! “Assim estou no mundo, sob um Céu que me espera e cujo pensamento me conforta e estimula na luta”

Quando a cruz pesar demais sobre nossos ombros doloridos, olhemos para o Céu. Continue reading

Até Quando?…

Meditação para o Dia 08 de Março

Sabeis o que é uma Eternidade? Imaginai um pouco. Se um beija-flor viesse, de cem em cem anos, beijar uma flor e só voltar um século depois. E assim de século em século. Quantos milhões de séculos seriam necessários para que beijasse todas as flores que há na face da terra e as que hão de sorrir, em todos os jardins e montanhas e vales deste mundo, até a consumação dos séculos? É possível calculá-lo? Continue reading

Serás Feliz no Céu!

Meditação para o Dia 11 de Fevereiro

À humilde Bernadete, na gruta de Lourdes, disse Nossa Senhora:

“Não te prometo felicidade aqui na terra, mas a felicidade do Céu”

Os olhos inocentes da Pastorinha, que contemplaram a visão níveo-azul da gruta de Mosabielle, nunca mais se puderam encantar pelas belezas da terra.

“Depois que se viu Nossa Senhora, dizia a Santa, só se deseja morrer, para Vê-la de novo no Céu”

Continue reading

Meditação para deliberar entre a Vida Mundana e a Vida Devota

“Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduzem à perdição e numerosos são os que por aí entram. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho da vida e raros são os que o encontram” (Mt 7, 13-14)

Capítulo XVIII

PREPARAÇÃO

1. Põe-te na presença de Deus.
2. Implora com humildade o Seu auxílio.

CONSIDERAÇÃO

I. Imagina ainda uma vez que estás numa vasta região, que vês à tua esquerda o príncipe das trevas, assentado num trono muito alto e rodeado duma multidão de demônios, e que descobres ao redor desta corte infernal muitos pecadores e pecadoras, que, dominados do espírito do mundo, lhe rendem as suas homenagens. Observa com atenção todos os desventurados vassalos desse rei abominável; considera como uns estão fora de si, levados pelo espírito da cólera, da raiva e da vingança, que os torna furiosos, e como outros, dominados do espírito da preguiça, só se ocupam de frivolidades e vaidades; aqueles, embebidos no espírito da intemperança, igualam-se a loucos e a brutos, estes, empavesados no espírito do orgulho, tornam-se homens violentos e insuportáveis; alguns, possuídos do espírito de inveja, consomem-se pesarosos e tristes, muitos são corrompidos até à podridão, pelo espírito da impureza, e muitos outros, irrequietos pelo espírito da avareza, perturbam-se pela cobiça de riquezas. Considera como estão aí sem repouso e sem ordem, olha até que ponto se desprezam mutuamente, quanto se odeiam, se perseguem, se dilaceram, se destroem, se matam. Eis ai, enfim, a república do mundo, tiranizada por este rei maldito: quão infeliz e digna de compaixão! Continue reading

Meditação sobre uma alma que delibera a escolha entre o Céu e o Inferno

Escolha: Céu ou Inferno

Capítulo XVII

PREPARAÇÃO

1. Põe-te na presença de Deus.
2. Pede a Deus humildemente que te inspire.

CONSIDERAÇÃO

I. No começo desta meditação imagina que estás numa vasta região com o teu anjo da guarda, mais ou menos como Tobias, o jovem que viajava em companhia do arcanjo Rafael, e que ele, abrindo o céu ante teus olhos, te mostra a beleza e glória dessa mansão, ao mesmo tempo que faz aparecer o inferno debaixo de teus pés.

II. Feita esta suposição, de joelhos, como em presença do teu bom anjo, considera que na realidade te achas neste caminho entre o céu e o inferno e que um e outro estão abertos para te receber, conforme a escolha que fizeres. Mas pondera atentamente que a escolha que pode fazer-se agora, nesta vida, perdura eternamente na outra. Continue reading

O Paraíso

Entrada do Céu

Capítulo XLVI

Oculus non vidit, nec auris audivit, nec in cor hominis ascendit quae praeparavit Deus iis qui diligunt illum – “O olho não viu, nem o ouvido ouviu, nem jamais veio ao coração do homem o que Deus tem preparado para aqueles que o amam” (1Cor 2, 9)

O paraíso! O paraíso!… Ah! Deus meu! Ao só pensar nesta bela mansão, minha alma se inunda de consolações, meu coração desfalece de alegria e de amor, e meus olhos se convertem em duas fontes de lágrimas. Ao pensar no paraíso compreendo que não há proporção entre as penas desta vida e a recompensa que na outra nos está preparada.

Ao pensar no paraíso, os sofrimentos tornam-se-me delicias, as humilhações e desprezos revestem-se-me de encantos, e as mais pesadas cruzes me parecem fazer-se leves. Continue reading

Em que consiste a felicidade dos bem-aventurados no céu

Entrada do Céu

Intra in gaudium Domini tui – “Entra no gozo de teu Senhor” (Mt 25, 21)

Sumário. Os bem-aventurados contemplando a Deus face a face e conhecendo as suas infinitas perfeições, amam-No imensamente mais que a si próprios e não desejam outra coisa senão verem-No feliz. Sabendo, além disso, que o seu Senhor goza e gozará eternamente uma felicidade infinita, acham nisto a sua complacência e o seu gozo e é este gozo de Deus que constitui o seu verdadeiro paraíso. Habituemo-nos a fazer muitas vezes atos de amor perfeito a Deus, alegremo-nos com o Senhor pela sua felicidade infinita, e assim começaremos a exercer na terra o ofício dos bem-aventurados no céu. Continue reading

Entrada da alma no céu

A felicidade de entrar no céu

Laetatus sum in his, quae sunt mihi; in domum Domini ibimus – “Eu me alegrei no que me foi dito: iremos à casa do Senhor” (Sl 121, 1)

Sumário. Imaginemos ver uma alma que faz a sua primeira entrada no céu. Ó Deus! Qual será a sua consolação ao entrar pela primeira vez nessa pátria bem-aventurada, ao ver os parentes e amigos, os Anjos e os Santos; ao beijar os pés de Maria Santíssima, ao receber os amplexos de Jesus Cristo; ao ser abençoada pelo Pai celestial. Pois bem, é um ponto de nossa fé que gozaremos igual consolação, contanto que vivamos bem, ao menos durante o tempo que ainda nos resta. Ó dulcíssima esperança, tu nos deves confortar no meio das nossas mais duras tribulações. Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑