Tag: oração (Page 1 of 11)

Comunhão dos Santos

Comunhão dos Santos, Tesouros de Cornélio à Lápide

O que é a Comunhão dos Santos

A Comunhão dos Santos é a união entre a igreja triunfante, a igreja militante e a igreja purgante, isto é, a união entre os Santos que estão no Céu, os justos que vivem na terra, e as almas que sofrem no Purgatório. Estas três partes de uma só e mesma Igreja formam um Corpo, do qual Jesus Cristo é a Cabeça. Os membros deste Corpo estão unidos entre si pelos laços da caridade e por uma comunicação mútua de obras boas.

Daí vem a invocação dos Santos, os auxílios e graças que eles nos alcançam, as orações para os defuntos, a confiança no poder dos bem-aventurados próximos do trono de Deus.

Tudo está em comunhão na Igreja: orações, boas obras, graças, méritos etc.

A Comunhão dos Santos com Jesus Cristo é semelhante à que existe entre o amo e o criado, entre pai e filho, entre aquele que ilumina e aquele que é iluminado, aquele que justifica e aquele que é justificado, o governador e o governado, entre aquele que doa e aquele que recebe, quem invoca e quem ouve, o que beatifica e o beatificado. Esta comunhão é um afeto, uma união com Deus, para não formar mais que um mesmo espírito com Ele, para andar em sua Luz, participar dos méritos de Jesus Cristo e dos méritos dos Santos. Continue reading

A Vida da Santíssima Virgem no Templo

Capítulo 7: A Santíssima Virgem no Templo
Vivia só para Deus

Vejamos esta bendita menina sepultada no seu retiro, e admiremos a vida santa que ali passa. Considera-se no templo como em uma casa unicamente consagrada ao serviço do Senhor; sabe que neste sagrado lugar não deve viver senão para Deus, nem pensar, senão em tornar-se cada vez mais agradável a Seus olhos pela prática de todas as virtudes. Semelhante à aurora que sempre cresce em luz, Maria sempre cresce em santidade e perfeição. Todos os dias brilhavam nela com maior esplendor as mais excelentes virtudes, a caridade, a humildade, a mortificação e a doçura. Aproveitemo-nos de tão admirável exemplo, e aprendamos desta Virgem Santíssima o ardor com que devemos trabalhar em nossa santificação. É verdade que Deus não exige de todos os cristãos, que à imitação de Maria se liguem com voto ao seu serviço; é este o destino feliz de algumas almas privilegiadas que Ele retira do mundo, para as consagrar a Si de um modo especial: mas em qualquer estado que nos encontremos, Deus exige de nós, que sigamos uma vida verdadeiramente cristã, uma vida penitente e mortificada, e que façamos todos os dias novos esforços por adiantar-nos no caminho da salvação. Tal é o resumo do Evangelho, tais as sagradas obrigações que contraímos, recebendo o Batismo. Ah! De que modo as temos cumprido até hoje? Continue reading

Do quarto fruto da última palavra

Capítulo 35: Do quarto fruto da última palavra
Segue-se o quarto fruto, que se pode colher da felicíssima atenção com que foi ouvida a oração do Senhor, para que nós, animados com tão lisonjeiro resultado, mais nos inflamemos em Lhe encomendarmos o nosso espírito, pois com toda a verdade o Apóstolo deixou escrito (Hb 5) que Nosso Senhor Jesus Cristo fôra atendido pela Sua reverência. Tinha o Senhor pedido a seu Pai, como acima demonstramos que não fosse demorada a ressurreição do Seu corpo, foi ouvida aquela oração, para que a ressurreição se não demorasse mais tempo do que o preciso para se acreditar, que sem dúvida o corpo do Senhor morrera, pois se não pudesse provar-se que assim fôra, a Sua ressurreição, e a fé cristã ficava sem base. Continue reading

A Virtude da Oração

Mês de Novembro: A Virtude da Oração

Mês de Novembro

Breve introdução sobre a Oração e o Apóstolo Patrono

Jamais duvides que é só por meio da oração que podes alcançar a tua salvação e chegar à perfeição. Para vencer as tentações, praticar as virtudes e guardar perfeitamente os mandamentos da lei de Deus, precisas no momento decisivo de um especial auxílio da graça, o qual Deus te concede unicamente por meio da oração, e da oração perseverante. Especialmente no tempo da tentação deves recorrer a Deus, pedindo-Lhe seu auxílio, ao menos pela invocação dos santíssimos nomes de Jesus e Maria.

Antes de rezar prepara teu corarão. Pondera que vais falar com Deus para obter sua misericórdia; que os anjos olham para ti com turíbulos de ouro nas mãos e estão prontos a oferecer a Deus tua oração como um agradável incenso. Esforça-te, por isso, para rezar não só com os lábios, mas também com o coração, pois, contrariamente, em vez de obteres graças, só provocarias a ira de Deus contra ti. Procura rezar com especial devoção aquelas orações que mais se repelem, como o Pai-Nosso, a Ave-Maria e o Glória ao Pai. Dedica-te com grande zelo à prática das jaculatórias que não estão ligadas a lugar algum, nem a nenhum tempo.

Faze tuas orações com humildes sentimentos e com uma firme, constante e inabalável confiança. Se te parecer que Deus não quer te atender, continua a rezar e a confiar apesar disso, porque é certo que Deus ouve a todos que Lhe suplicam com confiança e perseverança.
Alimenta também um amor especial pela oração mental e consagra-lhe cotidianamente tanto tempo quanto te for possível. Liga toda a importância aos atos da vontade: faze atos de humildade, de confiança, de abnegação própria, de arrependimento e principalmente de amor. Não permitas que teus pensamentos vaguem a seu bel-prazer, mas, se involuntariamente sofreres distrações, não te inquietes por isso, não deixes a oração.

Igualmente não deves abandonar a oração por causa da aridez espiritual, ainda que ela dure toda a tua vida. Humilha-te então e dize, cheio de resignação na vontade de Deus:

Senhor, estou plenamente resignado com me privares das Vossas consolações, não as mereço e não as reclamo. Basta-me saber que não repelis uma alma que Vos ama. Estou satisfeito com tudo se puder dizer, em toda a verdade: Ó Deus, eu vos amo e quero amar-Vos sempre.

Sumário
I. A sua natureza
II. Da Oração Vocal. Excelência da Oração Vocal. Seus Requisitos
III. Das fórmulas mais usuais da Oração Vocal
IV. Das Orações Jaculatórias
V. Da Oração Mental. Necessidade da Oração Mental para alcançarmos a Salvação
VI. Da importância da Oração Mental para alcançarmos a Perfeição
VII. Dos diversos fins da Oração Mental
VIII. Dos assuntos principais de Meditação. Lugar e Tempo da mesma
IX. Método para fazer a Meditação
X. Das Provações da Oração Mental
XI. A oração e o Redentor
XII. A Prática do Recolhimento e do Silêncio
XIII. Orações para alcançar a Virtude do Mês

Mês de Novembro: A Virtude da Oração. Apóstolo Patrono: São Judas Tadeu
Continue reading

Práticas do exercício da Presença de Deus

Meditação para a Vigésima Segunda-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre três práticas da presença de Deus, que são:

1.° Comprazermo-nos nesta divina presença;

2.° Obrarmos sempre com o fim de agradar a Deus;

3.° Falarmos a Deus com frequentes orações jaculatórias.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De sermos fieis a estas três práticas;

2.° De desviarmos muitas vezes o nosso pensamento das criaturas para o elevar a Deus.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra da Santíssima Virgem:

“O meu Espírito se alegrou por extremo em Deus meu salvador” – Exultavit spiritus meus in Deo salutari meo (Lc 1, 47)

Continue reading

O Rosário e Ação Católica

Meditação para 15 de Outubro: O Rosário e Ação Católica
A Cruzada Nova

A Ação Católica foi definida pelo imortal Pio XI, uma grande batalha, uma santa batalha pela religião (Encíclica Ubi Arcano Dei).

É de ordem sobrenatural, visa acima de tudo o supremo interesse — a salvação das almas. Chegamos aos tristes dias de um neopaganismo. Massas paganizadas e sem fé, sepultadas nas trevas da ignorância religiosa. Messe grande e poucos operários. Poucos sacerdotes e meios impenetráveis à ação sacerdotal. A Igreja inspirada pelo Espírito Santo, como outrora para defesa do santo sepulcro, convoca seus filhos para uma nova cruzada, a cruzada santa e absolutamente urgente para libertar mais do que o sepulcro de Cristo, as almas remidas pelo sangue do Redentor Divino e no sepulcro horrendo das trevas do neopaganismo e da apostasia da fé. Continue reading

O Rosário e a Família

Meditação para 14 de Outubro: O Rosário e a Família
A Oração da Família

O Rosário é a oração da família. Recorda os mais tocantes exemplos da Família santa de Nazaré. Leão XIII o recomenda às famílias na Encíclica Fidentem piumque de 20 de Setembro de 1896:

“É preciso conservar ou estabelecer o costume piedoso que vigorava entre os nossos antepassados. Nas famílias cristãs tanto nas da cidade como nas do campo era costume sagrado, ao cair da tarde, quando todos deixavam o duro trabalho, reunirem-se diante da imagem da Virgem para Lhe dirigir em louvores alternados a prece do Rosário. E Ela, a Virgem Maria, por esta homenagem fiel e unânime que Lhe prestavam, lá estava no meio deles como uma boa Mãe cercada de uma coroa de filhos. E lhes concedia os benefícios da paz doméstica, presságio da paz celestial”

Sim, é mister restaurar onde já existe o costume piedoso do Terço em família. Era a vontade de Leão XIII que em nenhuma família cristã faltasse esse hábito salutar. Continue reading

Os fins do Rosário

Meditação para 04 de Outubro: Os fins do Rosário

Obter o Socorro Divino

O Rosário, segundo o espírito de São Domingos e pelo desejo de Nossa Senhora, tem um duplo fim: — obter do céu a proteção e a graça por Maria, e, formar as almas na escola das virtudes que é a contemplação dos mistérios.

É um brado de socorro ao céu e uma escola de virtudes. O primeiro movimento, diz Leão XIII, a atitude tradicional dos católicos nos perigos, e nas circunstâncias difíceis, foi sempre recorrer à Maria e se entregar em paz à sua maternal bondade. Esta piedade profunda e confiante na Rainha do céu, resplandece ainda mais quando se propaga o veneno das heresias, ou campeia a imoralidade, e os inimigos da fé parecem fazer periclitar a Igreja militante do Senhor.

A história antiga, a história moderna, a história eclesiástica, relatam os votos, as orações públicas, e particulares, dirigidos à Mãe de Deus, e os socorros alcançados pela sua intercessão. A paz e a tranquilidade públicas, que Ela obteve do céu. Daí tantos e belos títulos com que A saúdam as nações cristãs: — Nossa Senhora Auxiliadora, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Nossa Senhora da Consolação, Nossa Senhora dos Exércitos, Nossa Senhora da Paz! Entre estes títulos, porém, diz Leão XIII, enfim, há um que se impõe e que consagra e imortaliza os insignes benefícios de Maria à cristandade — é o de Rainha do Santíssimo Rosário (1).

Continue reading

Das distrações e faltas de fervor na Oração

Meditação para a Oitava Quarta-feira depois de Pentecostes. Das distrações e faltas de fervor na Oração

Meditação para a Oitava Quarta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre os dois principais obstáculos que se oferecem na oração:

1.° As distrações;

2.° As faltas de fervor, as desconsolações de espírito, a tibieza.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De ter uma vida mais contemplativa e isolada, que é o meio de estancar a fonte da maior parte das nossas distrações;

2.° De nunca desanimarmos, no estado de inaptidão em que nos acharmos, de orar, mas de nos conservarmos humilhados diante de Deus, admirando a sua bondade, que nos tolera e ama, apesar das nossas misérias.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de Davi:

“Em terra deserta e sem caminho e sem água, me apresentei a vós, meu Deus” – In terra deserta, et invia, et inaquosa: sic sancto apparui tibi (Sl 62, 3)

Continue reading

Método de Oração

Meditação para a Oitava Terça-feira depois de Pentecostes. Método de Oração

Meditação para a Oitava Terça-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre o método de orar, e veremos que ele consiste:

1.° Em nos penetrarmos bem do objeto da oração;

2.° Em examinarmos a nossa consciência sobre este objeto, e com um ato de contrição renunciamos aos defeitos que este exame nos descobrir;

3.° Em implorarmos a graça de Deus para bem cumprir o firme propósito incluído no ato de contrição.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De seguirmos nas nossas meditações este método tão simples;

2.° De nos lembrarmos muitas vezes no dia dos bons sentimentos e resoluções da oração.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de Davi:

“Os meus olhos estão sempre elevados para o Senhor” – Oculi mei semper ad Dominum (Sl 24, 13)

Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑