Tag: novíssimos

O fim do Mundo

Meditação para o 24º Domingo depois do Pentecostes. O fim do Mundo

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus 24, 15-

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulo: 15«Por isso, quando virdes a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, instalada no lugar santo, – o que lê, entenda – 16então, os que se encontrarem na Judeia fujam para os montes; 17aquele que estiver no terraço não desça para tirar as coisas de sua casa; 18e o que se encontrar no campo não volte atrás para buscar a capa. 19Ai das que estiverem grávidas e das que andarem amamentando nesses dias! 20Rezai para que a vossa fuga não se verifique no Inverno ou em dia de sábado, 21pois nessa altura a aflição será tão grande como nunca se viu desde o princípio do mundo até ao presente, nem jamais se verá. 22E, se não fossem abreviados esses dias, criatura alguma se poderia salvar; mas, por causa dos eleitos, esses dias serão reduzidos.»

23«Então, se vierem dizer-vos: ‘Aqui está o Messias’, ou ‘Ali está Ele’, não acrediteis; 24porque hão-de surgir falsos messias e falsos profetas, que farão grandes milagres e prodígios, a ponto de desencaminharem, se possível, até os eleitos. 25Olhai que já vos preveni. 26Por isso, se vos disserem: ‘Ele está no deserto’, não saiais; ‘Ei-lo no interior da casa’, não acrediteis. 27Porque, assim como o relâmpago sai do Oriente e brilha até ao Ocidente, assim será a vinda do Filho do Homem. 28Onde houver um cadáver, aí se juntarão os abutres.»

29«Logo após a aflição daqueles dias,

o Sol irá escurecer-se,
a Lua não dará a sua luz,
as estrelas cairão do céu
e os poderes dos céus serão abalados.

30Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem e todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vir sobre as nuvens do céu, com grande poder e glória. 31Ele enviará os seus anjos, com uma trombeta altissonante, para reunir os seus eleitos desde os quatro ventos, de um extremo ao outro do céu.»

32«Aprendei da comparação tirada da figueira: quando os seus ramos se tornam tenros e as folhas começam a despontar, sabeis que o Verão está próximo. 33Assim também, quando virdes tudo isto, ficai sabendo que Ele está próximo, à porta. 34Em verdade vos digo: Esta geração não passará sem que tudo isto aconteça. 35O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão-de passar.»

Continue reading

Pensamento do Inferno

Meditação para o 19º Domingo depois do Pentecostes. Pensamento do Inferno

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus 22, 1-14

Naquele tempo, 1tendo Jesus recomeçado a falar em parábolas, disse-lhes: 2«O Reino do Céu é comparável a um rei que preparou um banquete nupcial para o seu filho. 3Mandou os servos chamar os convidados para as bodas, mas eles não quiseram comparecer. 4De novo mandou outros servos, ordenando-lhes: ‘Dizei aos convidados: O meu banquete está pronto; abateram-se os meus bois e as minhas reses gordas; tudo está preparado. Vinde às bodas.’ 5Mas eles, sem se importarem, foram um para o seu campo, outro para o seu negócio. 6Os restantes, apoderando-se dos servos, maltrataram-nos e mataram-nos.

7O rei ficou irado e enviou as suas tropas, que exterminaram aqueles assassinos e incendiaram a sua cidade. 8Disse, depois, aos servos: ‘O banquete das núpcias está pronto, mas os convidados não eram dignos. 9Ide, pois, às saídas dos caminhos e convidai para as bodas todos quantos encontrardes.’ 10Os servos, saindo pelos caminhos, reuniram todos aqueles que encontraram, maus e bons, e a sala do banquete encheu-se de convidados.

11Quando o rei entrou para ver os convidados, viu um homem que não trazia o traje nupcial. 12E disse-lhe: ‘Amigo, como entraste aqui sem o traje nupcial?’ Mas ele emudeceu. 13O rei disse, então, aos servos: ‘Amarrai-lhe os pés e as mãos e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.’ 14Porque muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.»

Continue reading

Fazer cada ação pensando no Juízo Final, na Vida Eterna e na Morte Eterna

Meditação para a Sétima Quarta-feira depois de Pentecostes. Fazer cada ação pensando no Juízo Final, na Vida Eterna e na Morte Eterna

Meditação para a Sétima Quarta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos dois outros meios de fazer bem todas as coisas; o primeiro é o pensamento do Juízo Final; o segundo é o pensamento da Vida Eterna ou da Morte Eterna.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De perguntarmos muitas vezes a nós mesmos:

Que dirá Deus, no último juízo, acerca desta ação, desta oração, desta conversação, do emprego deste dia, desta confissão, desta comunhão?

2.º De dizermos muitas vezes conosco para nos animarmos a obrar o bem e a evitar o mal:

Ó céu, quão desejável és! Ó inferno, quão, tremendo és!

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de São Paulo:

“Depois disto o juízo” – Post hoc autem judicium (Hb 9, 27)

Continue reading

O Juízo Final

1º Domingo do Advento - III. O Juízo Final

III. Sermão para o 1º Domingo do Advento

Pregado em 1669.

SUMÁRIO

Exordio. — A alma é julgada depois de se ter separado do corpo, e quando da ressurreição geral; no juízo final é que os pecadores hão de ser confundidos e cobertos de opróbio.

Proposição, divisão. —No juízo final os pecadores que se esconderam serão descobertos, os que se disseram inocentes serão declarados criminosos, os que eram tão orgulhosos e tão insolentes ficarão humilhados e estarrecidos.

1.° Ponto — Há diversas categorias de ateus: os que negam a existência de Deus, os que desejariam que Ele não existisse e os que são indiferentes pela sua existência. Teme-se o olhar dos homens e não se teme o de Deus. A luz há de fazer-se e os hipócritas serão vergonhosamente punidos.

2.° Ponto — Ó pecador hipócrita é semelhante a um ouriço, e é como Adão que se esconde e se mostra inocente. Os pecadores serão confundidos na presença dos justos: quod fecerunt utique fieri posse docuerunt. Pensai nisto, cristão, em quanto vos for útil o Pensamento.

3.° Ponto — Deus e os santos hão de rir-se dos pecadores, sobretudo dos pecadores insolentes e escandalosos.

Peroração. —Evitemos esta vergonha eterna: notam ignominiae sempiternam. Não está longe a hora da morte em que o nosso estado há de ser definido. Real Senhor, vivei feliz, vitorioso, sempre temente a Deus e sempre disposto a dar-Lhe contas.

Tunc videbunt Filium hominis venientem in nube, cum potestale magna et majestate
Então eles verão o Filho do homem sobre uma nuvem, cheio de grande poder e de grande majestade. (Lc 20, 27)

Continue reading

Pensamentos Consoladores do Purgatório

Meditação para o Dia 02 de Novembro

Segundo um dos biógrafos de São Francisco de Sales, o santo dizia e sempre repetia que, em sua opinião, devemos tirar mais consolação do que temor do pensamento do Purgatório. Verdade é que, naquele lugar de expiação, são tão grandes os tormentos que não se lhes podem comparar as maiores dores desta vida. Mas também as alegrias interiores são lá de forma tal que não há neste mundo prosperidade nem alegria que as igualem. E quereis saber por que consola o pensamento do Purgatório? Continue reading

Pequeno Sermão de São Francisco

Meditação para o Dia 04 de Outubro

O Seráfico São Francisco de Assis fazia, no Alverne, esta profunda meditação:

“O Céu aberto em cima de minha cabeça. O Inferno aberto sob meus pés. E o cristão, no meio!” – Caelus apertus, Infernus apertus, Christianus in medio! “Assim estou no mundo, sob um Céu que me espera e cujo pensamento me conforta e estimula na luta”

Quando a cruz pesar demais sobre nossos ombros doloridos, olhemos para o Céu. Continue reading

Liturgia dos Funerais

Arte do Missal: Missa Requiem, Ofício dos Mortos

Arte do Missal: Missa Requiem, Ofício dos Mortos

Ofícios Fúnebres

Meditação para o dia 24 de Novembro

Funerais vem da palavra “funus”, que por sua vez deriva de “funalia”, tocha, porque outrora se faziam os enterros à noite, e eram acompanhados com tochas acesas ou archotes. O cristianismo purificou esta cerimônia pagã, santificando-a com as luzes empregadas nos ofícios fúnebres, mas as luzes agora simbolizavam, diz São João Crisóstomo, alegria e esperança na ressurreição da carne.

Nos primeiros dias do cristianismo, na época das perseguições, a cerimônia do sepultamento dos mártires era festiva e tinha uma nota de alegria e de triunfo. Era a festa da entrada do céu e da glorificação dos que sofreram e morreram por Cristo. Os mártires, dizia São Cipriano, passavam da prisão para a imortalidade. De carcere ad immortalitatem transibant. Assim, o dia da morte era celebrado como dia de festa. Adornava-se festivamente o vestíbulo da casa mortuária com guirlandas e coroas, escreve São Gregorio Nanzianzeno, e o interior era decorado com verduras, flores e tapeçarias e fachos de luz. Tal eram os funerais dos primeiros cristãos. Os de hoje são bem diferentes. Já não têm mais a nota festiva. Continue reading

© 2019 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑