Tag: juízo final (page 1 of 2)

Fazer cada ação pensando no Juízo Final, na Vida Eterna e na Morte Eterna

Meditação para a Sétima Quarta-feira depois de Pentecostes. Fazer cada ação pensando no Juízo Final, na Vida Eterna e na Morte Eterna

Meditação para a Sétima Quarta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos dois outros meios de fazer bem todas as coisas; o primeiro é o pensamento do Juízo Final; o segundo é o pensamento da Vida Eterna ou da Morte Eterna.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De perguntarmos muitas vezes a nós mesmos:

Que dirá Deus, no último juízo, acerca desta ação, desta oração, desta conversação, do emprego deste dia, desta confissão, desta comunhão?

2.º De dizermos muitas vezes conosco para nos animarmos a obrar o bem e a evitar o mal:

Ó céu, quão desejável és! Ó inferno, quão, tremendo és!

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de São Paulo:

“Depois disto o juízo” – Post hoc autem judicium (Hb 9, 27)

Continue reading

Sentença do Supremo Juiz

Meditação para a Quinta-feira da 1ª Semana do Advento. Sentença do supremo Juiz

Meditação para o Quinta-feira da 1ª Semana do Advento

Sumário

Meditaremos hoje:

1.° A sentença do supremo juiz a favor dos bons;

2.° A sua sentença contra os maus;

3.° As consequências desta dúplice sentença.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De viver tão santamente que mereçamos ser admitidos entre os escolhidos:

2.º De vigiar com este intuito as nossas ações, palavras e intenções, perguntando a nós mesmos muitas vezes: É desta maneira que obrariam, que pensariam, que falariam os santos? Conservaremos como ramalhete espiritual a oração da Igreja:

“Lembrai-vos, ó bom Jesus, que foi por mim que viestes a este mundo: não me condeneis no dia de vossas justiças” – Recordare, Jesu pie, quod sum causa tuae viae: ne me pardas illa die (Estrofe do Dies irae)

Continue reading

Exame das Consciências

Meditação para a Quarta-feira da 1ª Semana do Advento. Exame das Consciências

Meditação para o Quarta-feira da 1ª Semana do Advento

Sumário

Meditaremos hoje sobre o juízo final e veremos:

1.° O rigoroso exame que nele se fará de todas as consciências;

2.° A glória que disso resultará aos bons;

3.° A confusão que disso provirá aos maus.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De nos citarmos a nós mesmos todas as tardes para o tribunal de Jesus Cristo, e de perguntarmos a nós mesmos o que dirá deste dia o supremo Juiz: que dirá ele do uso que dele fiz, das palavras que nele proferi, dos pensamentos a que me entreguei?

2.° De lembrarmo-nos, a cada hora do dia, das palavras de São Paulo:

“Depois disto o juízo” – Post hoc autem, judicium (Hb 9, 27)

Estas palavras nos servirão de ramilhete espiritual. Continue reading

Prelúdios do Juízo Final

Meditação para a Terça-feira da 1ª Semana do Advento. Prelúdios do Juízo Final

Meditação para o Terça-feira da 1ª Semana do Advento

Sumário

Meditaremos hoje e nos dias seguintes a se­gunda vinda do Salvador para julgar o mundo no fim dos tempos, como no-lo anuncia o Evangelho do do­mingo passado. Com relação a hoje, nos limitaremos a considerar os três prelúdios do juízo, a saber:

1.° A Ressurreição geral;

2.° A Separação dos Bons e dos Maus;

3.° A Descida do Supremo Juiz precedido da Sua Cruz.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De conservar puros os nossos, corpos, para que ressuscitem glorio­sos;

2.° De seguir, em tudo, o exemplo dos santos, para não sermos separados deles no último dia e expulsos para entre os maus;

3.° De amar Jesus e a Sua cruz, que farão a nossa alegria nesse grande dia, se os tivermos amado durante a vida.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do Apóstolo:

“Todos nós deve­mos comparecer diante do tribunal de Jesus Cristo” – Omnes nos manifestari oportet ante tribunal Christi (2 Cor 5, 10)

Continue reading

O Juízo Final

1º Domingo do Advento - III. O Juízo Final

III. Sermão para o 1º Domingo do Advento

Pregado em 1669.

SUMÁRIO

Exordio. — A alma é julgada depois de se ter separado do corpo, e quando da ressurreição geral; no juízo final é que os pecadores hão de ser confundidos e cobertos de opróbio.

Proposição, divisão. —No juízo final os pecadores que se esconderam serão descobertos, os que se disseram inocentes serão declarados criminosos, os que eram tão orgulhosos e tão insolentes ficarão humilhados e estarrecidos.

1.° Ponto — Há diversas categorias de ateus: os que negam a existência de Deus, os que desejariam que Ele não existisse e os que são indiferentes pela sua existência. Teme-se o olhar dos homens e não se teme o de Deus. A luz há de fazer-se e os hipócritas serão vergonhosamente punidos.

2.° Ponto — Ó pecador hipócrita é semelhante a um ouriço, e é como Adão que se esconde e se mostra inocente. Os pecadores serão confundidos na presença dos justos: quod fecerunt utique fieri posse docuerunt. Pensai nisto, cristão, em quanto vos for útil o Pensamento.

3.° Ponto — Deus e os santos hão de rir-se dos pecadores, sobretudo dos pecadores insolentes e escandalosos.

Peroração. —Evitemos esta vergonha eterna: notam ignominiae sempiternam. Não está longe a hora da morte em que o nosso estado há de ser definido. Real Senhor, vivei feliz, vitorioso, sempre temente a Deus e sempre disposto a dar-Lhe contas.

Tunc videbunt Filium hominis venientem in nube, cum potestale magna et majestate
Então eles verão o Filho do homem sobre uma nuvem, cheio de grande poder e de grande majestade. (Lc 20, 27)

Continue reading

O Juízo

1º Domingo do Advento - II. O Juízo

II. Sermão para o 1º Domingo do Advento

Pregado em São Tomé do Louvre em 1668.

SUMÁRIO

Exordio. — A Igreja, sabendo que o receio vem antes do amor, mostra-nos Jesus Cristo terrível nos seus juízos antes de no-lo mostrar condescendente para com as nossas misérias.

Proposição, divisão. — Os que desprezarem a bondade do Senhor, hão de suportar a Sua justa cólera. Se se sublevarem contra o Seu poder, ela há de abatê-los; se desprezarem a Sua bondade, experimentarão os Seus rigores; se não quiserem viver num império suave e legítimo, ficam sujeitos a uma dura e insuportável tirania.

1.° Ponto — Devemos usar da nossa liberdade para nos submetermos filialmente a Deus a quem pertencemos absolutamente.

2.° Ponto — O amor de Deus enche-nos de favores, e se nós desconhecemos os benefícios do Senhor e as liberdades infinitas de Jesus Cristo, sofreremos as Suas terríveis consequências.

3.° Ponto — Visto que não quisestes servir o Senhor alegremente, haveis de sofrer o jogo do vosso inimigo. Não há império mais suave e mais legítimo do que o de Deus sobre o homem.

Peroração — Os nossos inimigos preferem antes corromper-nos do que atormentar-nos. Envergonhemo-nos de suportar a sua tirania e de sermos algemados, depois de Jesus Cristo nos ter feito reis.

Justus es Domine, et rectum judicium tuum
Senhor, vós sois justo e o vosso juízo é reto. (Sl 118, 134)

Continue reading

Necessidade de Trabalhar para a Salvação da Alma

1º Domingo do Advento - I. Necessidade de Trabalhar para a Salvação da Alma

I. Sermão para o 1º Domingo do Advento

Pregado a 29 de novembro de 1665, com a assistência do rei e da corte.

SUMÁRIO

Exordio. A Igreja fala-nos no juízo final com o fim de nos excitar a trabalhar para a nossa salvação e a velar por todas as nossas disposições e ações.

Proposição e divisão. Eu hei de combater o sono, que nos insensibiliza para o trabalho da nossa salvação, e a languidez que, além de nos tornar indolentes, não nos deixando agir, ainda nos conduz de novo ao sono.

1.° Ponto — Adormecermos na indiferença a respeito da grande obra da salvação, é cometer o crime de ateísmo, porque, aqueles que não creem em Deus, também não admitem que outros creiam verdadeiramente nele. Deus não dá logo o castigo porque é misericordioso e eterno. O sono letárgico dos pecadores já é um castigo terrível. Ai de ti, pecador indiferente: Thesaurisas tibi iram.

2.º Ponto — Nós devemos consagrar à grande obra da nossa salvação todos os instantes porque a morte há de arrebatar-nos como se fosse um rapinante. A juventude, em vez de ser um tempo de dissipação e de desregramento deve, pelo contrário, ser um tempo de colheita.

Peroração — Receai a insensibilidade e praticai a vigilância contínua. Real Senhor, de que vos serviriam as vossas conquistas e a vossa grandeza, se não trabalhásseis em obras que merecem ser escritas no livro da vida. Deus compõe um diário da nossa vida, e nós devemos nos esforçar por embelezá-lo.

Hora est jam nos de somno surgere
Já é tempo de despertarmos do nosso sono (Rm 13, 11)

Continue reading

O Último Juízo

Meditação para o Dia 05 de Dezembro

1. a) No último juízo aparecerá, como estandarte do Supremo Juiz, a Santa Cruz, que fará exultarem os bons e serem confundidos os maus“. Depende agora de ti determinar o que naquele dia será para ti a Santa Cruz. Cercado de anjos, aparecerá Jesus Cristo. Proclama-O agora teu Deus e Senhor, para que Ele então te aceite como filho.

b) Pela manifestação das consciências será patenteada tua vida, os pecados cometidos, o bem omitido ou feito negligentemente, o tempo não bem empregado, as confissões sem emenda, as graças desprezadas, todas as palavras e ações, como todos os pensamentos. Está em boa ordem tua consciência em todos estes pontos? Continue reading

Ressurreição e Separação Finais

Meditação para o Dia 04 de Dezembro

1. No advento, princípio do ano eclesiástico, a Igreja lembra a seus filhos o dia das contas finais. Reduzida a terra a cinzas, a voz dos anjos fará ressoar as palavras que assustavam São Jerônimo no deserto:

“Levantai-vos, mortos; vinde ao juízo!”

Que alegria, então, para as almas justas, reunir-se com o seu corpo glorioso, impassível, imortal, ágil como os espíritos, brilhante como o sol. Que consolo saber que, enfim, será reconhecida sua inocência, sua virtude, por todo o mundo. Que horror, para as almas dos réprobos, unir-se com seu corpo estigmatizado pelo sinal das penas eternas! Que confusão ao se lembrarem que todos, amigos e inimigos, vão saber agora de sua vida escandalosa! Continue reading

A sentença da alma culpada no juízo particular

Juízo Particular

Discedite a me, maledicti, in ignem aeternum, qui paratus est diabolô et angelis eius – “Apartai-vos de mim, malditos para o fogo eterno, que está aparelhado para o diabo e os seus anjos” (Mt 25, 41)

Sumário. Desgraçada da alma cuja vida no juízo não for achada conforme à de Jesus Cristo! Sem demora, o divino Juiz pronunciará contra ela a sentença de condenação eterna – Aparta-te de mim, maldita, para ires arder eternamente no fogo. Meu irmão, agora vivemos em segurança e com indiferença ouvimos falar do juízo; mas quantos há que assim viveram e agora estão no inferno! E quem nos assegura que o mesmo não sucederá conosco? Se a morte nos surpreendesse na primeira noite, qual seria a nossa sentença? Continue reading

« Older posts

© 2019 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑