Tag: jesuítas

Festa de Santo Inácio de Loyola

Quicumque glorificaverit me, glorificabo eum — “Eu glorificarei a quem me glorificar” (1 Sm 2, 30)

Sumário. O que mais distinguiu Santo Inácio foi o seu zelo pela glória divina. Foi um zelo esclarecido, porque, tendo começado por glorificar a Deus em sua própria pessoa pelo conhecimento e pelo amor, passou em seguida a glorificá-lo no próximo, promovendo de todos os modos o conhecimento e amor de Deus. E Deus, que se não deixa vencer em generosidade, ó, quão bem soube remunerar o seu servo, tanto nesta vida como na outra! Rejubilemo-nos com o santo, e agradeçamos por ele ao Senhor; e, para termos parte na recompensa do santo, imitemos os seus exemplos.

I. O caráter distintivo do grande Santo Inácio é o seu zelo pela glória divina; mas um zelo prudente e esclarecido, porque começou por glorificar a Deus em sua própria pessoa, por meio de uma conversão verdadeira. Quando estava doente de uma ferida, leu, por uma disposição da Providência, um livro de vidas de santos, e impressionado pelos atos sublimes daqueles heróis, sentiu-se abrasado no desejo de os imitar. Por que, dizia de si para si, como Santo Agostinho, por que não poderás tu fazer o que fizeram tantos jovens de toda condição, de ambos sexos? Tinham eles porventura uma natureza diferente? Serviam a outro senhor? Aspiravam a outro fim? Tu non poteris quod isti et istae?

Quando estava curado, fez Santo Inácio uma peregrinação ao santuário de Nossa Senhora de Montserrat; e, depois de fazer uma confissão geral dos seus pecados, retirou-se para a gruta de Manresa, a fim de praticar as penitências mais ásperas. Às austeridades exteriores, com as quais o santo castigava o seu corpo, Deus, a fim de purificá-lo mais, acrescentou outros sofrimentos de espírito. Permitiu que todas as cruzes da vida espiritual viessem pesar sobre ele; mas ao mesmo tempo deu-lhe amor e força para carregá-las com resignação.

Depois de ter assim glorificado a Deus em sua própria pessoa pelo conhecimento e amor, Inácio começou a glorificá-lo no próximo, promovendo de todos os modos este conhecimento e amor do Bem supremo. E porque as suas próprias forças não condiziam com a grandeza de seu coração, resolveu fundar a Companhia de Jesus, por meio da qual o seu zelo se estende a todos os tempos, a todas as idades, a todas as condições, a todas as nações da terra.

Rejubila-te aqui com o santo, e rende graças a Deus por lhe haver comunicado tão alta virtude. Ao considerares que ele ainda continua a promover a glória de Deus, por meio dos religiosos, seus filhos, pede a Deus que os faça crescer em número, os proteja nas perseguições e dê a todos a santa perseverança.

II. Deus nunca se deixa vencer em amor; e se Inácio foi generoso na promoção da glória divina, mais generoso foi o Senhor para com ele em remunerá-lo desde a vida presente:

“Eu glorificarei a quem me glorificar” (1)

Antes que o santo se tivesse convertido plenamente, enviou-lhe Deus do céu o Príncipe dos apóstolos, a fim de lhe curar a ferida, e pouco depois a mesma Bem-aventurada Virgem com o divino Menino, a qual pela sua presença extinguiu nele para sempre toda a inclinação aos prazeres sensuais.

Depois da conversão do santo, apareceu-lhe Jesus Cristo inúmeras vezes, tratando-o com familiaridade incrível, afirmando-lhe a sua proteção e revelando-lhe segredos acerca dos mistérios mais sublimes. Mais: Deus fê-lo autor do livro exímio dos “Exercícios espirituais”: e visto que então o santo mal sabia escrever, ordenou que na composição deste livro a divina Mãe o assistisse de um modo especial. Mas a glória mais bela com que Deus remunerou o seu glorificador é esta: fê-lo pai de uma Ordem que deu e ainda dá tantos santos à Igreja, tantos apóstolos ao mundo e tantas almas a Deus.

Ao pensar em tamanha glória de Inácio, sentes desejo de participar dela; mas deves então imitar primeiro as virtudes do santo e especialmente o seu zelo pela glória de Deus. Começa, com ele, por glorificar a Deus em ti mesmo, por meio de uma verdadeira emenda, pois que “aquele que é mau para si, não pode ser bom para os outros” (2). Para este fira recomenda-te ao Senhor pelos merecimentos do santo.

“Ó meu Deus, Vós, que para dilatar mais a glória do vosso Nome fortalecestes por intermédio de Santo Inácio a Igreja militante com um novo auxílio, concedei-me propício que, com o auxílio e à imitação deste santo, combatendo cá na terra mereça ser coroado com ele no céu” (3). Fazei-o pelo amor de Jesus e Maria.

Referências:
(1) 1 Sm 2, 30.
(2) Eclo 14, 5.
(3) Or. festi.

Voltar para o Índice de Meditações

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo III: Desde a Duodécima semana depois de Pentecostes até ao fim do ano Eclesiástico. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 340-343)

História da Igreja 5ª Época: Capítulo VII

Santo Afonso e os Redentoristas

Enquanto Voltaire e Rousseau infestavam o mundo com seus escritos ímpios, serviu-se Deus do glorioso Afonso Maria de Ligório para iluminar e santificar aos povos. Nasceu em Nápoles no ano de 1696, e desde sua juventude manifestou-se qual luminoso modelo de virtude. Era mui exato no cumprimento de todos os seus deveres, especialmente religiosos, comungava toda semana e ainda com maior frequência, e visitava todos os dias o Santíssimo Sacramento. Aos 16 anos já se achava graduado doutor em ambos os direitos e dedicava-se ao exercício da advocacia. Vendo, porém, frustradas suas esperanças de vencer uma causa, determinou abandonar o mundo e consagrar-se a Deus no estado eclesiástico. Pregava com grande fervor, e seu próprio pai a primeira vez que o ouviu, exclamou vivamente comovido:

“Meu filho me fez conhecer a Deus”

Continue reading

© 2021 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑