Tag: intolerância da igreja

A Intolerância Católica

Cardeal Pie

LOUIS-ÉDOUARD CARDEAL PIE

Bispo de Poitiers

Sermão pregado na Catedral de Chartres (excertos); 1841

Meus irmãos (…),

Nosso século clama: “tolerância, tolerância”. Tem-se como certo que um padre deve ser tolerante, que a religião deve ser tolerante. Meus irmãos, não há nada que valha mais que a franqueza, e eu aqui estou para vos dizer, sem disfarce, que no mundo inteiro só existe uma sociedade que possui a verdade e que esta sociedade deve ser necessariamente intolerante. Mas antes de entrar no mérito, distinguindo as coisas, convenhamos sobre o sentido das palavras para bem nos entendermos. Assim não nos confundiremos.

A tolerância pode ser civil ou teológica. A primeira não nos diz respeito, e não darei senão uma pequena palavra sobre ela: se a lei tolerante quer dizer que a sociedade permite todas as religiões porque, a seus olhos, elas são todas igualmente boas ou porque as autoridades se consideram incompetentes para tomar partido neste assunto, tal lei é ímpia e ateia. Ela exprime não a tolerância civil como a seguir indicaremos, mas a tolerância dogmática que, por uma neutralidade criminosa, justifica nos indivíduos a mais absoluta indiferença religiosa. Ao contrário, se, reconhecendo que uma só religião é boa, a lei suporta e permite que as demais possam exercer-se por amor à tranquilidade pública, esta lei poderá ser sábia e necessária se assim o pedirem as circunstâncias, como outros observaram antes de mim (…). Continue reading

XII. A Intolerância da Igreja

São Cipriano

“Não pode ter a Deus por Pai quem não tem a Igreja por Mãe” (São Cipriano)

A presente instrução será a sequencia lógica da anterior. Para formularmos um juízo imparcial, é necessário enfrentarmos as objeções que os espíritos superficiais levantam contra a nossa Igreja; as que se referem a defeitos reais da vida da Igreja, e também as que se referem a defeitos aparentes, que só podem ser chamados defeitos em consequência dum juízo precipitado e parcial.

Têm havido, na História páginas realmente tristes, e têm havido também na vida da Igreja acontecimentos em que, infelizmente, se acusa o lado humano da Igreja, por demais. É lastimável e devemos trabalhar para que o elemento humano seja cada vez mais relegado para o segundo plano, na Igreja. Jamais, porém, será possível afastar totalmente esses defeitos, porque eles vão de par com o duplo semblante da Igreja, com a sua dupla natureza, divina e humana, como foi dito na instrução precedente.

Mas têm havido também na Igreja qualidade, têm havido na sua vida manifestações, que certas pessoas encaram como defeitos, lacunas e imperfeições, mas que não merecem essa qualificação. Ouvimos, a cada instante, alegações lançadas levianamente por pessoas frívolas ou mal intencionadas; vale, pois, a pena examinarmos detalhadamente esses pretensos defeitos da nossa Igreja, para nos certificarmos se são defeitos ou, antes, virtudes, se nos devemos escandalizar deles ou, antes, reconhecer neles os sinais da verdadeira Igreja. Continue reading

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑