Category: Retiro Quaresmal (page 2 of 3)

Dom Henrique nos guia através de um Itinerário Quaresmal para nos orientar a viver uma Santa Quaresma!

Meditação para o IV Domingo da Quaresma

O Retorno do Filho Pródigo (Rembrandt 1667-70)

O Retorno do Filho Pródigo (Rembrandt 1667-70)

Este Domingo hodierno marca como que o início de uma segunda parte da Santa Quaresma.

Primeiramente é chamado “Domingo Laetare”, isto é “Domingo Alegra-te”, porque, no Missal, a antífona de entrada traz as palavras do Profeta Isaías: “Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações!” Um tom de júbilo na sobriedade quaresmal! É que já estamos às portas “das festas que se aproximam”.

A Igreja é essa Jerusalém, convidada a reunir seus filhos na alegria, pela abundância das consolações que a Páscoa nos traz! Este tom de júbilo aparece nas flores que são colocadas hoje na igreja e na cor rosa dos paramentos do celebrante.
Continue a ler

Terça-feira da III Semana da Quaresma

Um dia bonito (Por Wiley Purkey)

Um dia bonito (Por Wiley Purkey)


Continuemos nossa reflexão iniciada no dia de ontem. Hoje, abordaremos o segundo aspecto:

b) “Nós nos gloriamos também nas tribulações, sabendo que a tribulação produz… a esperança. E a esperança não decepciona, porque o amor de Deu foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (v. 5).

Por se gloriar na esperança da Glória de Deus em Cristo, o cristão vive sua vida neste mundo à luz da Eternidade, na expectativa do Dia de Cristo! Tudo é vivido e interpretado pelo cristão à luz da Eternidade!
Continue a ler

Segunda-feira da III semana da Quaresma

Oração, Esperança e Graça

Ainda no capítulo 5 da sua Epístola aos Romanos, São Paulo afirma:

a) Que estamos firmes na graça de, vencido o estado de inimizade com o Senhor, estarmos em paz com Deus e, assim, justificados pela fé em Jesus, “nos gloriamos na esperança da Glória de Deus” (v. 3).

b) “Nós nos gloriamos também nas tribulações, sabendo que a tribulação produz… a esperança. E a esperança não decepciona, porque o amor de Deu foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (v. 5).

Aprofundemos estas ideias para nosso proveito espiritual de caminho quaresmal… Hoje, aprofundaremos o ponto a; amanhã, o b. Continue a ler

Meditação para o III Domingo da Quaresma

A Figueira Estéril
Irmãos caríssimos em Cristo, neste santo tempo quaresmal somos chamados a escutar com mais atenção ainda a santa Palavra que o Senhor nos dirige. Escutemos com seriedade, porque Aquele que nos fala é o mesmo Deus santo que, do meio da chama da sarça, falou com Moisés… Aquele diante de quem Moisés cobriu o rosto e tirou as sandálias.. Com Deus não se brinca, meus caros; de Deus não podemos fazer pouco impunemente!

Assim, estejamos atentos, pois durante os quarenta dias deste período sagrado que nos prepara para a Páscoa, toda a Igreja é chamada a recordar-se que é o novo Israel, um povo consagrado a Deus, reunido pelo Senhor do meio de todas as nações, consagrado pelo sangue precioso de Cristo, separado do mundo e enviado ao mundo para no mundo fazer brilhar a glória do Senhor… Continue a ler

Terça-feira da II Semana da Quaresma

Jesus Cristo, nosso Redentor (Pintura de Raúl Berzosa)

Jesus Cristo, nosso Redentor (Pintura de Raúl Berzosa)

Tome, caro Amigo, Rm 5,1-11.

1. Justificados, pois, pela fé temos a paz com Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.

2. Por ele é que tivemos acesso a essa graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança de possuir um dia a glória de Deus.

3. Não só isso, mas nos gloriamos até das tribulações. Pois sabemos que a tribulação produz a paciência,

4. a paciência prova a fidelidade e a fidelidade, comprovada, produz a esperança.

5. E a esperança não engana. Porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

6. Com efeito, quando éramos ainda fracos, Cristo a seu tempo morreu pelos ímpios.

7. Em rigor, a gente aceitaria morrer por um justo, por um homem de bem, quiçá se consentiria em morrer.

8. Mas eis aqui uma prova brilhante de amor de Deus por nós: quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós.

9. Portanto, muito mais agora, que estamos justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira.

10. Se, quando éramos ainda inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, com muito mais razão, estando já reconciliados, seremos salvos por sua vida.

11. Ainda mais: nós nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por quem desde agora temos recebido a reconciliação!
(Fonte: Bíblia Católica Online)

Continue a ler

Segunda-feira da II Semana da Quaresma

Sacrifício de Isaac (Caravaggio)

Sacrifício de Isaac (Caravaggio)

Caro Amigo, retomemos Rm 4,22-25.

22. Eis por que sua fé lhe foi contada como justiça.

23. Ora, não é só para ele que está escrito que a fé lhe foi imputada em conta de justiça.

24. É também para nós, pois a nossa fé deve ser-nos imputada igualmente, porque cremos naquele que dos mortos ressuscitou Jesus, nosso Senhor,

25. o qual foi entregue por nossos pecados e ressuscitado para a nossa justificação.
(Fonte: Bíblia Católica Online)

Continue a ler

Meditação para o II Domingo da Quaresma

Transfiguração de Jesus
Antes de tudo, duas observações:

(1) A Palavra de Deus, neste Domingo, apresenta-nos um contraste muito forte entre escuridão e luz: escuridão da noite do Pai Abraão e luz do Cristo transfigurado;

(2) Chama atenção, num tempo tão austero como a Quaresma, um evangelho tão esfuziante como o da Transfiguração. Não cairia melhor na Páscoa, este texto? Por que a Igreja o coloca aqui, no início do tempo quaresmal? Continue a ler

Sexta-feira da I Semana da Quaresma

Oração

Retome hoje, nesta sexta-feira de especial penitência e oração, o capítulo 11 da Epístola aos Hebreus.

À luz do que já meditamos sobre a fé, deixe que o Senhor o interpele…

Agora, complete e meditação de Hebreus com estas palavras inspiradas no Papa Bento XVI, na Carta Apostólica Porta Fidei:

Pela fé, Maria abandou-se nas mãos do Senhor e acolheu a palavra do Anjo, acreditando no anúncio de que seria Mãe de Deus na obediência da sua dedicação (cf. Lc 1, 38). Pela fé saiu de seus sonhos e planos, caminhando na presença do Altíssimo, a Ele seguindo como se visse o Invisível! Pela fé, ao visitar Isabel, elevou, exultante, o seu cântico de louvor ao Altíssimo pelas maravilhas que realizava em quantos a Ele se confiavam (cf. Lc 1, 46-55). Com alegria e serena ansiedade, na pobreza e incerteza das situações, deu à luz o seu Filho unigênito, mantendo intacta a sua virgindade (cf. Lc 2, 6-7). Pela fé foi Virgem no corpo, Virgem no parto, Virgem no coração, tornando-se ela própria, na própria carne, uma parábola de uma vida totalmente entregue ao Senhor! Pela fé, ela, em meio à angústia e incerteza, confiando em José, seu Esposo, levou Jesus para o Egito a fim de O salvar da perseguição de Herodes (cf. Mt 2, 13-15). Continue a ler

Quarta-feira da I Semana da Quaresma

Marcha de Abraão (March of Abraham de Jozsef Molnar)

Marcha de Abraão (March of Abraham de Jozsef Molnar)

<< Esta é uma continuação da Meditação da Segunda-feira da 1ª Semana da Quaresma, se você perdeu, recomenda-se que a faça antes de iniciar esta >>

(5) Ainda falando da fé de Abraão, o Apóstolo faz uma afirmação impressionante, referindo-se ao nosso Pai na fé:

“Ele, esperando contra toda esperança, creu e tornou-se, assim, pai de muitos povos, conforme lhe fora dito: ‘Tal será tua descendência!’ E foi sem vacilar na fé que considerou seu corpo já morto – ele tinha cerca de cem anos – e o seio de Sara também morto. Ante a promessa de Deus, ele não se deixou abalar pela desconfiança, mas se fortaleceu na fé, dando glória a Deus, convencido de que podia cumprir o que prometeu” (vv. 18-21).

Palavras deveras impressionantes!
Continue a ler

Terça-feira da I Semana da Quaresma

Cristo, Homem das Dores (Carlo Dolci)

Cristo, Homem das Dores (Carlo Dolci)

<< Esta é uma continuação da Meditação da Segunda-feira da 1ª Semana da Quaresma, se você perdeu, recomenda-se que a faça antes de iniciar esta >>

Continuemos a nossa meditação do capítulo quarto da Epístola aos Romanos.

Ontem, sublinhávamos alguns aspectos importantes do raciocínio de São Paulo. Prossigamos:

(2) Com um tipo de raciocínio próprio dos rabinos no seu modo de explicar as Escrituras, o Apóstolo coloca uma questão curiosa sobre Abraão:

Como em Abraão a fé foi levada em conta de justiça:

“Estando circuncidado ou quando ainda incircunciso?
Não foi quando estava circuncidado, mas quando ainda era incircunciso! Assim, ele se tornou pai de todos aqueles que creem, sem serem circuncidados… e pai dos circuncisos…” (Cf. vv. 10-12)

Continue a ler

Artigos antigos Artigos recentes

© 2017 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑