Tag: eternidade (page 1 of 13)

O Último Juízo

Meditação para o Dia 05 de Dezembro

1. a) No último juízo aparecerá, como estandarte do Supremo Juiz, a Santa Cruz, que fará exultarem os bons e serem confundidos os maus“. Depende agora de ti determinar o que naquele dia será para ti a Santa Cruz. Cercado de anjos, aparecerá Jesus Cristo. Proclama-O agora teu Deus e Senhor, para que Ele então te aceite como filho.

b) Pela manifestação das consciências será patenteada tua vida, os pecados cometidos, o bem omitido ou feito negligentemente, o tempo não bem empregado, as confissões sem emenda, as graças desprezadas, todas as palavras e ações, como todos os pensamentos. Está em boa ordem tua consciência em todos estes pontos? Continue reading

Ressurreição e Separação Finais

Meditação para o Dia 04 de Dezembro

1. No advento, princípio do ano eclesiástico, a Igreja lembra a seus filhos o dia das contas finais. Reduzida a terra a cinzas, a voz dos anjos fará ressoar as palavras que assustavam São Jerônimo no deserto:

“Levantai-vos, mortos; vinde ao juízo!”

Que alegria, então, para as almas justas, reunir-se com o seu corpo glorioso, impassível, imortal, ágil como os espíritos, brilhante como o sol. Que consolo saber que, enfim, será reconhecida sua inocência, sua virtude, por todo o mundo. Que horror, para as almas dos réprobos, unir-se com seu corpo estigmatizado pelo sinal das penas eternas! Que confusão ao se lembrarem que todos, amigos e inimigos, vão saber agora de sua vida escandalosa! Continue reading

Jesus Paga Generosamente

Meditação para o Dia 29 de Novembro

1. O reino dos céus é semelhante a um homem, pai de família, que ao romper da manhã saiu a contratar operários para a sua vinha“. Deus é este pai de família que saiu já de manhã na terceira, sexta e ainda nona e undécima hora a procurar-te. És fiel operário de Deus? Ele já te chamou ao romper da manhã: em tua infância; convidou-te de novo na terceira hora: em tua mocidade; reiterou o convite na sexta e nona hora: na idade madura; chamar-te-á ainda na undécima hora? Não é certo, se desprezares os primeiros convites. Continue reading

A Recompensa Eterna

Meditação para o Dia 28 de Novembro

1. Então, respondendo, Pedro lhe disse: Eis aqui estamos nós que deixamos tudo e te seguimos; que galardão, pois, será o nosso?“. Os apóstolos tinham deixado pouco, porque pouco possuíam; mas tinham sacrificado tudo, porque não reservaram nada para si. Se não podes deixar tudo por Jesus, pelo menos deves afastar teu coração do apego aos bens da terra. O principal é seguir a Jesus, segui-Lo na humildade, paciência, mansidão, no desprezo dos bens deste mundo e nas demais virtudes. Podes, neste ponto, fazer tuas as palavras de São Pedro? Continue reading

A Prestação de Contas

Meditação para o Dia 25 de Novembro

1. a) Dá conta da tua administração, porque já não poderás ser meu feitor“. Terrível palavra que um dia o Eterno Juiz há de dirigir a ti! Deus te deu ricos dons do corpo e da alma, não para que sejas seu dono absoluto, e sim para que os uses em Seu serviço, contribuindo assim para tua própria felicidade. Que uso fizeste deles? O que não é feito para Deus, é perdido. Faze, pelo menos desde agora, um bom uso dos dons do corpo: saúde, robustez, os cinco sentidos; dos dons de fortuna: honras, boa reputação, bens; e dos dons da alma: inteligência, memória e vontade. Continue reading

Os Esquecidos

A Morte: como são esquecidas as almas!

Como são Esquecidos os Mortos!

Meditação para o dia 09 de Novembro

Santo Agostinho se queixava de que os mortos são muito esquecidos. Realmente. Vai-se logo a memória dos defuntos com os últimos dobres do sino e as derradeiras flores lançadas sobre a sepultura. Quando morremos, partimos para aquela região que a Escritura chama terra oblivionis — a terra do esquecimento. Não tenhamos muita vaidade nem ilusões. Seremos esquecidos!

Quem se lembrará de nós alguns anos após a nossa morte? Talvez uma lembrança vaga, uma evocação de saudade muito apagada. E como somos orgulhosos hoje! Tanto nos fere a mágoa um esquecimento mesmo involuntário! Felizes os que se desiludem e se desapegam das amizades e vanglorias da terra antes que chegue a Mestra e Doutora da Vida — a Morte!

Como se compadecem todos dos enfermos! Que carinho e solicitude e mil sacrifícios em torno do leito de um pobre doente que geme! Porém, veio a morte. Pranto, homenagens sentidas, flores, túmulos, necrológios, e… esquecimento. Hoje afastam a ideia da morte como se fôssemos todos imortais. É mister esquecer os defuntos, deixá-los no túmulo, evitar esta preocupação doentia da morte e da eternidade. Continue reading

A Posse de Deus

Meditação para o Dia 04 de Novembro

1. O desejo irresistível e inato de felicidade não fica satisfeito pelos bens da terra; tanto os bens internos, como externos, são insuficientes. Se conseguires saber muito, restará ainda mais que ignoras; menos ainda poderão satisfazer-te outros bens. A riqueza, longe de apagar, aumenta a sede e tira a paz do coração. Honras e poder trazem desassossego de ânimo, expõem à crítica e à inveja. Ainda menos que tudo isto, gozos sensuais poderão trazer-te a felicidade, pois eles prejudicam a saúde corporal e espiritual, causam fastio e deixam remorsos. Continue reading

Depois da Morte…

Cemitério de São Patrício, em Londres

Cemitério de São Patrício, em Londres (St. Patrick’s Cemetery)

Com a morte tudo se acaba?

Meditação para o dia 03 de Novembro

Sim, é verdade, com a morte tudo se acaba. Lá se vão as riquezas, as honras, o luxo, as glórias terrenas e até nosso pobre corpo tão miserável se transforma num monturo asqueroso e horrível. Vamos ao pó donde viemos. Tu és pó e em pó te hás de tornar. Seremos quanto ao corpo, nada, pó, um punhado de lodo. Todavia, temos uma alma imortal, criada à imagem e semelhança de Deus, e esta não se acaba. É espiritual. Separa-se do corpo que ela vivificou, mas não morre. A morte não é mais do que a separação da alma do corpo. Então nem tudo se acaba na morte. Fica o principal, a alma.

Fica tudo — uma alma remida pelo Sangue de um Deus.

Não somos um bruto que nasce, cresce, morre e desaparece num monturo para sempre.

Um amigo de Sócrates, o célebre filósofo grego condenado à morte, perguntou-lhe antes que o veneno da cicuta arrebatasse a preciosa vida:

— Tem algum deseja para que o cumpramos? Porventura alguma disposição sobre o enterro?

— Que querem? Meu amigo, pensam então em me sepultar? Podem enterrar meu corpo, mas a mim não poderão sepultar.

Resposta de um pagão consciente da sua imortalidade. Continue reading

Amizade e Felicidade Eterna

Meditação para o Dia 03 de Novembro

1. Alegrai-vos e exultai, porque alto galardão vos espera no céu“. As alegrias do céu são tantas que não é possível encará-las devidamente de uma vez. Se amigos verdadeiramente bons já na terra muito contribuem para tornar mais intensiva a alegria, o que será no céu, na companhia dos anjos, dos santos, do próprio Deus? Difícil é achar-se na terra amigos de todo bons. O caráter, a educação, a maior ou menor ilustração, as ideias, a cobiça, etc., prejudicam a completa harmonia. No céu, porém, a união de vistas é perfeita, a amizade sincera e constante. Continue reading

Tesouros Eternos

Meditação para o Dia 16 de Outubro

1. Não queirais ajuntar para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e a traça os consomem e onde os ladrões os desenterram e roubam“. Jesus, ao exortar-nos para não ajuntar tesouros na terra, quer o nosso proveito. Na terra não existe o que possa saciar a sede de felicidade do coração. Os bens da terra são ilusórios; todos são breves e limitados, muito perigosos, outros diretamente nocivos. Se esta noite te pedissem tua alma, o que te valiam todos os prazeres desfrutados hoje, ontem e nos outros dias do passado, todas as honras gozadas, todos os bens acumulados? Continue reading

Older posts

© 2017 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑