Tag: breviário da confiança

O Acaso!

Meditação para o Dia 17 de Janeiro

O acaso não existe. É uma palavra sem sentido, vazia, a laicização da Providência, para uso dos corações maus, que querem livrar-se da submissão, da oração e do reconhecimento. Uma alma cristã não usa esta linguagem bárbara:

“É o destino!… Um acaso!… A fatalidade inevitável!”

E a Providência? A Divina Providência! Oh! Tanta gente que se diz devota e piedosa e, contudo, crê, como os pagãos, num destino cego! Continue reading

Não Sabeis o que Pedis

Meditação para o Dia 16 de Janeiro

Nosso Senhor prometeu ouvir todas as nossas orações. “Pedi e recebereis; batei e se vos abrirá”. Que belas promessas e parábolas sobre a oração, as quais tanto nos animam e nos excitam à confiança! Entretanto, como Deus é Pai e melhor do que nós sabe o que é bom para a nossa salvação eterna, nem sempre atende às nossas preces. Por quê? Onde estão as Suas promessas Divinas? Ah! Não sabemos o que pedimos. Um pai extremoso dará ao filhinho travesso, para brincar, um revólver carregado, uma faca, uma navalha? Continue reading

É Demais…!

Meditação para o Dia 15 de Janeiro

Não sejamos tão impacientes no sofrimento. A impaciência duplica-nos a dor. O ferido necessita de repouso. Quanto mais o enfermo se agita, arranha, coça e mexe as feridas, tanto pior. Sofre mais e até se arrisca a uma infecção, que pode ser fatal. Dá-se o mesmo com as feridas da alma, as feridas do coração. Quando elas aparecem, vamos logo ao Médico Divino e Ele, tão misericordioso, há de pensá-las carinhosamente, derramando sobre as mesmas o bálsamo suavíssimo do seu Amor.

“Vinde a Mim, diz-nos Ele. Eu vos aliviarei”

Continue reading

Que Dias Sombrios!

Meditação para o Dia 14 de Janeiro

Há certos dias em que tudo parece estar conjurado contra nós, fazendo-nos sofrer. Desde cedo, os espinhos! Esquecimentos, desprezos, indiferença dos amigos, repreensões imerecidas, contratempos, dores físicas, mal-estar, cansaço! Ai, Jesus, que tédio, que dia triste e sombrio! Nessas ocasiões precisamos ter coragem e abraçar a cruz com generosidade. Não queremos penitências. Horrorizam-nos os cilícios, disciplinas e jejuns. Haverá jejum mais difícil do que se impõe à língua, quando ela quer queixar-se e até blasfemar? Continue reading

Tão Pouco, Senhor, o que Sofri!

Meditação para o Dia 13 de Janeiro

Aqui achamos horroroso o pouco que sofremos. Gememos, e tanta blasfêmia nos vem ao pensamento, e quase nos brota dos lábios, na hora das provações! E é tão pouco o que sofremos, tão pouco! Que nos reserva, entretanto, Nosso Senhor, no Paraíso? A felicidade eterna! Isto será, porventura, pouco? Somos, na verdade, insensatos e injustos, quando nos queixamos demais do sofrimento. Não sabemos medir a desproporção entre a recompensa que nos está reservada no Céu e o trabalho que, para merecê-la, somos chamados a realizar nesta vida. Os santos, já neste exílio abrasados no amor Divino, tão bem compreendiam esta verdade que se apaixonavam pelo sofrimento. Continue reading

Como a Vida é Triste!

Meditação para o Dia 12 de Janeiro

O santo Cura d’Ars, pouco tempo antes de morrer, exclamou:

“Como a vida é triste! Quando vim para a paróquia d’Ars, se tivesse previsto os sofrimentos que me esperavam, morreria de apreensão”

Há muita gente que pode dizer como o santo, depois de ter abraçado um estado de vida penoso, como, por exemplo, o dos casados. E há momentos, Senhor, em que o fardo da vida é tão pesado! Sentimos necessidade de desabafar o coração, suspirando:

“Como a vida é triste!”

Continue reading

O Trigo e a Palha

Meditação para o Dia 11 de Janeiro

Muita gente pensa ter a bênção de Deus só quando prospera, goza a vida e não tem ocasião de sofrer. É um engano, diz Santo Afonso de Ligório, porque é na adversidade e não na prosperidade que Deus prova a fidelidade de seus servos e separa o trigo da palha. Quem nas penas se humilha e se resigna à vontade de Deus, é o trigo destinado ao Paraíso. O que se orgulha e se impacienta, depois abandona a Deus, é a palha destinada ao inferno. Continue reading

Martírio de Alfinetadas

Meditação para o Dia 10 de Janeiro

As contrariedades e pequenos aborrecimentos de cada dia constituem o que Santa Teresinha chamava martírio de alfinetadas. Custam mais, às vezes, do que os grandes golpes. Ah! Mas são tão preciosas essas pequeninas cruzes! Nem sempre teremos ocasião de sofrer grandes provações e o martírio, mas teremos, todos os dias, a cada momento, os pequenos sacrifícios. Constantemente renovados, estes nos fornecerão quotidianamente muitas ocasiões para a prática das mais raras e sólidas virtudes, tais como a caridade, a paciência, a doçura, a humildade de coração, a benignidade, a renúncia ao nosso humor, etc. E essas pequenas virtudes quotidianas praticadas fielmente nos farão uma rica messe de graças e de méritos para a eternidade. Continue reading

A Mãe e a Madrasta

Meditação para o Dia 09 de Janeiro

A adversidade nos assusta. Somos tão pusilânimes! Ela é um remédio amargo que o Médico Celeste nos prescreve para curar-nos dos males que acompanham a prosperidade.

“A prosperidade, diz São Francisco de Sales, tem atrativos que encantam os sentidos e adormecem a razão. Ela nos faz mudar imperceptivelmente de vida, de tal sorte que nos apegamos aos dons e nos esquecemos do Benfeitor” (1)

Correr-nos tudo bem na vida nem sempre é bom sinal. Cuidado! O Padre Jerônimo perguntou um dia a Santo Inácio como alcançar caminho mais curto da perfeição e do Céu. Continue reading

© 2018 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑