Liberalidade do Coração de Jesus

7º Dia da Novena ao Sagrado Coração de Jesus

Mecum sunt divitiae… ut ditem diligentes me, et thesauros eorum repleam – “Comigo estão as riquezas… para enriquecer os que me amam e encher os seus tesouros” (Pv 8, 18 e 21)

Sumário. É próprio das pessoas de coração bem formado o querer fazer todos contentes. Mas onde acharemos quem tenha o coração mais bondoso que Jesus Cristo? Para nos comunicar as suas riquezas chegou a fazer-se homem e pobre como nós. Mais: Ele quis ficar conosco no Santíssimo Sacramento, no qual está sempre com as mãos cheias de graças e convida-nos continuamente, a que nos aproximemos para as receber. Se, pois, ficamos sempre pobres, a culpa é só nossa.

I. É próprio das pessoas de coração bem formado querer fazer todos contentes, especialmente os mais necessitados e aflitos. Mas onde acharemos quem tenha o coração mais bondoso que Jesus Cristo? Por ser a bondade infinita, tem um desejo extremo de nos comunicar as suas riquezas: Mecum sunt divitiae, ut ditem diligentes me – “Comigo estão as riquezas, para enriquecer os que me amam”. Ele se fez pobre, diz o apóstolo, para nos fazer ricos: Propter vos egenus factus est, ut illius inopia vos divites essetis (1).

Para este fim ainda quis ficar no Santíssimo Sacramento, no qual está com as mãos cheias de graça, conforme se mostrou ao Padre Balthazar Alvarez, afim de dispensá-las aos que vierem visitar. Com o mesmo intuito se nos dá todo inteiro na santa comunhão, dando-nos a entender que não saberá negar os seus bens, a quem dá toda a sua pessoa. Quomodo non etiam cum illo omnia nobis donavit? (2) – “Como não nos deu também com Ele todas as coisas?” – No Coração de Jesus achamos, portanto, todos os bens e todas as graças que desejemos: In omnibus divites facti estis in illo,… ita ut nihil vobis desit in ulla gratia (3) – “Em todas as coisas fostes enriquecidos n’Ele (Cristo),… de modo que nada vos falta em graça alguma”.

Vê, portanto, que é ao Coração de Jesus que devemos agradecer todas as graças recebidas: a Redenção, a vocação, as luzes interiores, o perdão, a força para resistir às tentações, a paciência nas contrariedades; pois que, sem o seu auxílio nenhum bem poderíamos fazer: Sine me nihil potestis facere (4) – “Sem mim não podeis fazer nada”. E se no passado, diz o Senhor, não tendes recebido graças mais abundantes, não vos queixeis de mim; queixai-vos de vós mesmos, porque tendes descuidado de m’as pedir. Usque modo non petistis quidquam; petite et accipietis (5) – “Até agora não tendes pedido nada: pedi e recebereis”.

II. Oh! Quanto é rico, quanto é liberal o Coração de Jesus, para com os que a Ele recorrem! Oh, quão grandes graças recebem as almas que cuidam em pedir auxílio a Jesus Cristo! Davi dizia: Tu, Domine, suavis et mitis, et multae misericordiae omnibus invocantibus te (6) – “Tu, ó Senhor, és suave e brando e de muita misericórdia para todos os que te invocam”. Recorramos, portanto, sempre a este coração, peçamos com confiança e obteremos tudo.

Ah, meu Jesus, Vós não Vos dedignastes de sacrificar por mim vosso sangue e a vida, e eu me recusarei a dar-Vos o meu miserável coração? Eu Vo-lo dou todo inteiro, meu amado Redentor, eu Vos dou toda a minha vontade; aceitai-a e disponde dela segundo o vosso agrado. Não tenho nem posso nada; mas disponho de um coração que Vós me destes e que ninguém me pode roubar; podem tirar-me os bens, o sangue, a vida, mas não o coração. Com este coração Vos posso amar e Vos quero amar. Ensinai-me, ó meu Deus, o perfeito esquecimento de mim mesmo; ensinai-me o que deva fazer para obter o vosso puro amor, cujo desejo Vós mesmo me inspirastes pela vossa infinita bondade. Minha alma está resolvida a Vos agradar; mas de Vós espero e peço a graça de o fazer.

Ó Coração amantíssimo de Jesus, Vós deveis fazer que seja todo vosso o meu pobre coração, que no passado Vos tem sido tão ingrato e pela sua culpa privado do vosso amor. Suplico-Vos que meu coração seja todo amor por Vós, assim como o vosso é todo amor por mim. Fazei com que a minha vontade seja toda unida à vossa, de modo que eu não queira senão o que Vós quereis. A vossa santa vontade seja doravante a regra de todas as minhas ações, de todos os meus pensamentos e de todos os meus desejos.

Espero, ó Senhor, que não me negareis a vossa graça para executar a resolução que, prostrado a vossos pés, tomo hoje, a de aceitar com resignação tudo que queirais dispor de mim, e do que é meu, tanto na vida como na morte.

– Ó Maria Imaculada, fostes feliz por terdes sempre vosso Coração conformado em tudo ao Coração de Jesus. – Por piedade, minha Mãe, obtende-me que para o futuro eu não queira nem deseje senão o que queirais vós e Jesus.

Referências:

(1) 2 Cor 8, 9
(2) Rm 8, 32
(3) 1 Cor 1, 5 e 7
(4) Jo 15, 5
(5) Jo 16, 24
(6) Sl 85, 5

Voltar para o Índice dda Novena de Pentecostes

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo II: Desde o Domingo da Páscoa até a Undécima Semana depois de Pentecostes inclusive. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 165-167)