Meditação para o Dia 16 de Agosto

1. A todas as virtudes é indispensável a humildade. Os motivos para ser humilde não os procures fora de ti, mas em ti mesmo.

“Lembra-te que és pó e em pó te hás de tornar”

Se alguém julga ser alguma coisa antes de o ser, engana-se a si mesmo. Beleza, mocidade, nobreza, saber, etc., então serão nada? Pelo contrário, são dons de não pequeno valor, mas não os possuis por ti, e sim por Deus.

“Que tens que não hajas recebido?”

A Deus deves a existência, a saúde, o bem-estar, tudo o que és e o que tens. Se para a sua posse concorreste com as tuas forças, também estas deves a teu Criador, pois nada possuis por ti mesmo.

2. Se deves a Deus todos os bens corporais, quanto mais os espirituais!

“Pela graça de Deus, sou o que sou”

Quem lavou tua alma da mancha do pecado original? Quem te perdoou tantas vezes os pecados? Quem te deu as graças necessárias para praticares algum bem? Deves humilhar-te, não só reconhecendo tua dependência completa de Deus e tua pouca gratidão, como também teus insignificantes progressos na virtude e tuas numerosas recaídas no mal. Quanto teriam outros progredido, se tivessem recebido as mesmas graças que a ti te foram dadas?

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 243)