Meditação para o Dia 13 de Dezembro

1. E José, seu esposo, como era justo e não a queria infamar, resolveu deixá-la ocultamente“. Terrível provação para o esposo! Maria, o ideal de toda virtude, que São José diariamente teve de admirar, era mãe, mas ele ignorava a mensagem do anjo e a conceição milagrosa em virtude do Espírito Santo. Com tanta severidade Deus prova às vezes os justos! São José não pensou em fazer valer seus direitos, manifestando tudo. Resolveu antes deixar ocultamente sua esposa e não lhe manchar a reputação. És u tão solícito pela reputação alheia como São José?

2. a) Não menos pesaroso e triste foi para Maria ver a mágoa de seu esposo, sem poder esclarecê-lo, cumprindo também neste ponto a vontade de Deus. Mas, por mais que sofresse, confiou ao Onipotente sua justificação, aumentando, por heroica resignação, seus méritos já abundantes.

b) Deus, afinal, pôs termo à provação dos seus mais queridos seres na terra. Mandou um anjo a Nazaré dizer:

“José, Filho de Davi, não temas receber a Maria, tua epsosa, porque o que nela se gerou é obra do Espírito Santo”

Assim Deus vela por todos que nEle confiam. Longe, pois, toda pusilanimidade!

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 362)