Meditação para o Dia 17 de Outubro

1. Não vos arvoreis em julgadores, a fim de não serdes também julgados“. Não te compete julgar o procedimento e, menos ainda, a intenção de teu próximo, pois Deus te fez irmão, mas não juiz do seu semelhante. A justiça exige ter alguém por bom, enquanto o contrário não for evidente; a caridade requer desculpar pelo menos a intenção. Quem és tu, para condenares o teu próximo? Se ele cai ou se mantém de pé, a seu senhor compete julgá-lo, não a ti. Sê misericordioso, para que encontres misericórdia perante Deus, teu Juiz.

2. a) Com o juízo que julgardes, sereis julgados“. Tríplice costuma ser o castigo dos julgadores: Eles são julgados por seu próximo; caem muitas vezes nas mesmas faltas que em outros censuram e, finalmente, Deus lhes negará misericórdia no juízo.

b) Hipócrita, tira primeiro a trave de teu olho, e então verás como tirar do olho de teu irmão o argueiro“. Salutar remédio contra o mau juízo! Contempla-te a ti mesmo e descobrirás o que carece de remédio.

“Como julgarás, diz Santo Agostinho, o pecado de outrem, se tu mesmo não és livre de pecados?”

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 305)