Meditação para o Dia 15 de Setembro

1. a) André, um dos doze discípulos que tinham seguido a Jesus, dirigiu-se logo a seu irmão, dizendo:

“Achamos o Messias”

Eis o fruto da conversação com Jesus: André, venturoso, quer conseguir para outros a mesma felicidade. Por que tão cedo ficas aborrecido da conversação com Deus, da oração, da leitura espiritual, da palestra sobre coisas divinas? Fala a boca do que sente o coração!

b) Jesus olhou para Simão e deu-lhe o nome de Pedro. Para ti muitas vezes olhou, dando-te Suas graças depois de te ter distinguido com o nome de cristão. Correspondes à dignidade deste nome?

2. a) Jesus escolheu seus apóstolos entre homens incultos, não versados nas letras. Deu a entender que fundava Sua admirável obra, não na sabedoria humana, mas na divina. Deus costuma escolher para grandes coisas os pequenos e humildes. És dos humildes que dão a Deus o que é de Deus, ou talvez dos arrogantes, que mostram que se não conhecem a si próprios?

b) Atende ainda às palavras:

“Segue-me!”

Quem é que convida? E quem é o convidado? Quanta dignidade para nós; pobres humanos, seguir a Jesus! A Deus! Com quanto fervor isto deve ser feito! Quão pequeno, porém, é teu fervor nas coisas espirituais!

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 273)