Parte IV
Capítulo XIV

Esse tempo tão belo e agradável não durará muito, Filotéia; perderás tanto, às vezes, o gosto e o sentimento da devoção, que tua alma se parecerá com uma terra deserta e estéril, onde não verás nem um caminho, nem uma vereda para ir a Deus e onde as águas salutares da graça não correrão mais para a regar no tempo da seca, o que a tornará árida e desolará completamente. Ah! Bem digna de compaixão é a alma neste estado, sobretudo se o mal é violento; porque então ela se nutre de lágrimas, como David, dia e noite, enquanto o inimigo lhe diz por escárnio, para a levar ao desespero:

Ah! Miserável, onde está teu Deus? Por que caminho o poderás achar? Quem te poderá dar jamais as alegrias da graça?

Que farás, nesse tempo, Filotéia? Vai à fonte do mal. Muitas vezes essas esterilidades e securas se originam de nós mesmos.

1 . Como uma mãe tira o açúcar a seu filho atacado de vermes, também Deus nos priva das consolações de Sua graça logo que começam a dar origem a uma complacência vã e suntuosa, que é o verme da alma. É bom para mim, meu Deus, que me humilhaste; porque, antes de me humilhares, eu te ofendi, dizia o profeta-rei.

2. Quando omitimos, por negligência, de fazer algum bem ou não usamos prontamente das suavidades e delícias do amor de Deus, Ele se retira e nossa negligência é castigada, como os israelitas preguiçosos que, não indo recolher o maná logo cedo, já o achavam derretido aos primeiros raios de sol.

3. A Esposa dos Cantares, deitada indolentemente em seu leito, não quis se incomodar para ir abrir a porta a seu Esposo e perdeu a doçura de sua presença; eis aí o que nos acontece também. Tontos que estamos com as consolações sensuais e passageiras, não queremos nos privar delas para nos dar aos exercícios espirituais. Jesus Cristo, que pede entrada em nosso coração por suas inspirações, retira-Se e nos deixa continuar a dormir, e depois, quando o formos procurar, muito trabalho temos em O achar; trabalho este que é um justo castigo do desprezo infiel que temos dado a Seu amor, para seguir os atrativos do amor mundano. Ah! Pobre alma, tens feito provisão da farinha do Egito, não recebes o maná do céu. As abelhas odeiam todo o perfume artificial e as suavidades do Espírito Santo são incompatíveis com as delícias artificiais do mundo.

4. A dobrez e fingimentos nas confissões e conferências espirituais com o diretor provocam as securas e esterilidades, porque é justo que, tendo mentido ao Espírito Santo, se seja privado de Suas consolações. Não queres ir a teu Pai celeste com a sinceridade e simplicidade dum filho e não poderás receber as doçuras paternas.

5. Teu coração está cheio e sacia do dos prazeres do mundo; que admira, pois, que não sintas gosto para as alegrias espirituais? Não diz o antigo provérbio que as pombas saciadas acham as cerejas amargas? Deus encheu de bens os que tinham fome — dizia a Santíssima Virgem — e aos ricos despediu vazios, porque os que se regozijam de prazeres mundanos não são capazes de saborear os espirituais.

6. Tens conservado o fruto das primeiras consolações? Se assim for, receberás ainda mais, porque se dará àquele que já tem alguma coisa; e a respeito daquele que não tem o que lhe foi dado, porque perdeu, ser-lhe-á tirado mesmo o que não possui, isto é, será privado mesmo das graças que estavam preparadas para si. É muito verdade que a chuva vivifica as plantas ainda viridentes, mas consome e destrói inteiramente as que já o não são.

Por estas e outras razões semelhantes perdemos as consolações do serviço de Deus e caímos num estado de aridez e esterilidade de espírito e muito nos devemos examinar sobre estas faltas, mas sem inquietação e curiosidade. Se, depois de um bom exame, achamos em nós mesmos alguma fonte deste mal, devemos agradecer a Deus, tanto mais que o mal já está curado parcialmente, se lhe descobrimos a causa. Se, ao contrário, não te parece teres dado ensejo algum a essa secura, não te esforces mais em procurar a sua causa e observa com toda a simplicidade o que te vou dizer aqui.

1. Humilha-te profundamente na presença de Deus, reconhecendo o teu próprio nada e as tuas misérias e dizendo:

Ah! Que sou eu quando sigo a mim mesma? Nada mais, Senhor, do que uma terra seca e escampada, que tanto necessita de chuvas e que o vento reduz a areia.

2. Invoca o santo nome de Deus e pede-Lhe a suavidade da graça:

Dai-me, Senhor, a alegria salutar de Vosso espírito. Meu Pai, se é possível, afastai de mim este cálice, Vós, ó Jesus, que tendes imposto silêncio aos ventos e aos mares, contende este vento infrutuoso, que resseca minha alma, e mandai-lhe a aprazível e vivificante brisa do meio-dia, que pede vossa esposa para espalhar por toda parte os perfumes das plantas aromáticas do seu jardim.

3. Vai ter com o teu confessor; expande-lhe teu coração, faze-lhe ver todas as dobras de tua alma e segue seus conselhos com humilde simplicidade; porque Deus, que ama infinitamente a obediência, abençoa muitas vezes os conselhos que recebemos do próximo e, sobretudo, daqueles a quem confiou a direção das almas, mesmo sem esperança dum êxito feliz. Foi isso o que aconteceu a Naaman, que ficou limpo da lepra em se banhando no Jordão, como o profeta Eliseu lhe tinha mandado, sem nenhuma razão natural que parecesse aceitável.

4. Mas, depois de tudo, nada é tão útil do que não desejar com inquietação e sofreguidão o fim desse sofrimento e abandonar-se inteiramente à Providência divina, para suportar enquanto for esta a vontade de Deus. Digamos, pois, no meio dos desejos lícitos de sermos libertados e no meio dos espinhos que sentimos: Ó meu Pai, se é possível, fazei passar este cálice; mas ajuntemos animosamente: Entretanto, faça-se a Vossa vontade e não a minha; e aquietemo-nos com toda a tranquilidade possível. Deus, vendo-nos nesta santa indiferença, nos consolará pelas graças mais necessárias, do mesmo modo que, vendo Abraão disposto a sacrificar seu filho, contentou-se com esta resignação à sua vontade e o consolou pela alegre visão e com a bênção que lhe deu para toda a sua posteridade. Devemos, pois, em qualquer aflição corporal ou espiritual, nas distrações e privações da devoção sensível, dizer de todo o coração e com profunda submissão:

O Senhor me deu esta consolação, o Senhor ma tirou; bendito seja o Seu santo nome.

E, perseverando nós nesta humilde disposição, Ele nos prodigalizará Suas graças preciosas; foi o que aconteceu com Job, que assim falava em todas as suas desolações.

5. Não percamos a coragem, Filotéia, neste lastimoso estado; esperemos com paciência a volta das consolações, sigamos direito o nosso caminho, não omitamos nenhum dos exercícios de devoção, multipliquemos até as nossas boas obras. Ofereçamos a Nosso Senhor o nosso coração, por mais árido que esteja; ser-lhe-á tão agradável como se estivesse desfazendo-se em suavidade, uma vez que tenha seriamente determinado amar a Deus.

Diz-se que, quando a primavera é bela, as abelhas trabalham muito para fazer o mel e se multiplicam pouco; e que, quando ela é triste e sombria, se multiplicam mais e fazem menos mel.

Assim acontece muitas vezes, Filotéia, que a alma, vendo-se na bela primavera das consolações celestes, tanto se ocupa em as saborear que, na abundância das delícias celestiais, faz muito menor número de boas obras; ao contrário, vendo-se ela priva da das doces disposições da devoção sensível, multiplica suas obras, enriquece-se mais e mais em suas verdadeiras virtudes, como
a paciência, humildade, abjeção de si mesma, resignação, abnegação de seu amor-próprio.

Grande é, pois, o erro de muitas pessoas, principalmente mulheres, que creem que o serviço prestado a Deus sem gosto, sem ternura de coração, seja menos agradável a Sua divina majestade; pois que, como as rosas que, estando mais frescas, parecem mais belas, mas têm menos perfume e força do que quando estão secas, assim também a ternura torna as nossas ações mais agradáveis a nós mesmos, julgando-se pela deleitação que produzem; têm, entretanto, muito mais suave odor para o céu e são de muito maior merecimento diante de Deus, feitas num estado de secura espiritual.

Sim, Filotéia, nossa vontade entrega-se então ao serviço de Deus, apesar de todas as repugnâncias e, por conseguinte, é necessário que empregue mais força e constância do que no tempo duma devoção sensível.

Não merece grande louvor servir a um príncipe nas delícias da paz e da corte: mas servi-lo em tempos tumultuosos e de guerra é um sinal de fidelidade e constância. A bem-aventurada Ângela de Foligno diz que a oração mais agradável a Deus é aquela que se reza contrafeito, isto é, aquela que fazemos não por gosto e por inclinação, mas reagindo para vencer a repugnância que aí achamos devido à nossa secura espiritual.

O mesmo penso também de todas as boas obras; porque, quanto maiores empecilhos, sejam interiores, sejam exteriores, encontramos, tanto mais merecem diante de Deus. Quanto menor é o nosso interesse particular na prática das virtudes, tanto mais resplandece a pureza do amor divino.

A criança beija facilmente a sua mãe, quando esta lhe dá açúcar; mas isto seria um sinal de uma grande afeição, se o fizesse depois que ela lhe tivesse dado absinto ou sumo amargo de aloés.

Voltar para o Índice de Filotéia ou a Introdução à Vida Devota

(SALES, São Francisco de. Filoteia ou a Introdução à Vida Devota. Editora Vozes, 8ª ed., 1958, p. 330-336)