Escolha: Céu ou Inferno

Capítulo XVII

PREPARAÇÃO

1. Põe-te na presença de Deus.
2. Pede a Deus humildemente que te inspire.

CONSIDERAÇÃO

I. No começo desta meditação imagina que estás numa vasta região com o teu anjo da guarda, mais ou menos como Tobias, o jovem que viajava em companhia do arcanjo Rafael, e que ele, abrindo o céu ante teus olhos, te mostra a beleza e glória dessa mansão, ao mesmo tempo que faz aparecer o inferno debaixo de teus pés.

II. Feita esta suposição, de joelhos, como em presença do teu bom anjo, considera que na realidade te achas neste caminho entre o céu e o inferno e que um e outro estão abertos para te receber, conforme a escolha que fizeres. Mas pondera atentamente que a escolha que pode fazer-se agora, nesta vida, perdura eternamente na outra.

III. Com a escolha que fizeres conformar-se-á a providência de Deus por ti ou usando de misericórdia para te receber no céu ou de justiça para te precipitar no inferno; entretanto, é mais que certo que Deus, por sua bondade, quer sinceramente que escolhas a eternidade de delicias e que teu bom anjo. quer te conduzir para lá com todas as suas forcas, mostrando-te da parte de Deus os meios absolutamente necessários para merecê-la.

IV. Escuta atentamente as vozes interiores que vêm do céu convidar-te a ir para lá. Vem, alma querida — diz Jesus Cristo — que amei mais do que o meu sangue; estendo-te os meus braços, para te receber no lugar das imortais delícias do meu amor. Vinde — diz-nos a Santíssima Virgem — não desprezeis a voz e o sangue de meu Filho e os desejos que tenho de vossa salvação, e os pedidos que lhe faço para vos obter as graças necessárias. Vem — dizem-te os santos, que só desejam a união do teu coração com o deles, — para louvar eternamente a Deus; vem, o caminho do céu não é tão difícil como o mundo pensa. Nós o vencemos e eis-nos no termo: enceta-o, mas com coragem, e verás que, por um caminho incomparavelmente mais suave e feliz do que o do mundo, chegarás ao auge da glória e da felicidade.

ESCOLHA

Ó detestável inferno, eu te aborreço com todos os teus tormentos e com tua tremenda eternidade. Detesto em especial essas blasfêmias horríveis e maldições diabólicas que vomitas eternamente contra meu Deus. Minha alma foi criada para o céu e é para aí que me leva o anelo de meu coração; sim, paraíso de delícias, mansão divina da felicidade e da glória eterna, é entre os teus tabernáculos santos e ditosos que escolho hoje para sempre e irrevogavelmente a minha morada. Eu vos bendigo, meu Deus, aceitando esta dádiva que vos aprouve fazer-me. Ó Jesus, meu Salvador, aceito com todo o reconhecimento de que sou capaz a honra e graça que me fazeis, de querer amar-me eternamente; reconheço que sois vós que me adquiristes estes direitos sobre o céu; sim, fostes vós que me preparastes um lugar na Jerusalém celeste e nenhuma das felicidades dessa pátria de gozos reputo igual àquela de vos amar e glorificar eternamente.

Coloca-te debaixo da proteção da Santíssima Virgem e dos santos; promete-lhes de os servir fielmente, para que te ajudem a conseguir esse céu, onde te esperam; estende as mãos a teu bom anjo, suplicando-lhe que te conduza para lá; anima tua alma a perseverar constantemente nesta escolha.

Voltar para o Índice de Filoteia ou a Introdução à Vida Devota

(SALES, São Francisco de. Filoteia ou a Introdução à Vida Devota. Editora Vozes, 8ª ed., 1958, p. 62-64)