Santo Afonso Maria de Ligório, modelo das Virtudes Fundamentais

Santo Afonso Maria de Ligório, modelo das Virtudes Fundamentais

Devoção a Santo Afonso como modelo das Virtudes Fundamentais.
Mês de Maio

Beati pauperes spiritu; quoniam ipsorum est regnum coelorum – “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5, 3)

Sumário. A fim de se tornar mais semelhante a Jesus Cristo, tão amante da pobreza, Santo Afonso começou a praticar a pobreza voluntária desde que entrou no estado eclesiástico. Quando depois se consagrou inteiramente a Deus pelos santos votos, o seu amor à pobreza não conhecia mais limites, praticando-a no vestido, na alimentação, na mobilia e em tudo o mais. Examinemos depois se nós também estamos desapegados das coisas da terra, e lembremo-nos de que nunca será santo quem ama as comodidades e riquezas.

I. O Filho de Deus baixou do céu à terra para ensinar aos homens o valor da santa pobreza que Ele tomou por companheira durante toda a sua vida. Eis porque Santo Afonso, que resolvera seguir em tudo os ensinos do divino Redentor, cuja imagem viva queria ser, procurou por todos os modos adquirir tão bela virtude. — Ainda no mundo, já começou a praticá-la, quando abraçou o estado eclesiástico; e preferiu a humilde libré de Jesus Cristo a todas as pompas e lucros do foro.

Mas, depois que Afonso deixou o mundo e se uniu estreitamente a Deus pelos santos votos, o seu amor à pobreza não tinha mais limites. — Como missionário, e também como bispo, seu vestido era sempre o mais simples possível; nem se envergonhava de comparecer assim na presença de personagens ilustres, dizendo que a pobreza é o distintivo do bispo. — Enquanto a obediência lho permitia, escolhia sempre para si o quarto mais incomodo e dormia sobre um pobre enxergão. Como alguém o procurasse persuadir que assim não fizesse, em consideração às pessoas de distinção que o vinham visitar, respondeu:

“Oh! Pouco importa; todos sabem que fiz voto de pobreza”

— Finalmente, para o sustento, ser via-se Afonso de alimentos comuns, simples e de preço baixo.

“Que escândalo”, exclamava o Santo, “se o povo viesse a saber que o bispo manda procurar os melhores bocados!”

Nem mostrou o Santo menos zelo a fim de que os seus Congregados fossem igualmente ciosos da santa pobreza. Bastava que neste ponto alguém se desviasse um pouco da regra, para ser severamente punido.

“Vigiemos”, dizia a seus filhos, “para que não se abra a porta a faltas contra a pobreza, porque, junto com a obediência, é ela que nos conserva o fervor.”

— “Cada um de nós», acrescentava, “se gloria de ser discípulo de Jesus Cristo, e entretanto não quer seguir os seus ensinamentos. Como é possível que alguém pratique a virtude da pobreza e seja pobre de espírito, quem prorrompe em queixas, quando não é segundo a sua vontade o que a Comunidade lhe dá de alimento ou vestido? Jesus Cristo, o Senhor do céu e da terra, não tinha onde reclinar a cabeça!”

II. Seja o fruto desta meditação a imitação da pobreza de Santo Afonso, conforme o permite o teu estado de vida, e o desapego dos bens terrestres, ao menos pelo afeto. Lembra-te da sentença terrível pronunciada por Jesus Cristo contra os que apegarem o coração às riquezas :

“Em verdade vos digo que um rico dificilmente entrará no reino dos céus. Ainda mais vos digo, que mais fácil é passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus” (1)

—Tu, pois, que tens a ventura de seres religioso e filho do santo Doutor, mira-te neste modelo; vê se lhe és semelhante no sustento, no vestido, no uso dos objetos necessários, e reforma a tua vida segundo a do Santo. Oh! Quantos religiosos se condenam pelos pecados contra o voto de pobreza, ou ao menos se preparam um purgatório longo e rigoroso!

Meu Jesus, se no passado tive o coração preso aos bens da terra, doravante quero, à imitação de Santo Afonso, que sejais o meu único tesouro. O Deus de minha alma, sois um bem infinitamente superior a todos os bens, mereceis um amor infinito; eu Vos amo e estimo sobre todas as coisas e mais que a mim mesmo. Vós sois o único objeto de todos os meus afetos. Nada desejo deste mundo; mas, se tivesse de formar algum desejo, seria o de possuir todos os tesouros e reinos da terra, para renunciar a eles e privar-me inteiramente deles por vosso amor. Vinde, ó meu amor, vinde consumirem mim todos os afetos que não são para Vós. Fazei com que para o futuro eu só suspire por Vós. O amor que Vos fez morrer por mim na cruz, faça-me morrer a todas as minhas inclinações, afim de não amar outra coisa senão à vossa bondade infinita e só desejar.a vossa graça e o vosso amor.

Meu amado Redentor, quando serei todo Vosso, assim como Vós sois todo meu, desde que eu o queira? Nem sei como dar-me a Vós. Ah! Tomai Vós mesmo posse de mim, e fazei com que eu só viva para Vos agradar. O Jesus meu, espero tudo pelos merecimentos de vosso Sangue .

— E vós, ó minha Mãe, Maria, dai-me a santa perseverança; eu vô-lo peço pelo amor de vosso grande devoto e meu protetor, Santo Afonso.

Referências:
(1) Mt 19, 23

Voltar para o Índice de Meditações sobre Santo Afonso como Modelo de Virtudes

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo II: Desde o Domingo da Páscoa até à Undécima Semana depois de Pentecostes Inclusive. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 390-392)