Category: Espiritualidade (page 2 of 50)

O pecador não quer obedecer a Deus

O pecador não quer obedecer a Deus

A saeculo confregisti iugum meum, rupisti vincula mea, et dixisti: non serviam – “Quebraste desde o princípio o meu jugo, rompeste os meus laços, e disseste: não servirei” (Jr 2, 20)

Sumário. Grande Deus! Todas as criaturas obedecem a Deus, como a seu supremo Senhor; os céus, a terra, o mar, os elementos obedecem-lhe de pronto ao menor sinal. E o homem, mais amado e privilegiado de Deus do que todas essas criaturas, não quer obedecer-lhe, e cada vez que peca, diz por suas obras com inaudita temeridade a Deus: Senhor, não Vos quero servir ― Confregisti iugum meum, dixisti: non serviam. Irmão meu, é isso o que tu também fizeste, se tiveste a desgraça de pecar.
Continue a ler

Comemoração da agonia e oração de Jesus no Horto

Agonia e oração de Jesus no Horto

Et factus in agonia prolixius orabat – “E, posto em agonia, orava (Jesus) com maior instância” (Lc 22, 43)

Sumário. Imaginemos ver a Jesus, que, pela previsão dos tormentos e ignomínias que o esperavam, e muito mais da ingratidão com que os homens lhe haviam de pagar, cai em agonia no Horto e sua sangue; mas nem assim deixa de rogar a seu eterno Pai. É este o exemplo que devemos seguir, quando nos achamos em aflição e desolação. Unamos então as nossas penas às de Jesus; mas não deixemos de orar e de repetir com Ele: Pai, seja feita a vossa vontade.
Continue a ler

Para ser santo é preciso desejá-lo muito

Quem quiser ser santo, deve desprender-se das criaturas, vencer as paixões, vencer-se a si próprio, amar as cruzes e sofrer muito

Beati qui esuriunt et sitiunt iustitiam; quoniam ipsi saturabuntur – “Bem-aventurados os que têm fome e se de justiça; porque eles serão fartos” (Mt 5, 6)

Sumário. Quem quiser ser santo, deve desprender-se das criaturas, vencer as paixões, vencer-se a si próprio, amar as cruzes e sofrer muito. Ora, o santo desejo, ao passo que nos dá força para praticar tudo isso, torna-nos a pena mais leve. Pode-se dizer que já é quase vencedor quem possui um grande desejo de vencer. Irmão meu, lança um olhar sobre a tua alma, vê se tens grande desejo da perfeição, e roga a Jesus e Maria que o façam sempre mais crescer em ti.
Continue a ler

A parábola dos operários e a recompensa divina

A Parábola dos Trabalhadores

Domingo da Septuagésima

Voca operarios et redde illis mercedem, incipiens a novissimis usque ad primus – “Chama os operários e paga-lhes o jornal, a começar dos últimos até os primeiros” (Mt 20, 8)

Sumário. A vinha do Senhor são as nossas almas; e Jesus Cristo, que é o grande Pai de família, nos chama em qualquer hora do dia e da maneira mais variada, para as cultivarmos. Irmão meu, examina-te sobre como até agora respondeste à voz de Deus. Se achares que foste negligente, recupera os anos perdidos, trabalhando com zelo dobrado, pensando que Deus mede a recompensa de seus servos, não tanto pelo tempo durante o qual, mas pelo modo como foi servido.
Continue a ler

Coração de Cristo, coração do mundo

Dom Henrique Soares da Costa
Por Dom Henrique Soares da Costa

Hoje, a Igreja celebra a Solenidade do Coração do Cristo Jesus.
Trata-se de uma belíssima devoção, bíblica, profunda, de forte sentido para a vida cristã. Para não ficarmos numa devoção magra, anêmica, meramente individualista e sentimental, vejamos alguns aspectos mais teológicos desta invocação.

Na antropologia bíblica “coração” indica o interior do homem, a sede de seu caráter, de sua personalidade, ali onde nascem os pensamentos e sentimentos mais profundos. O coração é a sede das decisões do homem, é o núcleo mesmo da sua personalidade.

Dizer “coração” é referir-se ao homem como ser que reflete e toma decisões com conhecimento de causa. Em outras palavras: enquanto nas línguas modernas o coração é, sobretudo, o órgão dos afetos, na linguagem bíblica, o coração é, principalmente, o órgão do pensamento, da opção, da decisão, dos afetos medidos e comedidos: dizer que alguém não tem coração é dizer que não tem juízo, que não conhece os próprios pensamentos!

No salmo 85/86,11 o autor sagrado suplica:

“Senhor, mostra-me Teu caminho e eu me conduzirei segundo a Tua vontade. Unifica meu coração para que ele tema o Teu Nome!”

Sendo o coração órgão da decisão e da vontade, o salmista pede que ele seja unificado para Deus.

O sentido seria mais ou menos este:

“Unifica-me a mim para Ti: que meus pensamentos estejam em Ti. Estando em Ti, como o eixo de minha vida, que eu seja inteiro, íntegro, senhor de mim. Assim, com um coração unificado, que eu possa estar todo inteiro diante de Ti, o Deus Um, todo inteiro dado a mim”

Resumindo tudo isto: na antropologia bíblica, dizer coração é dizer “eu”: o meu coração é o meu eu!

Se assim é o coração humano, como se manifesta o Coração de Cristo?

Seu coração humano – Ele amou com um coração humano! – é imagem do Coração do Pai, de modo que podemos afirmar que o Coração de Deus se manifesta no Coração de Cristo:

“Como o Pai Me amou, Eu também vos amei!”

Ora, em toda a Sua existência humana – no Seu ministério, nas Suas palavras, nos Seus milagres, nos Seus encontros com tantas pessoas diversas, nas Suas caminhadas pela Terra Santa -, Jesus revela o Coração do Pai… Basta pensar na parábola do filho pródigo, na qual Jesus procura explicar aos Seus adversários que age com amor e misericórdia porque o Pai faz o mesmo…

Portanto, no Coração compassivo, manso e sereno do Senhor Jesus, podemos entrever o quanto Deus é para nós ternura e carinho, acolhimento e perdão!

A Igreja compreendeu isto tão bem que coloca a seguinte antífona de entrada para a Missa do Coração de Jesus:

“Eis os pensamentos do Seu Coração, que permanecem ao longo das gerações: libertar da morte todos os homens e conservar-lhes a vida em tempo de penúria” (Sl 31/32,11.19)

É este o pensamento, o projeto do Coração do Pai Eterno, manifestado no Coração de Jesus: libertar e dar a Vida!

Contemplar o Coração de Cristo, manso e humilde, aberto na cruz para que recebamos a água que nos vivifica e o sangue que nos lava, significa experimentar, crer e anunciar que Deus, o Pai de Jesus, é amor e fonte de amor.

Este anúncio é tanto mais urgente e necessário quanto mais vemos um mundo, o nosso, ferido de coração. Ou não é um mundo machucado pela incredulidade, pela banalização de todos os valores, pela destruição platina e sistemática de tudo quanto é sagrado, pela solidão, pela violência, a fome e a pobreza, este mundo nosso? Como é pobre, como é miserável um mundo que pensa que a maconha plenifica a vida, que a libertinagem sexual é expressão de liberdade e maturidade, que a destruição da família é um bem! Como é triste um mundo que esvaziou o sentido profundo e comprometido da palavra amor…

Por mais que muitos psicólogos tentem, não são eles quem salvarão a humanidade: somente o amor verdadeiro dá sentido a todas as coisas! E é precisamente isto que o Coração de Jesus revela: que Deus é Amor e fonte de amor, do amor que se dá, se entrega e, dando-se é pleno; o Coração do Cristo revela que a paternidade do Pai do Céu é cheia de compaixão e misericórdia e abraça todas as criaturas. Do Seu amor ninguém é excluído (a não ser que se exclua a si mesmo, fugindo de Deus), do Seu carinho ninguém é esquecido!

Quem dera que este mundo, que corre o risco de se tornar sem coração, mundo cão, encontre no Coração de Cristo o descanso, a inspiração e a paz! Quem dera que aceitasse o convite de Jesus, sempre atual e desafiador:

“Vinde a Mim, vós todos os que estais cansados sob o peso o vosso farto e Eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o Meu jugo e aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração… E encontrareis descanso…” (Mt 11,28ss)

Festa de São Luiz Gonzaga

São Luís Gonzaga

Inspice et fac secundum exemplar, quod tibi in monte monstratum est – “Olha e faze segundo o modelo que te foi mostrado no monte” (Ex 25, 40)

Sumário. Felizes daqueles que estão ainda em tempo de poderem imitar São Luís na sua inocência! Se não somos deste número, procuremos ao menos imitá-lo na sua penitência. Depois de recuperada a graça divina pela confissão sacramental, conservemo-la pelos mesmos meios de que usou o jovem angélico para nunca a perder. Frequentemos sobretudo os sacramentos, sejamos devotos à Santíssima Virgem e recomendemo-nos cada dia a São Luís. Continue a ler

Festa da Anunciação de Maria Santíssima

Ecce concipies in utero et paries filium, et vocabis nomen eius Iesum – “Eis que conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus” (Lc 1, 31)

Sumário. Eis como Maria, enquanto na sua casa está suplicando a Deus pela vinda do Redentor, vê um anjo que a saúda e lhe anuncia ser ela mesma destinada para Mãe do Salvador. A humilde Virgenzinha, julgando-se nimiamente indigna de tamanha honra, fica toda perturbada; mas afinal dá o consentimento, e naquele mesmo instante o Verbo divino se tornou seu Filho. Ó grande Mãe de Deus, vós, tão privilegiada e tão humilde, nós tão pecadores e tão orgulhosos! Obtende-nos a santa humildade.
Continue a ler

Festa de São José, Esposo da Virgem Maria

Pretiosa in conspectu Domini mors sanctorum eius – “Preciosa é aos olhos do Senhor a morte de seus santos” (Sl 115, 15)

Sumário. Representemo-nos na casa de Nazaré para assistir à morte do Santo Patriarca. É opinião bem fundada que São José morreu por puro amor a Deus; porque teve a sorte ditosa de ser assistido por Jesus e Maria, que, com as palavras de vida eterna, que lhe dirigiam alternadamente naquelas extremas, inflamavam-lhe o amor. Se desejamos morrer devotos do grande Santo, imitemos-lhe as virtudes, particularmente o seu amor a Jesus e Maria.
Continue a ler

Festa de São Clemente Maria Hofbauer

Quasi stella matutina in medio nebulae, et quasi luna plena in diebus suis lucet – “Brilha como a estrela da manhã no meio da névoa, e como a lua cheia nos dias de sua maior claridade” (Eclo 50,7)

Sumário. Consideremos as virtudes sublimes deste filho predileto de Santo Afonso. Ele tinha sempre a fé católica por seu único tesouro; firmíssima foi a sua esperança, e ardente a sua caridade, fecunda em obras santas. A estas virtudes teologais uniu o Santo as virtudes morais, de maneira que pode ser considerado modelo perfeito da perfeição cristã. Alegremo-nos com o Santo e agradeçamos a Deus em seu nome. Vendo-nos tão longe da sua perfeição, roguemos-lhe que nos alcance do Senhor a força para o imitarmos de hoje em diante, particularmente no seu amor para com Deus.
Continue a ler

Meio de nos unirmos ao Sagrado Coração: a Boa Intenção

Oculi eius sine intermissione inspicientes in viis eorum – “Os seus olhos se aplicam sem intermissão a considerar os seus caminhos” (Eclo 17, 16)

Sumário. A boa intenção é tão agradável a Jesus Cristo, que tem o poder de nos introduzir no seu Coração. Feliz aquele que se serve dela para ir habitar nesta morada de amor! Todas as obras exteriores que não procedem do coração e não são acompanhadas de boa intenção, não têm valor algum diante de Deus. Toda a glória de uma alma consiste em ser inteiramente unida pelo Coração de Jesus.
Continue a ler

Artigos antigos Artigos recentes

© 2017 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑