Encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo

Invenietis infantem pannis involutum, et positum in praesepio – “Achareis um menino envolto em panos, e posto em uma manjedoura” (Lc 2, 12)

Sumário. Quem entra sem fé na Gruta de Belém, terá apenas sentimentos de piedade ao ver um menino tão tenro em tamanha pobreza; mas, quem entra com fé, não poderá deixar de amar a Jesus reduzido por nosso amor a tal estado. Avivemos, pois, a nossa fé e consideremos o excesso de amor de um Deus em se mostrar a nós feito criança, envolta em panos, tiritando de frio, necessitado de todas as coisas. E para que? Para ganhar o amor dos homens, suas criaturas.

I. Quando a Igreja contempla o mistério prodigioso de um Deus nascido numa gruta, exclama cheia de pasmo: O Magnum mysterium! O admirabile sacramentum! (1) — Ó grande mistério! Ó sacramento admirável! Os animais vêem o seu Senhor nascido e posto numa manjedoura! — Para contemplar com amor e ternura o nascimento de Jesus Cristo, devemos pedir ao Senhor o dom de uma fé viva. Se entramos sem fé na Gruta de Belém, teremos apenas sentimentos de piedade, ao vermos um menino reduzido a tal extrema pobreza, que, nascendo no rigor do inverno, seja posto numa manjedoura de animais, sem fogo numa gruta fria.

Mas, se entramos com fé e consideramos o excesso de bondade e amor da parte de um Deus que quis aparecer entre os homens como menino pequenino, envolto em panos, posto sobre a palha, chorando e tremendo de frio, incapaz de se mover, necessitado de um pouco de leite para viver, como será possível que alguém não se sinta atraído e docemente constrangido a dar todo o seu amor ao Deus-Menino, que se reduziu a tal extremo para se fazer amar?

Diz São Lucas que os pastores, depois de terem visitado Jesus Cristo na gruta, voltaram glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto: reversi sunt glorificantes et laudantes Deum (2). E todavia que é que eles tinham visto? Nada, senão uma criancinha pobre, tiritando de frio, sobre um pouco de palha. Mas, porque eram iluminados pela luz da fé, reconheceram naquele Menino o excesso do amor divino, e abrasados neste amor, louvavam e glorificavam a Deus por terem tido a sorte ditosa de ver um Deus aniquilado (semetipsum exinanivit (3)) e humilhado por amor dos homens.

II. Terno e amável Menino, embora eu Vos veja tão pobre nesta palha, reconheço-Vos e adoro-Vos como meu Senhor e meu Criador. Compreendo o que Vos reduziu a tão miserável estado: o vosso amor para comigo. Ó meu Jesus, quando, após isto, penso no modo pelo qual Vos tratei no passado, nas injúrias que Vos fiz, espanto-me de que tenhais podido suportar-me. Ah! Malditos pecados, que tendes feito? Enchestes de amargura o Coração tão amante do meu Senhor.

Por piedade, caro Salvador meu, pelos padecimentos que sofrestes e pelas lágrimas que derramastes na gruta de Belém, dai-me lágrimas, dai-me uma grande dor, que me faça chorar toda a minha vida os desgostos que Vos causei. Abrasai-me de amor para convosco; mas, de amor tal que compense todos os meus crimes contra Vós. Amo-Vos, meu pequenino Salvador, amo-Vos, ó Deus feito menino, amo-Vos, meu amor, minha vida, meu tudo. † Jesus, meu Deus, amo-Vos sobre todas as coisas, e prometo-Vos não amar dora em diante senão a Vós. Ajudai-me com a vossa graça, sem a qual nada posso.

— Ó Maria, minha esperança, alcançais de vosso divino Filho o que quereis: rogai-lhe que me conceda o seu santo amor. Minha Mãe, atendei-me.

Referências:
(1) Off. Nativ. Resp II.
(2) Lc 2, 20
(3) Fl 2, 7

Voltar para o Índice de Meditações sobre o Mistério da Encarnação do Verbo

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo I: Desde o Primeiro Domingo do Advento até a Semana Santa Inclusive. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 467-469)