Verdadeiro Sacrifício de Cristo, nosso Redentor

Dilexit nos et tradidit semetipsum pro nobis – “Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós” (Ef 5, 2)

Sumário. A salvação ou a condenação de todos os homens não aumenta nem diminui de nada a felicidade do Filho de Deus, que é a bem-aventurança mesma. Todavia Ele tem feito e padecido tanto por nós, que, se a sua beatitude fora dependente da nossa, não teria podido padecer e fazer mais. Quão grande não deve, pois, ser nosso amor para com Jesus Cristo e quão grande a nossa confiança de obtermos, pelos seus merecimentos, todas as graças que desejemos!

I. Considera que o Verbo Eterno é o Deus infinitamente feliz em si mesmo, de tal sorte que a sua felicidade não pode ser aumentada. Nem mesmo a salvação ou a condenação de todos os homens podem acrescentar-Lhe ou diminuir-Lhe alguma coisa. Contudo, para nos salvar a nós, vermes miseráveis, Ele tem feito e padecido tanto, que, se a sua beatitude, no dizer de Santo Tomás, tivesse sido dependente da do homem, não poderá fazer nem padecer mais. Com efeito, se Jesus Cristo não pudera ser feliz sem a nossa redenção, como poderia humilhar-se mais do que se humilhou, tomando sobre si todas as nossas enfermidades, as humilhações da infância, as misérias da vida humana e uma morte tão desapiedada e ignominiosa? Só um Deus era capaz de amar-nos tão excessivamente a nós míseros pecadores, tão indignos de sermos amados.

Diz um piedoso escritor:

“Se Jesus Cristo nos tivesse permitido pedir-Lhe a maior prova de seu amor, quem jamais se atreveria a pedir-Lhe que se fizesse homem como nós, que se sujeitasse a todas as nossas misérias; ainda mais, que se fizesse de todos os homens o mais pobre, o mais desprezado, o mais maltratado, até morrer por mão de algoz e à força de tormentos num patíbulo infame, amaldiçoado e abandonado de todos, mesmo de seu próprio Pai, que desamparou o Filho, para não nos abandonar a nós em nossa perdição? Mas o que nós nem ousáramos conceber em pensamentos, o Filho de Deus o excogitou e realizou”.

— Desde o berço, o divino Menino se ofereceu por nós aos trabalhos, aos opróbrios e à morte: Dilexit nos, et tradidit semetipsum pro nobis (1) — “Ele nos amou e se entregou a si mesmo por nós”. Sim, Jesus nos amou, e por amor se nos deu a si mesmo, a fim de que, oferecendo-O ao Pai como vítima, em expiação de nossos delitos, possamos, em vista de seus méritos, obter da divina bondade todas as graças que desejarmos. Esta vítima agrada mais ao Pai do que se lhe fosse oferecida a vida de todos os homens e de todos os anjos. Ofereçamos, portanto, sempre a Deus os merecimentos de Jesus Cristo, e por eles busquemos e esperemos todo o bem.

II. Ó meu Jesus, eu seria por demais injusto para com a vossa misericórdia e o vosso amor, se, depois de me haverdes dado tantas provas do afeto que me tendes e do vosso desejo de me salvar, eu desconfiasse de vossa misericórdia e de vosso amor. Meu amado Redentor, eu sou um pobre pecador, mas Vós assegurais que viestes para buscar os pecadores. Eu sou um pobre enfermo, mas Vós viestes para curar os enfermos. Eu sou um réprobo por causa de meus pecados, mas Vós viestes para salvar o que estava perdido: Venit enim Filius hominis salvare quod perierat (2). Que poderei, pois, temer, se quiser emendar-me e ser vosso?

Só devo ter medo de mim mesmo e da minha fraqueza; mas a minha fraqueza e pobreza devem aumentar a minha confiança em Vós, que Vos gloriais de ser o refúgio dos pobres e prometestes atender a todos os seus desejos: Desiderium pauperum exaudivit Dominus (3) — “O Senhor ouviu os desejos dos pobres”. Eis a graça que Vos peço, ó meu Jesus, dai-me confiança em vossos merecimentos, e fazei com que sempre me recomende a Deus pelos vossos méritos. — Pai Eterno, pelo amor de Jesus Cristo, livrai-me do inferno e em primeiro lugar do pecado. Pelos méritos desse vosso Filho, dai-me luz para conhecer a vossa vontade; dai-me força contra as tentações; dai-me o dom de vosso santo amor. Sobretudo suplico-Vos a graça de sempre pedir que me ajudeis pelo amor de Jesus Cristo, que prometeu que haveis de conceder tudo quanto se pedir, àqueles que Vos pedirem em seu nome. Se perseverar em pedir assim, serei salvo; se não o fizer, serei com certeza condenado.

— Maria Santíssima, impetrai-me a grandíssima graça da oração, da perseverança em recomendar-me sempre a Deus e a vós, visto que obtendes de Deus tudo quanto quiserdes.

Referências:

(1) Ef 5, 2
(2) Mt 18, 11
(3) Sl 9, 17

Voltar para o Índice de Meditações de Santo Afonso

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo I: Desde o Primeiro Domingo do Advento até a Semana Santa inclusive. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 33-35)