Pastores adorando Menino Jesus

Os Pastores Vigiavam

Vamos dirigir a atenção, neste capítulo, àqueles pastores que cuidavam dos seus rebanhos nos arredores de Belém na noite em que Jesus nasceu (Lc 2, 8-20). As suas figuras estão em todos os presépios, e são dignas de ser contempladas, porque eles foram os primeiros a adorar o Menino Deus na noite de Natal.

Não é por acaso que Deus lhes anunciou essa alegria em primeiro lugar, antes que a ninguém mais. É porque eram criaturas simples e Deus ama, juntamente com a humildade, a simplicidade de coração.

Talvez você se lembre daquelas palavras que Jesus proferiu com entusiasmo: Eu te dou graças, Pai, Senhor do Céu e da terra, porque revelaste estas coisas – as grandezas da nossa Redenção – aos pequeninos, aos simples.

Cristo ama a simplicidade. Mas essa virtude tem, como o espectro solar, cores diversas e todas bonitas. Podemos descobrir uma primeira cor nas palavras com que o Evangelho apresenta os pastores:

Havia nos arredores uns pastores que vigiavam e guardavam o seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite

O que nos sugere isso?

Vigiavam. Como gosta Jesus desta palavra! Felizes os servidores a quem o seu Senhor achar vigilantes! – diz em Lc 12, 37. Vigiar é estar atento ao que se faz, ao que se deve fazer – porque é o dever que Deus nos pede -, sem cair em descuidos nem cochilos. Vigiar é fazer as coisas bem-feitas, com carinho, com capricho, colocando nelas a cabeça e o coração. Vigiar é fazer com amor o que Deus nos solicita em cada momento do dia, e apresentá-lo a Ele como uma oferenda agradável.

Com certeza, aqueles pastores gostavam do seu trabalho, trabalhavam com alegria. Conheciam as suas ovelhas uma a uma, pelo nome. Eram daqueles que, como lemos na Bíblia, as faziam repousar sobre pastos verdejantes, que procuravam as que estavam perdidas, curavam as feridas, protegiam as doentes e ajudavam as fracas.

É tão bom aprender a «vigiar» como eles. Amar o trabalho e trabalhar com amor, como um filho de Deus bem-disposto. Como é bonito – por exemplo – ver esses rapazes e moças que trabalham de dia e estudam à noite. Muitos só conseguem dormir quatro ou cinco horas, mas não se queixam. Estão felizes porque podem estudar. E sonham com o futuro, e pensam que, quando chegar, poderão ajudar outros rapazes e moças, pobres de dinheiro e ricos de esperança, a formar-se também. São bons e simples.

Foi a uns corações como esses – um grupo de pastores humildes – que um anjo do Senhor anunciou, primeiramente, o Natal:

Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova, que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu, na cidade de Davi, um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: Achareis um recém-nascido envolto em panos e posto numa manjedoura

Nunca deveríamos cansar-nos de meditar nessas palavras, que definem o Natal. Deus vem pequenino ao mundo, para se entregar pela nossa salvação. O Filho de Deus, a segunda Pessoa da Santíssima Trindade, não vem com solenidade majestosa. Nasce pobre, iniciando uma vida terrena que será sempre simples. O Senhor dos céus e da terra vem como a menos importante das criaturas.

Corações capazes de admirar

Lembrávamos acima que há várias cores no espectro solar da simplicidade. Vejamos mais algumas. Por exemplo, o Evangelho nos mostra que os pastores eram pessoas capazes de se admirar. A capacidade de admiração é uma das qualidades características dos corações simples.

Basta ver o que conta o Evangelho. Depois de receberem o anúncio do Natal, diz são Lucas que os pastores foram correndo ver o recém-nascido:

Vamos até Belém, e vejamos o que lá se realizou e que o Senhor nos manifestou. Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o Menino deitado na manjedoura

Logo o adoraram e lhe ofertaram o que tinham – pão, queijo, leite, um cordeirinho novo -, e voltaram glorificando e louvando a Deus, por tudo o que tinham ouvido e visto.

Eles ficaram encantados com o Menino Jesus. Outros teriam ficado decepcionados ante tamanho abandono e pobreza. Mas Deus e eles se entenderam perfeitamente bem. Os corações simples descobrem maravilhas, captam alegrias que os complicados ignoram e infelizmente perdem.

Complicados são os egoístas, que desconfiam de tudo e de todos, e tudo discutem. Os simples não são assim. Não têm o olhar enfastiado, nem o coração entediado, nem a mente desconfiada. Os simples são alegres, suas alegrias são singelas. Pelo contrário, os egoístas são tristes e irritadiços, vivem enjoados de todos e de tudo. É como se tivessem um véu nos olhos que os impedisse de enxergar as maravilhas de Deus e as coisas boas do próximo.

Há ainda outra característica bonita dos corações simples. Eles sabem apoiar-se e animar-se uns aos outros, como os pastores, que mutuamente se incentivavam: Vamos até Belém!… Quando esses corações simples têm fé, ficam felizes por ajudar, por animar os parentes e amigos, com toda a delicadeza, a se aproximarem do Bem, a se aproximarem de Deus. É outra cor desse espectro colorido da simplicidade.

A mensagem do Natal

Mas ainda há mais. Falta-nos meditar, a respeito dos pastores, em algo que é essencial: a mensagem que receberam dos anjos.

Subitamente – diz o Evangelho -, ao anjo se juntou uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus e dizia: «Glória a Deus no mais alto dos céus e, na terra, paz aos homens de boa vontade!»

Alegria no céu e paz na terra. Paz! Que falta nos faz! É um dom que Jesus traz ao mundo: A paz vos deixo, a minha paz vos dou. Um dom que significa muito mais do que tranquilidade e falta de problemas.

A paz de Cristo não é a calma dos adormecidos, nem a pachorra dos desligados. É algo muito mais e profundo: é a harmonia, a nossa harmonia com Deus, conosco – no íntimo da consciência – e com os outros.

A harmonia com Deus alcança-se com o amor e com o arrependimento. Os corações simples e bons vivem fazendo as coisas certas por amor a Deus, e pedindo perdão pelas erradas também por amor a Deus. Cada confissão sincera, para eles, é um mergulho na paz que só Cristo pode dar.

É um fato que todas as vezes que olhamos para Deus e para nós com sinceridade, sem nos enganarmos, sem desculpas esfarrapadas para encobrir as nossas misérias, todas as vezes que falamos como o filho pródigo – eu me levantarei, irei a meu pai e direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti (Lc 15, 18) -, todas as vezes que fazemos um ato sincero de contrição, todas as vezes que fazemos uma boa Confissão, a paz nos invade.

Três caminhos para a paz

Creio que se pode afirmar também que um coração simples e bom, que ama a Deus, pratica três regras de ouro que o mantém na paz:

Primeiro: Colocar o amor acima do prazer. O prazer egoísta mata o amor, é um veneno tão forte como o orgulho. Ai da mulher, ai do homem, que abandona o sacrifício que lhe pede o amor dos outros por uma razão tristemente egoísta: porque não lhe dá satisfação, e só pensa em gozar a vida e sentir-se bem.

Segundo: Pôr a verdade acima do gosto. Isso exige ser muito sinceros. Muitas vezes, na vida moral, achamos que é certo o que gostamos de fazer, e nem sempre temos a coragem de perguntar a Deus a verdade, ou seja, o que é certo aos olhos dEle.

Terceiro: Colocar Deus e os outros acima do nosso «eu» Primeiro Deus, depois o bem dos outros, depois «eu»… Os que seguem a ordem inversa procuram-se a si mesmos sem parar, e caem num círculo vicioso, que poderíamos descrever assim: o seu «eu» vazio procura a plenitude que ainda não encontrou, mas – infelizmente – procura-a voltando-se para si mesmo, andando em círculo, como a cobra que morde o rabo; e como em si mesmo só tem o vazio, passa a vida sendo um vazio que corre atrás do vazio.

Santo Agostinho tremia ante esse perigo e o vencia com um ato de fé:

«Fizeste-nos, Senhor, para Ti, e o nosso coração estará inquieto enquanto não descansar em Ti» (Confissões I, 1, 1)

Ele, como tantos outros santos, aprendeu, pela fé e a experiência espiritual, que só nos encontramos a nós mesmos quando nos damos. Não há harmonia melhor com Deus e com o próximo do que a que nasce da doação generosa.

Jesus não se cansava de inculcar esta aparente contradição:

Quem quiser guardar a sua vida, a perderá; e quem perder a sua vida, por amor de mim, a encontrará (Mt 16, 25)

É um segredo divino que as almas simples acabam descobrindo, e então saboreiam a felicidade nova que Cristo trouxe ao mundo.

Voltar para o Índice do livro Contemplar o Natal