Meditação para o Dia 10 de Fevereiro

Não choremos os nossos mortos como quem não crê na ressurreição da carne, como os que não têm esperança. A saudade é amarga e dolorosa, e as lágrimas não podem deixar de correr quando o golpe da morte nos vem arrebatar os que tanto amamos. Chorar os nossos mortos não é um mal. Nosso Senhor não chorou sobre a sepultura de Lázaro? A fé não nos condena à insensibilidade, à dureza de coração. Sim, deixemos que corram essas lágrimas saudosas e irreprimíveis. Choremos, sim, os nossos mortos, mas choremos como quem tem fé. Um dia os veremos na verdadeira Pátria, onde não haverá mais luto nem dores. Olhemos para o Céu e enchamos o coração de esperanças. Também nós partiremos, um dia, e tornaremos a ver aqueles que tanto amamos neste mundo. Os que partiram, não os que perdemos para sempre. São Cipriano escreveu,numa bela carta de consolação, este pensamento:

“Não choreis desesperadamente os que o Senhor livrou deste mundo. Eles partiram antes, numa viagem que também havemos de fazer”

Entre os que viajam neste mundo, por terra ou por mar, uns chegam antes, e outros, depois. Uns vêm adiante, e outros, atrás. Os que morreram, meus caros, partiram antes, apenas. Consolemo-nos! Não iremos também depois e não veremos os nossos que já chegaram?

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 51)