Meditação para o Dia 13 de Maio

Aos 13 de maio, a florzinha delicada de Nossa Senhora, Santa Teresinha do Menino Jesus, foi agraciada pelo sorriso da Virgem. Uma doença estranha acabrunhava a pobre criança. O pai e as irmãs recorreram à Santíssima Virgem.

“E eu – escreve Teresinha – já não encontrando nenhum socorro neste mundo, quase a morrer de dor, voltara-me para minha Mãe do Céu, suplicando-Lhe que tivesse compaixão de sua filhinha. Animou-se de súbito a estátua (1).

A Virgem tomou um aspecto tão belo que nunca achei expressão para descrever essa formosura Divina. Ressumbravam do seu semblante uma doçura, uma bondade e ternura inefáveis, mas o que se me gravou nas profundezas da alma foi o seu sorriso arrebatador! Desvaneceram-se minhas mágoas, brotaram-se-me dos olhos duas grossas lágrimas, que me rolaram silenciosamente pela face. Ah! Eram lágrimas de alegria celeste e sem mistura! A Virgem Santíssima adiantou-se para mim! Sorriu-me!… Que ventura a minha!” (2)

E o sorriso de Maria curou Teresinha. E nos cura também de todas as enfermidades, de nossas misérias e pecados. Sorriso de Maria é esse convite da consciência para que deixemos o pecado e façamos uma boa confissão. Sorriso de Maria é essa inspiração da graça para nossa santificação. Sorriso de Maria são as misericórdias Divinas que Ela faz chover sobre nós, eternos réus da justiça Divina, sempre isentos do castigo pela proteção Materna Daquela que é o Refúgio dos pecadores!

Ó Maria! Vós que sorristes ao inocente anjo do Carmelo, dai-me o Vosso sorriso de misericórdia. Sofro tanto e sou tão pecador!

Referências:
(1) Uma estátua de Nossa Senhora das Graças, que Teresa tinha à cabeceira.
(2) História de uma alma – c.III.

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 148)