Meditação para o Dia 13 de Março

Quando a alma realizou, com a purificação dos próprios pecados e o gradativo progresso nas virtudes, o que Santo Afonso chama a unificação da própria vontade com a Vontade de Deus, nada mais deseja neste mundo. Ela fica como um lago sereno e sempre tranquilo, onde se espelham o sol da justiça e o céu azul da paz. O coração humano, quando vive longe da Vontade de Deus, é um oceano agitado pelas tempestades de mil desejos. Quem busca essa Santíssima Vontade e sabe querer o que Deus quer, realiza o ideal de abandono, que São Francisco de Sales exprime nestas poucas palavras, as quais, como tantas outras do melífluo doutor, são um programa de perfeição:

“Nada desejar, nada pedir, nada recusar!”

Nada desejar! Sim! Pois Deus não nos basta? Por que alimentarmos desejos irrealizáveis? A quem Deus não basta, nada basta. Nada pedir! Entendamo-nos: nada pedir fora da vontade de Deus, principalmente em se tratando de coisas temporais.

Nada recusar! Veio-nos uma contradição? Não a recusemos. Uma alegria, também não. Dores, calúnias, perseguições, reveses, pobreza, ingratidões, desolações interiores? Nada recusar!… Por quê? Porque é a Vontade de Deus! E a Vontade de Deus é toda santa e amável, quer nosso bem. Seríamos felizes, neste mundo, e nosso pobre coração sofreria menos, se realizássemos perfeitamente o ideal do abandono: nada desejando, nada pedindo, nada recusando…

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 84)