Meditação para o Dia 20 de Abril

Não estejamos a medir os nossos sofrimentos, a compará-los com os dos outros, a desejar este, rejeitar aquele e pedir a Nosso Senhor que deles nos poupe. O melhor e mais perfeito é não escolher, deixando que se cumpra inteiramente a Vontade Divina.

“As melhores mortificações – dizia São Francisco de Sales – não são as que escolhemos, mas as que Deus escolhe”

A cruz que Ele talha nos vem coberta de preciosas graças, que não seriam concedidas se nós tivéssemos escolhido nossa cruz. Ou nada escolher, ou escolher tudo que Ele quiser, tudo, com generosidade, como o fez Santa Teresinha. Leônia, irmã da santa,apresentando a esta e a Celina uma cesta cheia de retalhos, fitas e galões, disse-lhes:

“Tomem lá e escolham”

Celina escolheu um novelo de cordão. Teresinha,porém, refletiu e exclamou:

“Eu cá escolho tudo”

Ao lembrar esse episódio de sua infância, na História de uma alma, comenta o Anjo do Carmelo:

“Neste episódio vejo resumida a minha vida. Quando, mais tarde, descobri os caminhos da perfeição, compreendi que, para se chegar a ser santa, é necessário sofrer muito, ambicionar sempre o que há de mais perfeito e esquecer-se de si mesma. Entendi que há numerosos graus na escola da santidade, e que cada alma é livre de fazer pouco ou muito por seu amor, de escolher, numa palavra, entre os diversos sacrifícios que lhe pede. Exclamei, então, como outrora, na quadra infantil: “Escolho tudo!” Não me amedronta ter que sofrer por Vós! Escolho tudo O que Vós quereis!” (1)

Que generosidade! Não quereis escolher tudo que Nosso Senhor vos mandar do Céu com a cruz?

Referências:
(1) História de uma Alma – c.I.

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 123)